Inflação: A Revanche

29 de agosto de 2014

Europa: Mistura heterogênea

A definição de mistura heterogênea, é aquela em que a união de dois elementos resulta em uma mistura que podemos reconhecer visualmente as duas substâncias e, na maioria das vezes, podemos manualmente separar o soluto do solvente. Em outras palavras, o solvente não consegue dissolver o soluto,

Podemos citar a mistura de água (solvente) com areia (soluto); água com sal; água com o óleo, todas originam misturas heterogêneas. Vou propor mais uma nova na lista: Alemanha (soluto) com o resto da Europa (solvente), também origina uma mistura heterogênea, não se misturam!

Hoje foram publicados uma nova rodada de relatórios econômicos ruins da Europa, aumentando a especulação que o Super, Hiper, Mário vai entrar logo em ação, com o objetivo de estacar os níveis perigosamente baixos de inflação, e elevar a atividade econômica.

Inicialmente vejam a evolução dos índices de inflação, destaque para a Itália com um índice negativo de -0,2% a.a, o menor de toda a sua história.


O nível de desemprego permaneceu constante em 11,5 %,  mas o pior é a população jovem, inferior a 25 anos, onde na Espanha  encontra-se em níveis elevadíssimos de 53,8%.


Com tudo isso em mãos o Presidente do ECB deveria já estar trabalhando neste final de semana, numa nova rodada de injeção de liquidez. O problema é que a evidência dos dados é valido para toda a Europa, exceto para a Alemanha que não apresenta sinais de preocupação, vai muito bem obrigado.

A rixa entre Alemães e Franceses é secular, mais ou menos como a nossa e os Argentinos, com uma pequena diferença, aqui o assunto é futebol, lá é dinheiro! Os Franceses já estão deixando claro que querem a ajuda do ECB além de mandar recados, através do Wall Street Journal, que a persistência da fraqueza econômica significa que não vão conseguir reduzir seu deficit, como era planejado. O Presidente Francois Hollande propôs um encontro dos membros do ECB a fim de discutir maior flexibilidade das regras da União Européia.

Provavelmente ao ler estas declarações, o Ministro das Finanças da Alemanha fez algumas declarações preocupantes, hoje pela manhã, e pode-se resumir numa de suas frases: " O ECB atingiu seu limite de ajuda para a área do Euro", precisa mais? E agora como que o Super Mário sai dessa?

A União Européia foi uma ideia interessante, cheia de boas intenções. Porém a criação de uma moeda única, não deveria ter passado num teste simples de química, afinal se existe misturas heterogêneas de elementos químicos também existe em câmbio, pois achar que misturar um poderoso Marco Alemão com um Franco Francês, Lira Italiana, Peseta Espanhola, Dracma Grego e etc ..., funcionaria, foi muita ingenuidade!

- David, só você não vê que é uma barbada vender euro!
Pode ser, é esta a evidencia das notícias, mas não me sinto confortável em fazer nestes níveis. No post mais-uma-derrota-do-brasil-na-copa, meus comentários sobre o euro foram: ...Eu imagino que uma recuperação nos preços está perto e aí poderei ter uma ideia melhor dos próximos passos. Já posso adiantar que precisa ultrapassar 1,345 para que uma recuperação mais consistente seja possível, caso contrário podemos estar rumando para os 1,10 ...Os preços não se alteraram muito, mesmo com notícias diárias negativas, inclusive o imbróglio da Rússia com a Ucrânia. Você não acha que já deveria ter despencado?

Eu antevejo dois pontos onde poderia haver uma retomada parcial dos preços, o primeiro em verde a 1,31 e o segundo em azul a 1,29. Mas em todo caso, a moeda única entra no radar das oportunidades, pelos motivos expostos abaixo.

Não estou querendo defender o euro, longe de mim, afinal quando estava no nível próximo a 1,40, alertei todos para sair da posição (comprada). No post publicado em março a-altura-da-yellen-determinou-sua indicação, fiz uma análise de longo prazo, onde destaco: ...eu disse que esperava por uma pequena alta até 1,43/1,45, e em seguida um declínio até 1,10/1,15, uma grande oportunidade de venda ...caso tenha euros deveria vendê-los ou colocar um stop, pois não é garantido que  busque 1,43/1,45, a queda já pode ter começado, em outras palavras o risco de ficar comprado não compensa mais! ...

Assim, por enquanto, minha falha ou cautela, foi de aguardar que o euro fosse até os 1,43/1,45, nada mais. Agora a cada dia que passa, parece mais distante aquele objetivo. Desta forma, vou analisar com cuidado neste final de semana, mas estou propenso a ir vendido full, depois da recuperação tão esperada.

