Inflação: A Revanche

14 de junho de 2017

FED: double down


Hoje foi publicado dois dados econômicos que não estavam de acordo com as perspectivas do FED. A inflação medida pelo CPI foi anunciada em 1,9% a.a., apontando uma queda em relação ao mês anterior de 2,2% a.a.

Não bastasse só isso, as vendas ao varejo apontaram para uma queda de 0,3% em maio, só superada pela de janeiro de 2016.


De uma maneira geral os últimos dados apontam na mesma direção de queda. A pouco tempo o problema maior era o soft data, porém o hard data agora acompanha a queda do primeiro, como o gráfico mostra a seguir.

 
Pela manhã, o mercado imaginou que o FED poderia dar um tom mais ameno em suas projeções futuras. Naturalmente, ninguém esperava que não fosse subir os juros. Para exemplificar essa afirmação, o gráfico a seguir mostrava as chances de mais uma alta de juros até o final do ano de 50%.


Mas não foi o que aconteceu, e como no jogo de Black Jack, o FED resolveu fazer a jogada que se denomina double down – Essa é uma possibilidade de dobrar sua aposta original, se o jogador tem na soma das cartas 10 ou 11. Não mexeu uma palha nas projeções dos juros, mantendo mais uma alta para esse ano e três para o próximo.


A reação imediata do mercado foi desconsiderar o FED mantendo as altas da manhã. Mas conforme o tempo passou, uma lembrança do passado deve ter vindo a suas mentes - don´t fight the FED, revertendo os ganhos e passando a operar em baixa.

A Professora Yellen aproveitou a oportunidade para dizer que o gato está no telhado! A limpeza do balanço da autoridade monetária deverá começar em 2018, mas despacito! Para enfatizar esse ponto, quase saiu cantando e dançando o mais recente sucesso da dupla porto-riquenha. Hahahaha ....

Nos próximos dias saberemos se o movimento de hoje conhecido como knee-jerk – uma reação rápida que não permite tempo para considerar mais detalhadamente – foi só um susto ou não. Uma coisa é certa, alguém estará muito errado no futuro. Os juros implícitos nos mercados futuros e as projeções do FED estão muito distantes uma da outra. Façam suas apostas!

No post ecb-relax, fiz os seguintes comentários sobre o euro: ...” A primeira vista, parece que o euro ficará contido na formação de um triângulo, nesse caso, a cotação de € 1,11 passa a ser a primeira sugestão. Mas vocês já estão escolados e sabem que em correções tudo é possível, assim um outro nível que poderia ser atingido nessa retração seria € 1,10, onde colocamos a segunda ordem de compra” ...


Acontece que o euro não deu a mínima bola para o Mosca, e como podem verificar a seguir, o máximo da sua retração atingiu ao nível de € 1,1165. Hoje pela manhã praticamente tocou em € 1,13, e a tarde devolveu todo o ganho.


O pontinho que anotei em verde pode fazer toda a diferença daqui em diante, isso pode caracterizar-se como um false break e ter implicações sobre minha visão da moeda única. Como ainda é muito cedo para qualquer conclusão, o que vou fazer agora é cancelar os trades propostos acima.

Se tem alguma coisa que aprendi depois de perder em diversas ocasiões é que, na dúvida, é melhor ficar como espectador. Te deixa livre para reanalisar sem nenhum viés.

Amanhã, feriado de Corpus Christi, não haverá publicação do Mosca. Na sexta-feira vou publicar um post resumido junto com a tabela de resultados.

O SP500 fechou a 2.437, com queda de 0,10%; o EURUSD a € 1,1216, sem variação; o USDBRL a R$ 3,2802, com queda de 1,03%; e o ouro a US$ 1.259, com queda de 0,53%.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário