Inflação: A Revanche

31 de outubro de 2014

Halloween Japonês

Menos de 24 horas após o FED ter anunciado o fim de seu programa de injeção de recursos, o BOJ, Banco Central do Japão, decidiu aproveitar esta janela de oportunidades, e anunciou um plano para estender o seu, já ambicioso, programa de compra de ativos. Até então, o BOJ havia se comprometido a elevar a base monetária em 60 a 70 trilhões de yens, equivalente a U$ 540/630 bilhões de dólar. Ontem elevou esta cifra para 80 trilhões de yens, ou seja, um incremento de US$ 90 bilhões. Considerando que a economia japonesa é 1/3 da americana, em relação ao PIB, agora o Japão é o maior fã da política dos helicópteros, vão faltar pilotos! Hahaha ...

A razão que levou este BC a tomar esta medida, é o receio da deflação. Depois que a inflação chegou a 2% a.a., iniciou uma trajetória de baixa, atingindo 1% a.a. A queda do preço do petróleo também teve influência na decisão de Haruhiko Kuroda, Presidente do BOJ. O mercado foi pego de surpresa, e parece que não foi o único nesta semana, após a decisão de nosso BC, em sentido contrário.

A reação nos mercados, foi a mais do mesmo, o dólar subiu violentamente contra o Yen, veja o movimento de hoje, com alta de 3,0%.
A bolsa japonesa terminou com alta de 4,83%, além dos juros que já eram ridiculamente baixos, ficaram ainda mais baixos. Agora os títulos de 10 anos rendem 0,435% a.a. Só a título de curiosidade, uma aplicação de 10.000 yens por 10 anos, equivalente a um pouco menos de US$ 1.000, renderia ao final 443 yens, que convertido representa US$ 4,43, um cafezinho!

Sabe-se que os Japoneses são muito disciplinados e capazes dos maiores sacrifícios, haja visto o desastre recente da usina nuclear de Fukushima, mas também lhes falta jogo de cintura. Na minha avaliação, fico cético que mais esta tentativa ira funcionar, afinal a queda dos juros é ínfima. Por outro lado, a ideia de "empurrar" os investidores para o risco, induzindo a desvalorização da moeda, pode ser muito perigosa mais à frente.

No post delta-21-delta-21-câmbio, o economista, Jim Rickards, foi muito feliz na sua interpretação das forças de mercado e ação dos BC's. O time azul (mercado) puxando para a deflação, e o time vermelho (BC's) para a inflação. O poder de fogo destes últimos é infinito. A cada dia que passa, fico com a impressão que esta disputa entre os BC's para reanimar suas economias, através da desvalorização das moedas, vai acabar gerando inflação acima do que esperam. Se isto acontecer, como eles vão recuperar a credibilidade de suas moedas, subindo os juros? Pode ser tarde demais!
Ainda não tenho uma opinião formada, e tão pouco os gráficos apontam para uma alta dos juros, mas fico desconfortável com uma carteira de títulos longos. Agora, que o Kuroda preparou uma boa para a comemoração de Halloween, preparou. Cuidado com os fantasmas! Hahahah ...

"HIGH ALERT ON GOLD"

O assunto é muito importante, o ouro penetrou na região que eu vinha esperando há anos, desde o lançamento do mosca, em agosto de 2011. Ao romper os US$ 1.180, o metal entra no radar diário de acompanhamento, veja o gráfico de longo prazo a seguir.

 O metal está negociando a US$ 1.165, a poucos dólares de um ponto muito importante que é US$ 1.150, onde poderia reverter a queda destes últimos anos, para iniciar um período de alta, levando-o acima de US$ 2.000!

- David, se você esperou tanto tempo, por quê não comprar agressivamente?
Simples, porque dinheiro não é capim! Ao penetrar nesta região, o que não pode acontecer de jeito nenhum, é cair abaixo de US$ 1.050, nem um centavo! O que vou fazer é buscar identificar pistas para o grande dilema do momento:

  • O time azul da deflação vai ganhar a batalha ocasionando os preços de todos os ativos à cair?; ou
  • O time vermelho da inflação puxa a corda com tanta força, e leva o mundo à inflações crescentes?  
Não percam os próximos capítulos, não vai ser nada divertido, em nenhum dos dois extremos. Por outro lado, o ouro é o primeiro ativo que poderá dar uma boa pista, de qual lado tem mais chances.

O SP500 fechou a 2.017, com alta de 1,16%; o USDBRL a R$ 2,4777, com alta expressiva de 3,10%, Hummm ....; o EURUSD a 1,2531, com queda de 0,64%; e o ouro a US$ 1.171, com queda de 2,31%.
Fique ligado!

30 de outubro de 2014

A Dilma está "Aeciando"?

Durante toda a minha vida, eu nunca vi os dois principais jornais de São Paulo terem exatamente a mesma manchete no dia. Confesso, foi surpreendente o BCB elevar a taxa SELIC para 11,25% a.a. Além dessa ação, uma outra notícia que chama a atenção é o fato de a Petrobrás ter pedido à Justiça para que responda qual a participação de alguns ex-diretores da empresa, no esquema de corrupção envolvendo obras da refinaria Abreu e Lima.

Eu uso muito um ditado que tem se mostrado verdadeiro, "as pessoas inteligentes aprendem com os erros", será que este é o caso da Presidenta Dilma? Suas primeiras ações levam a esta suspeita, é lógico que somente o tempo poderá confirmar. Acho que os debates fizeram muito bem a então ex-Presidenta. Sim, pois ela resolveu mudar desde então. De tanto que o Aécio falou que a inflação estava perigosamente fora de controle traçado pelo governo, que ela, ou melhor o BCB resolveu agir, correndo o risco de ser muito criticado pelos empresários.

Antes queria agradecer a confiança dos leitores pelo fato do post Dilma-melhor-opção-para-o-momento, ter batido todos os recordes de leitura, num espaço de  tempo tão curto desde que foi postado. Até o momento 320, obrigado! Lá tracei um cenário sombrio para os próximos anos, onde o governo seria prisioneiro da situação, imaginando que buscaria manter sua gestão anterior. Agora, se realmente fizerem mudanças de postura, no sentido de medidas corretas do ponto de vista econômico, vou mudar de opinião, e porque não aplaudir. Sem que com isso, eu aprove as corrupções em que o PT esteve envolvido, e vários de seus membros. As suspeitas devem ser esclarecidas, inclusive as que pairam sobre a Presidenta e o Lula.

Estou me sentindo melhor desde que as eleições terminaram, e fico me indagando qual seria o motivo. Hum ... claro, seria o fato de a incerteza ter terminado, acabou a dúvida de quem ganharia a eleição. Outra que suspeito é que a sociedade saiu vitoriosa, uma vez que a oposição, onde me incluo, sentiu que tem poder para questionar o que se está fazendo. Talvez esteja surgindo um Brasil melhor.

No Hemisfério Norte, o FED anunciou o que se esperava, parou os helicópteros e deu um tom um pouco mais otimista sobre o mercado de trabalho. Porém, manteve a frase .."considerable time"... para subir os juros. O mercado teve uma interpretação dividida quanto aos ativos: a bolsa leve alta; o dólar x dólar, para cima; e os juros uma estável. É importante que os leitores entendam, que o que terminou, são os helicópteros novos, pois os velhos continuam no ar, descendo somente para reabastecer. Traduzindo, renovam os títulos no vencimento. Abaixo a expansão de seu balanço, durante todos estes anos.


Outro comentário que também capturou a atenção, foi a do ex-Presidente do FED, Alan Greenspan, ao dizer que os programas conhecidos como QE, não funcionaram: ...Effective demand is dead in the water and the effort to boost it via bonds buying, has not worked"... Ao final, disse o seguinte sobre o ouro: ..."Gold is a good place to put money these days given its value as a currency outside of the policies conducted by governments"...Em português claro, cuspiu no prato que comeu! Agora parece ficar claro, que ele não gostava muito do Bernanke e sua turma, pois são críticas contundentes á política recente do FED.

O ouro pela manhã estava flertando com o stoploss em US$ 1.205,  assim liquidamos nossa posição. Ficamos alguns dias, e saímos no zero a zero. Eu alertei várias vezes que estávamos operando contra a tendência, estas situações são difíceis e as vezes dão errado. Agora tomem cuidado para não virarem torcedores, teimando na posição, "stopou está stopado"! O ouro está tão largado, que nem recomendações do poderoso Greenspan para comprar o metal, funcionam mais! Hahahah ...

Outro ativo que não está se comportando como eu esperava, ou gostaria, é o euro. No post sinais-de-fogo, fiz os seguintes comentários: ...Vou aguardar para buscar um momento de venda, que por enquanto encontra-se na região anotada no gráfico, entre 1,295/1,31... A cotação máxima chegou a 1,2885, perto do primeiro intervalo.


Por mais que possa parecer teimosia, ainda vou ficar com minha premissa de vender o euro num ponto melhor. O que eu vou mudar, é o preço de execução do trade, agora o nível é 1,2950, e caso chegue lá, defino posteriormente o stoploss.

- David, você não está torcendo? Teve várias oportunidades para vender, e sempre fica esperando.
Você tem razão parcialmente, pois no mês de outubro, tirando os dias de extremo, o euro negociou entre 1,26 e 1,28, assim não teria ganho nada! Eu só admito sua afirmação, se ele romper o nível de 1,25, aí sim, dou minha mão a palmatoria, e digo mais, isto significa que o euro está muito, muito fraco. Minha expectativa baseia-se no fato que, a queda baixo de 1,25 agora, é num cenário pouco provável do ponto de vista técnico. Não gosto de apostar assim!

O SP500 fechou a 1.994, com alta de 0,62%; o USDBRL a R$ 2,4021, com queda de 2,39%; o EURUSD a 1,2610, com queda de 0,17%; e o ouro a US$ 1.198, com queda de 1,08%.
Fique ligado!


29 de outubro de 2014

Suíça: Um país 99,99999 ...%

Se você for à Suíça e fizer uma viagem de trem, cujos horários têm precisão de minutos, e ao chegar à estação verifica em seu relógio que o trem atrasou, pode estar certo que seu relógio está errado!

Uma passagem interessante de minha vida profissional, aconteceu quando viajei para o exterior na busca de bancos que se dispusessem a distribuir os fundos internacionais da Linear. Uma das visitas, foi a filial do Banco Goldman Sachs na Suíça. Ao chegar no endereço indicado me deparei com a porta de um prédio fechada, com uma campainha. Ao me apresentar pelo interfone, a pessoa que me atendeu pediu que fosse ao 1º andar (foi o que eu entendi!). Subi as escadas, e vi uma porta aberta. Assim que entrei no recinto, vem a mim, um suíço de uns dois metros de altura.

- O que o Sr. está fazendo aqui?
Um pouco constrangido, afinal eu era uma visita, expliquei que tinha uma hora marcada para apresentar minha empresa e seus fundos.
- O Sr. me acompanha até a porta, não pode ficar aqui.
Ao fundo percebi que uma moça veio correndo a meu encontro, e me acompanhou ao 2º andar. No caminho me pediu desculpas, e explicou que na Suíça, para ter acesso a um local onde havia informações de clientes, precisaria assinar um contrato onde poderia ser processado, caso usasse qualquer informação que eu tivesse acesso naquele recinto.

Qual não foi minha surpresa, quando a primeira pessoa da minha lista de visitas era o mesmo suíço , que foi muito simpático e participativo. Aprendi muito com esta passagem, ao voltar ao Brasil, implantei um sistema de acesso restrito a mesa de atendimento a clientes, além de pedir para as pessoas que atendiam os clientes assinassem um termo de compromisso. Assim a Linear teve um padrão Suíço de sigilo dos seus clientes,

Neste período pós eleições, o comentário de hoje será instrutivo para sabermos como funciona os direitos dos cidadãos em outros países, e em especial na Suíça. Num país com pouco mais de 8,0 milhões de habitantes, com a assinatura de 100.000, é possível uma iniciativa popular que será obrigatoriamente decida por um referendo, notem que uma parcela ínfima de 1,25%, tem o poder de consultar a nação.

Vou direto ao assunto, senão o meu amigo já, já pega no meu pé.
- É isso mesmo, me mostra como essa história pode aumentar meu patrimônio?

Durante muitos anos, uma boa parte da reserva deste país era composta de ouro, porém a partir de 1999, um referendum deu poderes para o SNB, o BC Suíço, vender o metal, e destinar 2/3 dos lucros aos Cantões, que são equivalente aos nossos estados. Assim, a partir de maio de 2000, o SNB começou a vender sua posição de ouro, que era anteriormente requerida, em termos de política monetária. Veja no gráfico abaixo que, conforme eles vendiam, o preço do metal subia. Boa decisão! Hahahah...


Para se ter uma ideia da importância do estoque de ouro detido pela Suíça, vejam a variação dos estoques nos últimos 20 anos, em diversos países.



Em 2011, quando o euro começou a cair pelas tabelas, os investidores europeus buscaram refúgio no franco suíço, no post quando o objetivo é ficar em último lugar, comentei a medida adotada pelo SNB de garantir uma paridade mínima de 1,20 contra o euro. Com suas intervenções desde então, vejam a evolução dos ativos detidos por este BC, e em sua maioria em euros.

Assim, chegamos a situação atual, um deputado que representa o partido do povo, Stamm, conseguiu uma iniciativa popular federal com 100.000 assinaturas, necessárias para um referendo popular, com a seguinte demanda: 20% das reservas detidas pela Suíça devem estar de ouro físico, depositado na Suíça.

Este referendo está marcado para 30/11 próximo, e se aprovado promete uma chacoalhada importante no ouro, que se encontra largado, com muitas posições vendidas a descoberto. Só para se ter uma ideia, serão necessárias a compra de 1.700 toneladas que correspondem a 70% da produção mundial de um ano, além do fato de obrigar sua custódia na Suíça, que tem o mesmo efeito que eu enfatizo aqui, quando me refiro as vendas de dólar pelo nosso BC através de contratos de swap. E que é muito diferente quando são necessárias reservas. Não precisa ficar apavorado, e nem sair comprando ouro já, pois primeiro precisa ser aprovada, e segundo o SNB terá 5 anos para recompor suas reservas.

Mas este caso mostra como o povo na Suíça tem poder de até forçar seu BC a fazer algo que, com certeza não quer no momento, pois ou vai ter que emitir mais francos suíços, ou vender euros, para comprar ouro, que não rende nada! Ah, quase me esqueci, nenhuma moeda rende nada, com exceção do real que deve ter juros elevados por muito tempo ainda!

- David, por que a brincadeirinha no título de 99,999..%?
O tempo lá é horrível! Hahahah...

Bem, já que o assunto é ouro, vamos atualizar do ponto de vista técnico. Parece que a informação do post de hoje, não teve nenhum impacto no mercado, ao contrário, abriu com uma leve queda. Com a reunião do FED para à tarde, as atenções encontram-se por lá, e no momento ouro é lixo! Ah, se alguém quiser jogar fora o seu, me avise, eu mando retirar, não precisa se preocupar! Hahahah... No post day-after, fiz o seguinte comentário: ...uma continuidade desta alta, ultrapassando o nível de US$ 1.250... se cair, fica mais duvidoso, até US$ 1.205 eu encaixo ...Não é só o mosca que acha o nível de US$ 1.250 importante, a turma que está vendida, vem defendendo com unhas e dentes...




Dito e feito, negociou algum tempo ao redor de US$ 1.250, e  encontra-se ao redor de US$ 1.220. Agora vocês hão de convir, ou a análise técnica tem o seu valor, ou o mosca está tão popular, que os vendidos sabendo que eu e meus leitores estávamos comprados, resolveram aumentar as suas apostas naquele nível. Qual vocês acham mais factível?

- David, eu sei que mesmo não acreditando, está com uma tendência de achar que o mosca virou um must para quem quer investir. Menos, menos, quero dizer que estou aceitando melhor esta tal de análise técnica! Hahahah....

O SP500 fechou a 1.982, com queda de 0,14%; o USDBRL a R$ 2,4609, sem variação; o EURUSD a 1,2638, com queda de 0,75%; e o ouro a US$ 1.211, com queda de 1,32%.
Fique ligado!

28 de outubro de 2014

"delta 21, delta 21, câmbio"

Nos filmes de combate aéreo, com frequência aparece aquela cena do piloto de capacete comunicando-se com a central de comando. As cenas que se sucedem variam de filme para filme, desde ataques, combates aéreos ou a ordem para voltar à base. E está última poderá ser a cena figurativa desta quarta-feira na reunião do FOMC, onde provavelmente será encerrado o programa de injeção de liquidez denominado de QE3.

Antes de fazer uma análise se o programa funcionou ou não, vejamos seu impacto nos dois ativos mais importantes do mercado americano: O SP500 e os juros dos títulos de 10 anos.

Algo parece chamar a atenção, a cada vez que um programa foi implementado a bolsa e os juros subiam. Já o posto acontecia quando eram terminados, a bolsa e os juros caíam. Este último programa, QE3, apresentou um comportamento diferente, pois embora a bolsa tenha subido, os juros no meio do caminho, iniciaram um movimento de queda.

O mentor da era dos helicópteros, Ben Bernanke, antes de sair do FED, declarou o seguinte: ..."O programa de Quantitative Easing (QE), funciona na prática, mas não na teoria" ...Logicamente, não existe contra-argumento.

Bem, não temos como saber o que teria acontecido se os BC's ao redor do mundo não tivessem inundando o mundo de liquidez, e se ao contrário, tivessem deixado o mercado ter agido com suas próprias forças. Antes de criticar, se o programa funcionou ou não, é necessário definir o que significa "funcionou" neste caso.

Se o objetivo foi fazer com que as taxas de juros longas caíssem, uma vez que as de curto prazo já se encontravam em 0%, podemos assumir que sim. Os poupadores foram, neste caso, os maiores prejudicados, e é impressionante como eles sofreram em silêncio. Como exemplo, os investidores que investem em títulos alemães de 3 anos de prazo, mesmo com taxas de juros literalmente negativas, continuam comprando. Acredito que não se pode conclamar isto, como um sucesso de política monetária, mas sim uma aventura.

O mais correto seria responder a seguinte pergunta: Este experimento de política monetária permitiu alguma mudança para reformar o sistema econômico e monetário, que precisam de reestruturação? Acredito que a resposta é "não"! Uma outra pergunta que poderia ser respondida com um grande não é: Pode-se solucionar uma crise gerada por excesso de dívida, através do aumento destas dívidas com juros de 0%?

Segundo Jim Rickards, um renomado economista e banqueiro, diz: ..." simplesmente imprimir dinheiro e presenteá-lo aos bancos por meio do processo de criação de dinheiro, de forma mágica através do QE, é como tratar o câncer com aspirina, a "solução" supostamente, não faz nada para resolver a causa raiz do problema" ...Somente uma reforma profunda de reestruturação econômica o fará. E isto, envolve decisões difíceis dos políticos"...

Este fenômeno pode ser melhor explicado como uma batalha de cabo de guerra, segundo Rickards.
O time em azul representa o mercado. O mercado quer deflação, e querem que o imenso volume de crédito seja reduzido.

Logicamente, do outro lado encontram-se os BC's que buscam desesperadamente evitar este cenário.

Existem 3 maneiras clássicas para diminuir dívidas:

1) Engenhar um crescimento econômico suficiente para pagar a dívida existente. Na opinião deste economista, não é mais possível.
2) A segunda é um default, que num sistema monetário baseado em dívidas, projeta um Armagedom.
3) O terceiro nos traz a equipe vermelha: Explicito objetivo inflacionário, sancionado pelos BC's.

Está é a razão pela qual, os mercados ficaram tão voláteis ultimamente, no dia a dia, o time de azul e o de vermelho, lutam entre si, puxando ora para deflação, ora para a inflação. E nenhum lado venceu ainda a batalha.

Quem vai vencer a batalha? Não se sabe, porém o resultado será provavelmente tanto uma função da política, como dos mercados.

Assim, mais uma vez, a análise técnica vai poder nos ajudar a desvendar está saída, pois através dela, vamos evitar de ficar imobilizados em um cenário pré estabelecido, que acreditamos. O stoploss vai cumprir seu papel de alertar, caso a premissa não se concretize. Sabemos que o futuro é incerto, embora achamos que temos este dom. Acontece que neste momento que vivemos, um erro pode ser fatal.

Falando em análise técnica, não é incrível como o dólar respeitou o nível de R$ 2,52? Ontem havia feito um breve comentário, que este seria o nível importante a ser rompido. Com o resultado das eleições, muita gente achava que o dólar iria disparar, mas tecnicamente, o dólar estava muito esticado.

A ex-futura-Presidenta, deu uma entrevista ao Jornal Nacional, dizendo que vai buscar ouvir vários setores da sociedade, resumindo: Consenso. Vocês não tenham dúvidas que caso o dólar siga caindo como acontece agora pela manhã, esta será a razão dada pelos analistas, para este movimento. Não acreditem! O motivo é que o mercado estava muito comprado, that it´s it!

A situação do real não permite no momento nenhuma previsão mais segura, embora os dados de momentum mais longo, indicam alta do dólar. Do outro lado, segundo Elliott Wave, o cenário é mais duvidoso. Assim, vou ficar com análises de curto prazo até que fique mais claro.

Os "comprados" levaram um gol de contra-ataque, quando o dólar não conseguiu ultrapassar R$ 2,52. Mas os "vendidos" (PT! Hahahahah....) precisam vencer duas batalhas, primeiro o rompimento da reta apontada acima de R$ 2,47 (2);  e principalmente  o nível de R$ 2,36 (3). Por outro lado, caso o dólar volte novamente a buscar os R$ 2,52, aumenta muito as chances de estar rumo aos R$ 2,70.

- David, o movimento do câmbio no curto prazo, depende só do que o PT vai fazer?
Não mesmo! Acho até que, de agora em diante, quem vai dar o tom do movimento é o dólar-dólar, lembra? Fique muito de olho no que acontece lá fora, porque aqui dentro, no curto prazo, o governo já disse que quer ficar de bem com os "pensadores". Agora se o Ministro das Finanças for, pior ou igual a nomes como o de Mercadante, saí da frente. Nomes como Trabuco, combinam com o cenário que eu descrevi no post de ontem Dilma-melhor-opção-para-o-momento, e que vou chamar daqui em diante, "menos do mesmo".

O SP500 fechou a 1.985, com alta de 1,19%, fomos stopados no trade proposto no post os-filhinhos-do-governo, que gerou um pequeno prejuízo de 0,76% ( 1.965/1.980); o USDBRL a R$ 2,4606, com queda de 2,43%; o EURUSD a 1,2731, com alta de 0,28%; e o ouro a US$ 1.228, com alta de 0,25%.
Fique ligado!


27 de outubro de 2014

Dilma: A melhor opção para o momento

- David, pode-se explicar!
Antes que vocês achem que eu estou delirando, peço para quem ainda está inconformado com a derrota do Aécio, que leia sem viés, o post de hoje.

Sou grato a uma grande lição que aprendi na minha vida profissional, ser pragmático, nem sempre consigo, mas tento. Eu pergunto a vocês, quem é capaz de governar um país tão divido como o Brasil está? A esperança de qualquer candidato é wishfull thinking! Nem o PT vai conseguir e nem o PSDB conseguiria. É verdade que, caso fosse esse último, suas chances seriam melhores.

Vou usar a nomenclatura que criei no post os-filhinhos-do-governo, para classificar os eleitores. O PT ficou com os "beneficiários", este grupo de nada vai ajudar nos projetos que eles se propuseram, assim dependem totalmente dos "pensadores" no quesito investimentos. Outro fator importante que o PT perdeu totalmente nestas eleições é a credibilidade, e credibilidade se conquista e não se impõe. Quanto a equipe para comandar o país, tenho certeza que no íntimo a Dilma adoraria ter o Armínio Fraga como seu Ministro, conseguiria uma ilhazinha de credibilidade, mas vai ter que se contentar com um de 2º linha. Assim, no ramo de negócios vai ficar mais do mesmo, talvez menos do mesmo.

No campo político, nem pensar em reforma fiscal, apoio no Congresso e principalmente no Senado. Aproveitando, no quesito corrupção, acredito que vai diminuir muito, não porque não teriam vontade, mas ficarão com medo. Assim, dinheiro para próxima campanha, vai ter que passar o chapéu, e é no grupo dos "pensadores".

Para mim o grande vitorioso foi Aécio Neves, que entrou na eleição com 15% de intenções de voto e terminou com 50%, acho que é um caso inédito. Agora, ele tem uma enorme vantagem em relação ao PT, seus votos conquistados, estão garantidos para a próxima eleição. Só dividiria caso o PT nem vá para o segundo turno, o que não é totalmente descartável. A cada dia que passa, garanto que x eleitores dos "beneficiários" cairão no seu colo, pois a economia vai piorar. O que Aécio terá que fazer nestes quatro anos é cativar estes eleitores, não vai precisar se preocupar com os 50 milhões que votaram nele, são cativos.

Para piorar a vida da Presidenta, ela terá uma espada em sua cabeça por muito tempo, e o assunto é sobre a possibilidade de ter recebido recursos provenientes do esquema Petrobrás. Ela sabe da verdade, e nós supomos. Uma pergunta que fica no ar: Porque o doleiro Youseff faria estas acusações se não tivesse provas, arriscando sua delação premiada? Quanto mais demorado, pior para ela.

Assim Dilma, você ficou com uma missão Impossível, e diferente do seriado da televisão que acabava bem, não antevejo o mesmo final em seu caso. O Aécio escapou deste momento quase que ingovernável, e deixou esta tarefa para sua oponente. Neste momento, é melhor ser estilingue que vidraça!

Quais são os riscos? Acredito que sejam basicamente dois:
1) Uma piora no exterior - É razoável, não tenho nenhuma opinião se vai melhorar ou piorar, ao contrário, os gráficos não me deixam otimista. E se isto acontecer, a Dilma pode esquecer de usar isto como argumento, os "beneficiários" não querem nem saber.
2) Radicalização - Não tem cacife para tanto, a não ser que incitem a anarquia, o que não acredito, pois terão a esperança de que o Lula será o próximo Presidente. Eu tenho a impressão que ele será carta fora do baralho, primeiro que seu estado de saúde é delicado; segundo, eu calculo que o PT ficara sozinho no barco, pouco a pouco, seus aliados vão abandonar. Alguém falou PMDB? Assim contaria com os 25% dos votos dos fiéis em 2018, e olhe lá!

Que tal, concordam com o meu raciocínio? O que eu não falei, é que, teremos que aguentar mais quatro anos. Para quem quiser chutar o "pau da barraca", recomendo que vá estudar no exterior, tire um ano sabático, ou etc ... No curto prazo espere muita volatilidade por aqui, mas agora, com perspectivas mais otimistas.

Vou fazer um breve comentário sobre os dados publicados na última sexta-feira em relação as contas externas. O déficit no mês atingiu a elevada cifra de US$ 7,9 bilhões, acarretando num acumulado em 12 meses de US$ 83,6 bilhões (3,70% do PIB). Para financiar, destaca-se a entrada de US$ 4,2 bilhões em investimento direto, acumulando US$ 66,5 bilhões em 12 meses. Além disso, outros US$ 5,2 bilhões entraram como investimento em renda fixa.

Na composição do déficit, foi mais do mesmo, balança comercial apresentando ligeiro déficit de U$ 940 milhões; conta de serviços déficit de US$ 4,7 bilhões, onde as viagens internacionais seguem seu caminho para ser a maior pauta; e a conta de rendas com um déficit de US$ 2,4 bilhões.


A partir de hoje a Presidenta vai reencontrar a realidade e as contas externas é mais um item que não vai nada bem. Não é um desastre ainda, mas são números muito desconfortáveis. Parece lógico afirmar que o Brasil terá que pagar juros elevados por muito tempo ainda, para atrair os investidores oportunistas e serão estes que se disporão a investir por enquanto.

Eu sei que vocês gostariam que eu comentasse sobre o real hoje, mas prefiro aguardar um pouco para uma avaliação melhor. O que posso adiantar, é que com o rompimento do nível de R$ 2,52 a análise técnica apontaria um objetivo de R$ 2,70.  Mas os dados de momentum estão muito "esticados", assim vamos observar se no fechamento, se consegue manter-se acima dos R$ 2,52.

Vou ao Ibovespa que parece ter dado um sinal mais claro, no post pesquisa-conflitante-na-china, fiz os seguintes comentários: ...Fica aqui, a título de torcida, o nível de 51.000 pontos, se ele conseguir se segurar lá, pode ser uma luz, mas depois disso muita coisa precisa acontecer, Não contem com isso, como disse, é torcida!... E foi o que aconteceu hoje, abrindo abaixo de 50.000.



Eu calculo que o índice Bovespa possa atingir o nível de 40.000/42.000, nos próximos meses, uma queda nada desprezível de 20% a 25%. Para os terroristas de plantão, aviso que muito provavelmente eu vou sugerir uma compra, caso atinja estes níveis. E para complementar, somente abaixo de 30.000, pode-se abandonar a hipótese de que nossa bolsa está num mercado de baixa, até lá não dá para descartar.

Hoje eu fiz algumas assunções arrojadas e gostaria de saber a sua opinião, assim quem quiser, poste nos comentários, que eu respondo.

O SP500 fechou a 1.961, com queda de 0,15%; o USDBRL a R$ 2,5203, com alta de 1,90%; o EURUSD a 1,2702, com alta de 0,27%; e o ouro a US$ 1.227, com baixa de 0,28%.
Fique ligado!

24 de outubro de 2014

EXTRA: Mercados financeiros apontam vitória de Aécio


Estamos num momento tenso, há apenas algumas horas das eleições, com completa indefinição do vencedor. Por conta das pesquisas e revelações de última hora, qualquer prognóstico é incerto. Mas é nestes momentos, que atitudes arrojadas, são necessárias, e foi por está razão que resolvi expôr o mosca num call ariscado. Ao observar o comportamento do mercado durante o dia, percebi que ele estava dando algumas indicações positivas, aguardei o fechamento, e lá, alguns fatores confirmariam está hipótese. Como vocês sabem, análise técnica, baseia-se em probabilidades e é sob esta ótica, que minha afirmação torna-se factível.

O mosca não têm nenhuma informação privilegiada de intenção de votos, mas o mercado de câmbio, sugere a vitória do Aécio, vejamos porquê:
Observem as anotações nas cores da Bandeira Nacional: 1) Em verde, o real saiu da zona de tensão, que observei no post procura-se-uma-inflação; 2) Em azul, um movimento característico de mudança de tendência, no curto prazo; 3) Em amarelo, "flertou" abaixo da linha de resistência; e 4) Fechou na mínimas do dia. Tudo isso indica que, o dólar tem uma boa chance de queda, porém, é necessário o rompimento do nível de R$ 2,43

Este é o movimento esperado para o dólar, se isso indicar vitória da Dilma, alguma coisa está errada! 

Fique ligado!

Irritação total

Palavra que eu não pretendia escrever sobre as eleições, mas não aguentei. Ontem conversei com minha terapeuta sobre o estado que os "pensadores" se encontram, ao não terem dúvidas dos meios que o PT tem usado para conquistar o poder, a qualquer custo. E não tem essa de pobre contra rico, vejam o caso do Mujica, Presidente do Uruguai, que realmente batalha por uma sociedade melhor. Porém, este não é o caso destes governantes, que querem se perpetuar no poder, em benefício próprio.

Ainda sobre minha secção de ontem, discutimos como funciona a mente de um psicopata. A definição é uma cisão interna, onde seus desejos são executados, sem que haja nenhuma censura. Como todo mundo tem um pouco de louco, posso dizer que nestas eleições, em vários momentos, tive vontades malucas, mas passou. Ainda bem, como vocês ficariam sem o mosca? Hahahah ....

As últimas pesquisas de intenção de votos, mais conhecidas, dão vitória da Dilma, enquanto outras para Aécio. Nós chegamos a um ponto de tamanha falta de credibilidade, que nem nas pesquisas confiamos mais. O mais grave é a publicação de capa da Veja, onde o doleiro Youssef, diz que tanto o Lula quanto a Dilma, sabiam de tudo, o que não parece ser nenhuma surpresa para os minimamente esclarecidos.

Provavelmente, quando vocês estiverem lendo este post, o debate já terá terminado, espero que o Aécio seja arrojado. Se o que foi noticiado for provado, a Dilma irá perder o mandato, uma vez que por muito menos Collor sofreu o processo de impeachment. Se a Dilma ganhar, e como o país está dividido, um período bastante conturbado é possível. Espero que ela se afaste do cargo até que tudo possa ser esclarecido. Agora, imaginem o Temer assumir a Presidência! Muitas dúvidas no ar, mas uma coisa é certa, o Brasil está dividido, e isto não é bom.

Nos mercados internacionais, o que chamou mais a atenção, foi um novo caso de Ebola, agora em Nova York. As bolsas no mundo reagiram com pequenas quedas. Tenho a impressão que, se o número de casos aumentar, uma onda de medo pode assolar os países desenvolvidos, ocasionando uma retração no consumo. Vai-se evitar: metrôs, cinemas, aeroportos e etc ... Sobre isto, ninguém tem controle e espero que uma vacina seja descoberta rapidamente. O maior problema deste vírus é que a taxa de mortalidade é enorme 50%.

Algo que não comentei ontem, como havia proposto no post os-filhinhos-do-governo, e pelo fato do SP500 ter negociado acima de 1.960, considero que estamos posicionado na venda, mantenha o stop a 1.980.

- David, de onde você tira estes números mágicos?
Antes de ter responder, não vejo nenhuma observação sua sobre as eleições, por que?

- Elementar meu caro, meu compromisso é com o bolso, o resto não me interessa! Hahaha..
Tem razão, entendi o recado! Para responder a sua pergunta, uso basicamente a probabilidade associada a teoria de Elliot Waves. Com estas ferramentas, algumas regiões de preços se tornam mais prováveis para iniciar um trade, bem como, caso o mercado vá contra suas posições, até onde você deveria continuar com sua aposta. Neste caso por exemplo, usei dois critérios para estabelecer a região de entrada: ...já observei inúmeras vezes que, em situações como esta onde se rompe uma linha forte, existe uma tendência a voltar aquele ponto, antes de cair novamente, the last kiss... Se usasse somente o critério de Elliot Wave, o ponto de entrada seria 1.943, porém considerei também o critério descrito acima. Já o stoploss utilizei um ponto onde, a chance de eu estar errado é elevada. Entretanto, a hipótese para a queda do índice, só é totalmente eliminada, acima do máximo atingido anteriormente de 2.019,26. Capisce?

Eu tenho uma filha que está estudando marketing e ultimamente a estou ajudando a encontrar seu futuro profissional. Além de aulas de economia, finanças, análise de seu Curriculum, leitura de trabalhos, também busco informações relacionadas com sua área de interesse. Os psicólogos diriam que isto é um processo de substituição, ou seja, estou vivendo sua vida. Se for, paciência, é muito prazeroso! 

área de propaganda vem sofrendo uma revolução terrível, há alguns anos, os veículos de anúncio eram os jornais. Com o advento da internet em conjunto com o smartphone, isto mudou radicalmente. Vejam a evolução das receitas entre todos os jornais e o Google.


Em menos de 10 anos, o Google passou do nada, para o líder em receitas de propaganda. Mesmo não sendo um entendido em marketing, imagino quantos investimentos e carreiras foram destruídas, dando lugar a outras. Ah, aproveitando, se você precisar de uma profissional fora da curva em marketing, me mande uma mensagem. Isto que se chama "marketing ao quadrado", e um certo conflito de interesses, eu admito! Hahahahah ...

Vou comentar sobre os juros de 10 anos americanos, no post disparou-o-alerta fiz uma análise detalhada das razões que fizeram este título atingir a mínima de 1,85% a.a, e o porquê de não me envolver em nenhuma operação neste mercado, por enquanto. 

Está muito difícil estabelecer qualquer prognóstico para os juros, a única coisa que pode-se afirmar, é que, o movimento apontado em rosa é uma correção. Tracei uma possibilidade factível, de uma alta até o nível de 3% a.a.. Mas não aposto nada por enquanto, pois outras possibilidades, de queda, são possíveis. 

Às vezes, alguns leitores ao me encontrar, querem que eu faça alguma previsão, por exemplo, ontem recebi de um deles a demanda para dar a cotação do USDBRL, se a Dilma ganhar ou se o Aécio ganhar, para a segunda-feira próxima. Eu entendo suas angústias, mas a análise técnica, não funciona desta forma, analisando como o mercado vai se comportar se acontecer uma coisa ou outra.

Minha resposta foi, lamento, não posso "chutar", já é difícil se desvencilhar do viés que todo ser humano tem de dar palpites . Gostaria de lembrar dois fatos aos leitores: Primeiro que numa correção tudo é possível, existem inúmeros formatos que podem te tirar do jogo, sem que você esteja errado. Assim somente se opera nos extremos com stops curtos; e segundo 70% do tempo o mercado fica numa correção e somente 30% em movimentos impulsivos que são onde queremos ter posições, assim muita, muita calma e disciplina são necessárias.  Conclusão: Aproveitamos bem a onda dos juros, e por enquanto ficamos quietinhos.

O SP500 fechou a 1.964, com alta de 0,70%; o USDBRL a R$ 2,5420, com queda de 1,85%; o EURUSD a 1,2667, com alta de 0,18%; e o ouro a US$ 1.230, com queda de 0,12%.
Fique ligado

23 de outubro de 2014

Procura-se uma inflação

Enquanto aqui, os candidatos a Presidência discutem se a inflação está ou não sob controle, nos países desenvolvidos os BC's buscam, a todo custo, um pouco de inflação. Para nós esta situação causa uma certa perplexidade, pois bastava estes países contratarem o PT, eles conhecem maneiras simples de atingir este objetivo, custa caro, mais conseguem! Hahahah...

Acredito que os leitores do mosca sabem o risco, mas não custa repetir, d e f l a ç ã o, a palavra mais odiada ultimamente, claro que no exterior!

Ontem foi publicado o CPI nos USA, e como vêm acontecendo nos últimos anos, nada de a inflação subir, mas tem uma boa notícia, não está caindo também.

As coisas andam tão sem graça, que nem a diferença entre o índice cheio e o que exclui alimentos e combustíveis, vem diferindo entre si. Não adianta o FED aumentar a emissão de moeda se a velocidade da moeda Velocity_of_money continua em queda, um anula o efeito da outra. De uma forma simplificada, se a autoridade monetária injeta recursos através dos Bancos, e se estes por sua vez, ao invés de conceder créditos, redepositam o dinheiro no BC, o efeito do aumento de liquidez é cancelado.

Parece que a solução para estes países é experimentar alguma medida diferente das que vêm sendo tomadas. Quem sabe, se a Dilma perder a eleição, o pessoal de sua equipe econômica, acompanhado é claro da área financeira do PT, não queiram dar uma consultoria ao FED. Eles se mostraram craques em como deixar a inflação no limite superior da meta nestes últimos anos. Do ponto de vista do PT, teriam também, bons motivos para tanto, além da conquista de novos mercados, nem precisariam mais dos doleiros, afinal os recursos já estão em dólares! Hahahahah ...


Entramos no período em que são anunciados os PMI's. Na Europa os números revelam mais do mesmo, a Alemanha resiliente na queda e a França resistente na alta. Há vários anos digo que o final da França será virar um grande museu, é indiscutível a beleza e história daquele país. Mas com uma população que vive reclamando de seus direitos sobre qualquer coisa, não há economia que aguente tantos custos. E parece que minha profecia caminha para sua concretização.


O real encontra-se a um passo, ou melhor, uma palavra, para romper o nível de R$2,52. Esta palavra chama-se "Reeleição"! Desde que o Aécio começou a cair nas pesquisas, o dólar iniciou um movimento de alta, agora encontra-se na linha do pênalti. No post o-vidente, fiz os seguintes comentários: ...O real está num momento crítico, ou rapidamente inicia uma queda, ou em ultrapassando R$ 2,52, o próximo target será R$ 2,70...

O gráfico é auto explicativo, o nível próximo a R$ 2,50 vem sendo testado algumas vezes. A dúvida é se, o eventual rompimento aconteceria antes ou depois, da votação de domingo. Outros indicadores apontam uma certa exaustão neste movimento recente e pode ser um indicador que o dólar irá retroceder, pelo menos, no curto prazo. A razão para isso seria o tão conhecido "sobe no boato e cai no fato". Assim não recomendo nenhuma posição no momento, já chega o stress da eleição!

O SP500 fechou a 1.950, com alta de 1,23%; o USDBRL a R$ 2,4975, com alta de 0,46%; o EURUSD a 1,2644, sem variação; e o ouro a US$ 1.231, com baixa de 0,73%.
Fique ligado!

22 de outubro de 2014

Os "filhinhos do governo"

É difícil que o assunto desta semana, fuja de política, mais especificamente a disputa presidencial. Eu imagino que os leitores do mosca, em sua grande maioria, estão sendo bombardeados, com mensagens e vídeos nos seus Whatsapp e Facebook, isto por si só, já é um grande avanço em relação as eleições passadas, obrigado Zuckerberg!

Vou começar pelos comentários do Lula, em discurso raivoso no Centro Antigo do Recife. Veja que pérola de conhecimento da história: ..."De vez em quando, parece que estão agredindo a gente como os nazistas agrediam no tempo da 2ª Guerra Mundial. Eles são intolerantes... E vocês querem acabar com o PT, com a nossa Presidente, querem achincalhar ela, chamar ela de leviana. Só pode ser feito por um filhinho de papai"...

Lula, antes de falar tamanha bobagem, te recomendo uma leitura sobre o que aconteceu na 2ª Guerra Mundial, pois no máximo leu e deturpou a realidade. Posso falar com conhecimento de causa, pois minha mãe foi uma sobrevivente de um dos maiores horrores da história. Se isto que o Aécio fez é agressão, o que o PT faz é o que então? Pois é, agora está claro que o que se revelou sobre a Petrobrás pegou no seu calo, a verdade dói. Em todo caso, não vou dar muita importância a estas declarações, pois parece que o Lula não está em boas condições físicas, basta ver a cor de seu rosto e sua voz, deve estar sendo afetado por isso.

O economista Alexandre Schwartsman, ex-diretor do BC, vem criticando a política econômica do governo atual. Isto quase lhe custou ser processado pelo BC, e não fosse um forte repúdio por parte de um sem-número de economistas e pensadores, estaria agora buscando se defender de sua liberdade de expressão, direito explícito na nossa Constituição. Hoje ele escreveu um artigo sobre conceitos econômicos, para que a Dilma evite cometer gafes elementares em suas argumentações, durante os debates folha.uol/A.Schwartsman. Mas ele mesmo não acredita que ela leia, pois comenta: ..."Aliás, considerando seus maus-tratos à língua, não tenho a menor ilusão que leia qualquer coisa".... Entretanto, para os leitores do mosca, é diferente. Ele explica, de uma forma simples, o quão levianos são os comentários dela".

A caminho do escritório, passei por uma obra que tinha alguns cartazes na calçada em pró da Dilma. Confesso que tive vontade de chutá-los, mas me contive, afinal sou ou não civilizado? Ao me acalmar, percebi que é o mesmo sentimento de raiva que o Lula está sentindo. Raiva não é bom! Em seguida, tive um insight: Existe diferença entre um filhinho de papai que vive as custas de seus pais, e as famílias que recebem o bolsa família do governo?

- David, parece que você perdeu a noção da realidade! Ora, um usa o dinheiro para se divertir e o outro para sobreviver, como podem ser iguais?
É natural que eu saiba, do ponto de vista social o segundo é totalmente justificável. Acontece que ambos não podem ser perenes, tem que ser temporário. O filhinho de papai, se não lhe colocar um limite, vai acabar com o patrimônio da sua família, um parasita. Já o "filhinho do governo", se não lhes forem dadas condições para aprenderem uma profissão, ficarão dependentes do governo. É neste ponto que o programa bolsa família peca, não existe nenhuma estatística que mostre que, dos 50 milhões, quantos passaram a ter uma vida digna, livrando-se desta dependência financeira. Aí sim, a Presidenta poderia se orgulhar, pois do mesmo modo que um paí não quer ter um filhinho de papai para sempre, nenhum governo deveria se orgulhar de ter um número crescente de dependentes no bolsa família.

A bolsa americana vem se recuperando da queda deste último mês. Entre o ponto máximo atingido no final de setembro e a mínima no dia 15/10, o SP500 perdeu 11%. No post quem-é-o-culpado fiz os seguintes comentários: ...Eu ainda não consigo dizer que o mercado está entrando num movimento de queda mais profundo, tanto meus indicadores técnicos, quanto o formato desta queda, não sugerem isso, talvez uma correção mais forte ... Citei também a importância da linha anotada no gráfico abaixo, e a necessidade que esta seja recuperada.
A mais longo prazo, não parece que a grande queda começou a partir da máxima de 2.020, porém, acredito que, no curto prazo, uma queda até 1.760 é possível (1). Vou propor um trade com um bom risco retorno. Durante minha vida,  já observei inúmeras vezes que, em situações como esta onde se rompe uma linha forte, existe uma tendencia a voltar aquele ponto, antes de cair novamente, the last kiss. Assim, sugiro que ao redor de 1.960/1.970 faça-se uma operação de venda do índice, com um stop a 1.980. Quero deixar claro que, já se poderia vender nestes níveis atuais, mas vou apostar que pode ir um pouco mais.

Assim, não quero críticas do meu amigo se começar a cair já, entendeu?
- David, entendi, mas já vou vender um pouquinho, você anda muito pão duro! Hahahah....

O SP500 fechou a 1.927, com queda de 0,73%; o USDBRL a R$ 2,4860, com alta de 0,23%; o EURUSD a 1,2648, com baixa de 0,54%; e o ouro a US$ 1.240, com queda de 0,67%.
Fique ligado!

21 de outubro de 2014

Pesquisa conflitante na China

Depois da divulgação dos números de intenção de voto pelo Datafolha ontem, uma frustração generalizada notou-se no grupo dos "esclarecidos". Eu percebo pelas conversas, que ficam inconformados e estarrecidos, usando as palavras da Dilma de maneira verdadeira, como os eleitores não estão levando em consideração as evidencias. Para quem ainda têm dúvidas, sugiro que pensem no meu raciocínio postado ontem, sobre a Lei de Gerson day-after. No quesito corrupção, os eleitores "beneficiários" pensam de uma forma simples: "todo político é corrupto", então, este argumento cai por terra abaixo.