Não posso deixar de comentar o resultado do PIB brasileiro divulgado hoje, colocando nossa economia em recessão, pois o primeiro trimestre foi revisto para baixo, originando dois trimestres no vermelho. Como a Presidenta vem justificando tudo, amanhã quando esta informação for publicada na primeira página de todos os jornais, sugiro que ela use a Lei de Murphy. Que fase! Hahahah ...

Hoje o mosca completa 3 anos de vida, foram 830 posts com aproximadamente 64.000 visitas. Vejam as principais informações:


Obrigado pela confiança!

O SP500 fechou a 2.003, com alta de 0,33%; o USDBRL a R$ 2,2370, com queda de 0,16%; o EURUSD a 1,3142, com baixa de 0,30%; e o ouro a US$ 1.287, com queda de 0,19%.
Fique ligado!

28 de agosto de 2014

Os piratas do petróleo

Para quem teve a oportunidade de ir a Disney world, conhece a atração Piratas do Caribe, caso contrário, assistiu o filme com mesmo nome. Não conhece? Está bem, o Capitão Gancho é a última chance! Hahahah ... Piratas são marginais que, de forma autônoma ou organizados em grupos, cruzam os mares só com o fito de promover saques e pilhagem a navios ou cidades, para obter riqueza e poder.

Recentemente a sigla ISIS ( Islamic State of Iraq and Syria) faz parte do noticiário, como sendo o primeiro grupo a construir um estado islâmico. Atualmente é a mais rica organização terrorista do planeta. O desdobramento da Al Qaeda tem a ambição e até a organização necessária para colocar sua pilha de barris de petróleo e lucros relacionados, para trabalhar em seus objetivos.

Por exemplo, ISIS realiza um lucro de US$ 12 milhões por mês, da extorsão e práticas obscuras, somente numa única cidade do Iraque - Mosul, além de US$1 milhão a US$3 milhões por dia, vendendo petróleo ilegalmente.

Alguns especialistas acreditam que o poder do grupo é praticamente sem precedentes, pelo menos entre as organizações jihadistas. Segundo Janine Davidson e Emerson Brookings do Conselho de Relações Exteriores, ISIS está ancorado sobre "um volume de recursos e território inigualável na história das organizações extremistas". O grupo controla cerca de 60% dos campos de petróleo na Síria e diversos ativos produtores de óleo no Iraque. O mapa a seguir, dá a real dimensão da extensão territorial deste grupo, bem como, a grande segmentação das várias facções islâmicas.


Mas os negócios não se limitam ao petróleo, que é vendido a intermediários na Síria e depois transportados para Turquia, Irã, mas também na venda ilícita de gás, produtos agrícolas como o trigo, o controle de água e energia, impondo taxas em suas áreas de controle. Para manter um status de quase governo, parte destas receitas são investidas em serviços sociais.

Espelhada em princípios usados pela Máfia,  não discriminando a forma como obtém o dinheiro, tornou-se uma autoridade fiscal em funcionamento, como por exemplo, fazendo proprietários de lojas pagarem US$ 20/mês em troca de serviços públicos de segurança. Mas seus negócios expandiram e entraram também na área de sequestro, principalmente de estrangeiros, quando exigiram uma quantia de US$ 123 milhões para o jornalista James Foley, antes de executá-lo.

O grupo já conta com um caixa enorme e crescente para adquirir seus estoques de armas, domínio territorial e propaganda. Certamente estes piratas sem navio e muito mais ambiciosos que os do Caribe, representam uma real ameaça aos países Ocidentais.

Na minha última atualização sobre o ouro salvador-dali-aplicado-finanças, recomendei a liquidação da posição vendida. Desde então, o ouro vem experimentando uma leve recuperação de US$ 20, como pode ser visto no gráfico de curto prazo, abaixo.

- Desculpe David, eu fui meio grosseiro com você, quando naquela data, fiquei irritado pensando ter perdido uma oportunidade de lucro maior!
Não esquenta, nada como um dia após o outro, mas eu quero dizer que ainda não solte fogos, pois minha ídeia exposta, só ganha mais força com o ouro acima de US$ 1.300 e principalmente US$ 1.320, antes disso, pode dar meia volta e voltar a cair. Veja figura a seguir:

Este é meu "desejo", mas nada impede que não aconteça, afinal é nítido que o movimento é de uma correção, e como vocês já devem estar cansados de saber, correções são imprevisíveis!

O SP500 fechou a 1996, com queda de 0,16%; o USDBRL a R$ 2,2401, com queda de 0,29%; o EURUSD a 1,3183, sem alteração; e o ouro a US$ 1.289, com alta de 0,52%.
Fique ligado!