Hoje pela manhã, recebi várias mensagens no whatsapp, sobre uma farsa na pesquisa do Datafolha, publicado por Augusto Nunes da revista Veja boletim-do-datanunes-mantem-a-vantagem-de-aecio-e-desmoraliza-o-empate-tecnico-invertido-do-datafolha/. Além da disputa entre os candidatos, estamos presenciando também, a disputa entre os institutos de pesquisa, onde várias suspeitas já circulam no ar. No meu entender, ou algum fato novo de impacto será revelado, ou o debate na sexta-feira poderá desencadear motivos para um vencedor, caso contrário a eleição está no olho mecânico.

- David, está tendo eleições na China? 
Hahahahahah ...Você pensa que só o João Santana usa marketing para manipular a opinião pública? Hoje foram publicados os dados do PIB Chinês. A expectativa da Bloomberg, fornecida por vários economistas, diferiu e muito do publicado pelo governo. Enquanto os primeiros esperavam um crescimento de 6,4% a.a., o oficial ficou em 7,3% a.a.


A produção industrial também quebrou uma sequência de correlações com a indústria de cimento e do aço.

E por último, as vendas ao varejo, a grande aposta do mercado para salvar o mundo da situação que se encontra, teve seu pior nível de crescimento, desde 2006.

Assim, o "Datafolha" Chinês tem um problema de consistência, parece que a soma das partes não batem com o todo.

Da última vez que comentei sobre o Ibovespa os-quatro-bons-negócios, coloquei um cenário sombrio para o índice da bolsa brasileira: ...O cenário de queda passou a ser o preferido, onde pode-se esperar ver o índice a 39.000 pontos, uma queda nada desprezível de 28%! Acho que as chances de recuperação diminuíram consideravelmente, calculo um movimento de correção denominado de triple zig-zag, conforme desenhado acima em lilás. Fica aqui, a título de torcida, o nível de 51.000 pontos, se ele conseguir se segurar lá, pode ser uma luz, mas depois disso muita coisa precisa acontecer, Não contem com isso, como disse, é torcida!... Vejam o gráfico publicado naquele momento.
Para piorar, as bolsas internacionais também não tiveram uma boa performance no mês de outubro, onde muitas dúvidas pairam no ar, sobre a continuidade do movimento visto nos últimos anos. Com o resultado publicado pelo Datafolha, a bolsa abriu em queda de 4%.

Todos os indicadores apresentam-se muito negativos, e a chance da bolsa subir é como se algum candidato às eleições tivesse 12% das intenções de voto. Em todo caso, fica a "boa ideia" vezes 1.000, como ponto importante para romper. Se você não entender qual é este nível, pergunte a quem gosta de beber. Se não conhece ninguém para te ajudar, mande uma mensagem que eu te indico um bem popular! Hahahah....

O SP500 fechou 1.941, com alta de 1,96%; o USDBRL a R$ 2,4802, com alta de 0,63%; o EURUSD a 1,2716, com baixa de 0,63%; e o ouro a US$ 1.248, com alta de 0,17%.
Fique ligado!


20 de outubro de 2014

Day After

Hoje eu acordei com uma sensação ruim, por que será? Ontem assisti ao debate entre os candidatos à Presidência, e foi mais do mesmo, o Aécio pedindo explicações sobre atitudes do governo e Dilma respondendo com ataques a gestões tucanas de muito tempo atrás. Sobre este ponto de vista, até seria bom para o PT perder as eleições, pois na próxima, poderia refazer seu arsenal de críticas, uma vez que, as atuais já estão muito obsoletas! Hahahah ...

Depois do debate perdi o sono, e acompanhei um programa na Bandeirantes com especialistas em pesquisas de intenção de voto, inclusive com o responsável pelo Datafolha. Depois de analisar por vários ângulos e algumas projeções, pude concluir o que todos nós já sabemos, existe 42% para cada lado, e 6% de indecisos, e estes podem definir quem será o próximo Presidente. Os debatedores se perguntavam porque este grupo não havia se decidido ainda. Eu consigo entender uma razão, se eles não querem votar no Aécio porque o PSDB tem a imagem de partido elitista, só poderiam votar na Dilma, mas não confiam nem nela, nem no PT. Como vão se decidir? Acho que pode-se esperar que votem em branco.

Antes de entrar na análise de hoje, queria compartilhar as histórias e fatos que tenho ouvido nos últimos dias: Primeiro sobre o terrorismo feito com os beneficiários do Bolsa Família e o programa Minha Casa Minha Vida, onde os interessados vem recebendo ligações de pessoas ligadas ao PT, dizendo que  o Aécio vai acabar com estes programas; depois, alguns empresários que externaram sua insatisfação com o governo, foram recentemente ameaçados, e sabe-se lá com o que. É deste jeito que a esquerda vem buscando vencer as eleições, a qualquer custo. Para terminar, várias pessoas importantes do PSDB tem receio que possa haver fraude dos dados transmitidos pelos Estados. A conclusão é que, quando não se tem confiança, desconfia-se até da sombra!

Vamos imaginar o que pode acontecer caso vença Aécio ou Dilma. Nitidamente o Brasil está dividido, entre dois grandes grupos: esclarecidos e beneficiários, o primeiro vota no Aécio e o segundo na Dilma.

Todos os brasileiros sofrem de uma mesma doença, a lei de Gerson, o grande problema do país, na minha opinião. A definição dada no Wikipédia é esclarecedora: ..."Na cultura midiática brasileira, a Lei da Vantagem ou Lei de Gerson, é um princípio em que determinada pessoa ou empresa deve obter vantagens de forma indiscriminada, sem se importar com questões éticas ou morais"...

- Epa David, eu respeito as leis!
Ah é, vai me dizer que você não dá um "jeitinho" para burlar os pontos da carta de motorista, ou uma "gorjetinha" para um processo, seja liberado mais rápido, ou mesmo furar a fila de um restaurante? Não estou querendo dizer que as pessoas não erram, lógico que sim, ninguém é perfeito. Mas, como o jeitinho de burlar as consequências, sem punição, então por que não? Esta maldita lei está enraizada. Em psicologia isto tem um nome, é a força da morte, não na acepção da palavra, mas refere-se as ações que parecem ser boas e prazerosas mas que escondem um perigo por trás.

Muito bem, vamos começar com a Dilma, se ela ganhar o grupo dos esclarecidos ficarão muito frustrados, com a chance de mudança, que parecia próxima, escapou. Por outro lado, a Dilma sabe que vai precisar de muitos investimentos para realizar suas promessas, terá que prometer mundos e fundos a quem se arriscar. Nas obras de infraestrutura, vai oferecer taxas de retorno elevadas, uma vez que vários empresários ficarão com receio e não vão investir. Agora se vai continuar a "corretagem", a lá Petrobras, isso vai depender da oposição ficar em cima. No mínimo será mais difícil. Outro fator de suma importância será sua equipe econômica, e os nomes que circulam por aí: Mercadante, Luciano Coutinho, afastarão os estrangeiros, eles não têm a menor credibilidade. Assim, a chance de estarmos pior ou igual daqui a 2 anos é alta, e pode-se esperar novas manifestações nas ruas.

Se o Aécio ganhar, vai gerar um clima de alívio e euforia por parte dos esclarecidos, mas os beneficiários, serão incitados pelo PT a fazerem manifestações por qualquer coisa, assim Aécio vai ficar amarrado em uma série de mudanças que deveriam ser feitas. Já no Congresso, imagino sua dificuldade em passar os decretos que ele está se comprometendo. Sua única saída será negociar com o PMDB, e aí, sabemos quais são as bases para o apoio. Além do mais, um programa sério de mudança do país, seriam necessários mais de 20 anos, e aqui não é os USA, cada um pensa na reeleição.