27 de agosto de 2014

Presidenta Marina = Esperança

Pois é, quem diria há 30 dias, que uma "nova" candidata estaria na dianteira para as eleições de Presidente.

Ainda fico com uma dúvida, se ela se tornou tão favorita, por que não foi a escolhida para liderar a chapa, quando Eduardo Campos ainda estava vivo? Acredito que houve uma conjunção de fatores, porém o mais importante é que ela representa mudança.

Se você assistiu o debate de ontem à noite, realizado pela TV Bandeirantes, deve estar mais aliviado, honestamente eu tinha dúvidas de como ela se sairia, e foi muito bem. Enquanto Aécio e Dilma brigavam pela "patente" da estabilidade econômica, Marina não criticou ninguém, elogiou tanto Lula quanto Fernando Henrique. A Dilma foi a pior na minha avaliação, sempre se irritava com as perguntas de seus opositores e buscava desqualificá-los, dizendo que estavam mal informados. Buscou minimizar a realidade, porém os formadores de opinião, não aguentam mais.

Se a candidata Marina fizer o que está dizendo, vai ter um estilo muito diferente de sua antecessora, ao invés de botar a mão na massa e dar palpites em todas as áreas, deverá buscar "gerentes". Neste quesito, fiquei muito animado ao saber que Andre Lara Resende está colaborando em seu plano econômico, ele é um economista de primeiríssima linha, um intelectual com várias experiências profissionais, tanto na iniciativa privada como no governo. Me parece que, quanto mais a campanha decolar, mais nomes de respeito vão se juntar, e vejam bem, não por serem de um partido, mas por sua competência.

Vou fazer um prognóstico: Existe uma chance razoável da Marina ganhar no primeiro turno! Vejam meus cálculos.

A pesquisa anunciada ontem contém os seguintes percentuais:

Votos da Dilma = 34%
Votos Contra Dilma = 48% ( Aécio= 19% + Marina = 29%)
Outros = 3%
Brancos = 7%
Não sabem = 8%

Se sua Campanha ganhar momentum, Dilma poderia cair 4%, Aécio 7%, e dos indecisos 6% para a candidata e 2% iriam para brancos. Assim o novo quadro ficaria com os seguintes percentuais:

Dilma = 30%
Aécio - 12%
Marina = 46%
Outros = 3%
Brancos = 9%

Não acreditam? Vamos aguardar as próximas semanas, acho até que até dei uma colher de chá para a Dilma, que pode perder mais votos que minha estimativa.

Enquanto isso, no exterior a expectativa de deflação na Europa vem se elevando, o gráfico a seguir mostra as inflações esperadas para a região do euro, em várias janelas de prazo.

Isto vem fazendo com que os investidores saiam comprando bonds, visando aproveitar (aproveitar?)os níveis atuais. A seguir as de taxas de juros nos papéis dos governos em diversos países.

Se o Super Mário for obrigado a aumentar seus helicópteros, certamente afetará o nível de liquidez global, e pode atrapalhar os planos que quem está apostando na elevação dos juros nos USA.

Hoje o comentário será sobre o real, antes de iniciar a análise do ponto de vista técnico, construí um gráfico, considerando a cotação atual de R$ 2,26 e uma taxa de juros de 11% a.a. A linha é o divisor de águas entre o lucro e o prejuízo, num período de 1 ano, para quem quer apostar no dólar.


 A grosso modo, se você espera que o real atinja a cotação de R$ 2,50, é muito importante saber quando, se for já, vai realizar um bom lucro, se for daqui há um ano, vai praticamente empatar.

No post em-quem-você-vai-votar, publicado no dia 12/08 e que mudou radicalmente do ponto de vista das eleições, já, em relação ao real, não muito: ...Para o cenário mais altista, ultrapassar R$ 2,32, vai me obrigar uma re-avaliação das minhas premissas, já uma queda abaixo de R$ 2,24/R$ 2,25, recoloca em jogo os R$ 2,10 ... É bem verdade que neste meio tempo, fiz outras publicações sobre o assunto, mas que em nada alteram as premissas acima.

O gráfico do real diz tudo, veja que coloquei dois retângulos, um na cor verde em homenagem ao Centenário do Palmeiras! Hahahahah ... e outro em vermelho em homenagem aos vendidos em dólar, ou melhor, somente o BCB! Hahahah .... Ah, detalhe, os retângulos foram traçados no último final de semana, será que a análise técnica já sabia dos resultados da pesquisa? Hahahah ...