Quando eu era criança o Brasil era uma maravilha, e eu não estou sendo saudosista. Com 13/14 anos andava de ônibus de lá para cá, inclusive à noite. Roubos eram manchetes de primeira página, e só roubos! Um povo dócil e colaborativo. Entretanto, agora nós já ultrapassamos o México, como o país com mais carros blindados, vivemos tensos com a escalada da violência, e enojados com a banalização da corrupção. Consertar isso levará muito tempo, e se conseguir.

A América Latina tem alguns exemplos que não inspiram inveja, a Venezuela prefiro nem comentar,
o caos perdura lá por muitos anos; a Bolívia reelegeu Evo Morales; e nossos hermanos estão indo por um caminho desastroso. O que pode acontecer por aqui? Um Brasil andando para trás por mais tempo, entenderam agora minha angústia.

Bem, vamos voltar ao bolso, o ouro vem subindo de forma lenta, e é isso que poderia se esperar. Ao ver sua cotação pela manhã, tinha a intenção de subir o stoploss, mas não é aconselhável. No post o-tempo-passa, comentei: ...duas possibilidades: A primeira seria uma continuidade desta alta, ultrapassando o nível de US$ 1.250... se cair, fica mais duvidoso, até US$ 1.205 eu encaixo, abaixo disso a queda pode continuar... Quero ressaltar que essa tática se faz necessária, pois estamos apostando numa mini alta, dentro de um mercado de baixa... Vejam que eu frisei a última frase, e até prova em contrário, trabalho com mais uma queda ao nível de US$ 1.150, aproximadamente.


Não é só o mosca que acha o nível de US$ 1.250 importante, a turma que está vendida, vem defendendo com unhas e dentes, buscando minar a esperança dos moscas por aí. Eu visualizo  a evolução de preços de qualquer mercado como uma batalha, sempre têm os "altistas" e os "baixistas", o exército é o dinheiro colocado em cada grupo. Cada um destes grupos se utiliza também de outros armamentos, como os derivativos, futuros e opções, mas é a infantaria que demarca o terreno, 

- David, ainda bem que eu joguei War quando criança! Hahahahah...
Boa!

Se tudo der certo para nós, eu espero um caminho difícil. Notem na trajetória acima em azul, que o ouro pode voltar tranquilamente aos preços em que entramos, razão pela qual, não vou mexer no stop. Depois, se atingir os nível > US$ 1.300, vamos mudar de time, e isso amigão, não dava para fazer no War! Hahahah ...
O SP500 fechou a 1.903, com alta de 0,91%; o USDBRL a R$ 2,4637, com alta de 1,19%; o EURUSD 1,2806, com alta de 0,35%; e o ouro a US$ 1.246, com alta de 0,64%.
Fique ligado!

17 de outubro de 2014

Sinais de fogo

"De louco todo mundo têm um pouco", esta frase é real. Nós não temos controle sobre as coisas que passam pelo nosso consciente, as vezes projeções maravilhosas e outras mais macabras.Todos já devem ter pensado numa situação irreversível que é a morte, ninguém gosta! Mas já que é inevitável, que seja de uma forma boa, certamente a melhor é dormindo, não há sofrimento. Mas dentro destes momentos tensos, algumas pedimos a Deus, se você acredita, para não ser nem queimado, nem afogado.

- David, estou ficando preocupado com você, está ultrapassando todas as barreiras!
Ah, Ha! Você também tem medo da morte! Hahahah.... Eu queria chegar no assunto de hoje, que são claros sinais de deflação surgindo ao redor do globo. Nestes três anos de mosca, busquei explicar os perigos de uma deflação e como a política monetária é impotente para tratar desta situação. O gráfico a seguir, que mostra o preço do petróleo, os juros de 10 anos nominais e a taxa de inflação calculada com estes títulos, o que é feito subtraindo-se os juros nominais dos juros reais, em títulos de 10 anos.


Existe um lado positivo, pois a diminuição dos preços do petróleo terá um efeito de injetar US$ 40 bilhões na mão dos consumidores. As vendas ao varejo, representam 40% das despesas pessoais, e que por sua vez são 70% do PIB. Estas vendas caíram recentemente, uma vez que os americanos estão vivendo de "salário em salário". Assim pode-se esperar um aumento nas vendas proximamente.


Nos últimos dias, as bolsas no mundo inteiro, foram atingidas por forte movimento de queda, por conta destes temores. Entretanto, uma grande preocupação no momento é a conclusão da intervenção monetária feita pelo FED, mais conhecida como QE3. Uma comparação com o programa anterior iniciado em 2011, levou a um processo de topo, quando aquele programa QE2, foi encerrado. Efetuando-se uma correlação entre ambos, chega-se a uma trajetória apresentada abaixo.


Assim, até agora, os movimentos foram apenas de correções, e parece que no curto prazo poderá ter alguma sustentação pelo adicional de recursos provenientes da queda do preço da gasolina. Como vem-se relatando, os salários nos USA não estão subindo, além do problema da elevação de pessoas trabalhando com idade avançada, tirando o emprego dos jovens. Para outra parte da população, a elevação dos preços dos imóveis, bem como a alta das bolsas, geraram um efeito riqueza. Caso as bolsas comessem a cair, este efeito será inverso, retraindo os consumidores.

Se o que descrevi acontecer, o que estamos vivendo agora, são apenas sinais de fogo, mas ao se materializar uma queda das bolsas mais profunda, o fogo pode se alastrar e as pessoas podem entrar em pânico. Todos querer sair do cinema ao mesmo tempo, será a tão esperada onda-C?

- Espere aí, se for onda, o assunto é água e não fogo! Hahahahah....
Hahahahahah! Está de bom humor, assistiu o debate ontem? Ficou feliz com o nocaute do Aécio?Para não ter dúvidas, eu estou me referindo ao debate em si, e não quando a Dilma passou mal por uma queda de pressão.

E o euro como está se comportando? Um vai e volta sem muita direção, mas caindo não está, pelo menos por enquanto. Da última vez que comentei sobre a moeda única, faltou-combinar-com-os-alemães, estava a 1,2655, e hoje após abrir a 1,2810, está agora a 1,2760, sobe dois degraus e desce um, mas é assim que é esperada esta correção, afinal quem é o louco que se aventuraria a comprar euros? Hahahah ... Meus comentários foram o seguintes: ...Vou aguardar para buscar um momento de venda, que por enquanto encontra-se na região anotada no gráfico, entre 1,295/1,31...

Eu pretendia já deixar uma ordem de venda a 1,2990, mas ao analisar outros parâmetros, é possível que esta correção seja mais "incomoda" para os vendidos, assim, não posso descartar 1,31 e até 1,325, ou seja, uma variação de 2%, sobre o primeiro nível. O stoploss teria que ficar acima deste último ponto, algo em torno de 1,335, muita coisa! É esperado também que este movimento dure algum tempo, Talvez um mês. 

Se você se envolver na venda no primeiro ponto, é como juntar-se a torcida do Corinthians, que nesta última quarta-feira, deixou escapar sua classificação de uma forma incrível ao permitir o Atlético Mineiro virar o jogo em 4 x 1. O que eu quero dizer, é que provavelmente a maioria dos vendidos em euro, aguentam ficar até o 1,2990. Para entrarmos bem, seria interessante pegar uma liquidação em massa de stops, e é provável que seja acima dos 1,30 (nível psicológico). Bem, tudo isso são conjecturas, mas se eu estiver certo que vai demorar um pouco, vamos observar como as coisas andam, e é melhor juntar-se a torcida do Atlético, e que me desculpem os Corintianos, mas perder desta forma, não dá para aceitar!

O SP500 estava(*) a 1.884, com alta de 1,15%; o USDBRL a R$ 2,4414, com queda de 1,22%; o EURUSD a 1,2772, com queda de 0,26%; e o ouro a US$ 1.238, sem variação.
Fique ligado.
(*) - as 15:00 Hs.