A conclusão é que o USDBRL está indeciso, não sabe se a Marina ganhando, sua equipe econômica vai promover uma desvalorização do real, ou não. Ou ainda, se as chances de Marina vão se manter nas próximas semanas. Enquanto isso, o "taxímetro" dos juros está correndo contra, para quem aposta no dólar. 

Na minha opinião a resposta virá do exterior, se o dólar continuar a se valorizar, de uma forma mais consistente ediferencial de juros entre as moedas favorecer o dólar, aí sim, pode ser que ele (dólar) suba aqui também. Agora se o dólar der uma escorregada e os juros de 10 anos americanos continuarem em queda, buscando os 2,20%a.a., nível que citei no post a-vaca-ficou-sem-leite, as chances dos R$ 2,10 aumentam.

- David, que confusão, dá para resumir?
Sem dúvida, acima de R$ 2,32 reavaliamos, abaixo de R$ 2,24 aumentam as chances de meu cenário básico R$ 2,10. Let´s the market speak!

O SP500 fechou a 1.999, sem variação; o USDBRL a R$ 2,2450, com baixa de 0,71%; o EURUSD a 1,3194, com alta de 0,21%; e o ouro a US$ 1.282, com alta de 0,11%.
Fique ligado!

26 de agosto de 2014

Seus 10 mais 10!

Quem joga pôquer sabe o conceito da palavra repicar, isto acontece quando um jogador faz uma aposta, e você cobre o que ele apostou e aumenta a aposta, obrigando seu adversário a colocar mais ficha na mesa. Parece que hoje em dia vivemos algo semelhante nos mercados mundiais, onde um Banco Central após o outro, para não ver a economia de seu país desacelerar, injeta recursos no sistema com esperança de elevar o PIB. "Seus 10 mais 10!".

Um renomado economista, Dr. Lacy Hunt levanta este problema através de uma entrevista onde faz um alerta: "A economia mundial encontra-se em estado terminal de esclerose de dívida". Nunca o mundo desenvolvido teve tanta dívida. Nunca os Bancos Centrais expandiram tanto seus balanços. Nunca antes tanta dívida soberana foi abertamente monetizada. Nunca antes as grandes instituições financeiras foram designadas "grandes demais para falir", e, assim, foi concedida uma licença especial para assumir riscos gigantescos.

O economista Austríaco, Bohm-Bawerk, definiu que dívida é um aumento da despesa corrente em detrimento de uma queda nos gastos futuros. Irving Fisher, modificou um pouco e disse que depende em última instância se a dívida é produtiva ou não. Se esta gera um fluxo de renda para pagar o principal e juros, então você está bem, não está sujeito a um ciclo de baixa no futuro. Mas infelizmente o nível de dívidas elevou-se mais e mais, tornando-se em dívida de consumo e especulação financeira, e que nenhuma delas vai gerar qualquer fluxo para pagar o empréstimo, mesmo com juros muito baixos.

Recentemente, as notícias estão enfatizado que empréstimos comerciais e ao consumidor estão se elevando. Alguns artigos comentam como os padrões de crédito foram diminuídos para fazer financiamentos imobiliários e de automóveis, ocasionando a categoria subprime  destes últimos voltarem aos níveis de uma década atrás. "Se você assumir uma dívida para comprar algo agora, têm como contra partida que terá que pagá-la mais tarde. Muitos assumem que nunca terão que pagar esta dívida, isto é um erro".

Este não é só um problema dos americanos, mas é também um problema ao redor do mundo. Todos nós estamos presos a esta esclerose da dívida. A Dívida pública e privada nos USA é de cerca de 346% do PIB, e ela não está caindo. E na Eurozona, nos 17 países que a compreendem, a dívida é 100 pontos percentuais mais elevado, no Reino Unido é ainda maior. No Japão a dívida pública e privada é de 650%. O que é significativo, é que os países com maiores níveis de endividamento estão performando pior, o que é consistente com os estudos acadêmicos.

"O excesso de dívida é o problema básico. E nós não temos uma maneira de sair, porque a política monetária não é realmente adequada para resolver tal problema".

Para exemplificar, vejamos os níveis de endividamento dos investidores na bolsa de Nova York, na modalidade denominada de margin_debt. Aqui o conceito de margin debt é estendido, pois além da dívida inclui-se o saldo da conta corrente.


Como foi definido acima, os investidores que estão comprando ações e assumindo dívidas, precisam que os preços subam mais que os juros que terão que pagar quando da liquidação. Você poderia se perguntar: Mas este empréstimo produz o que? Nada! Só especulação, acreditando que no futuro virá outro investidor disposto a pagar mais caro pelas ações.

Recentemente fomos stopados num trade do SP500, os indicadores pareciam oferecer uma oportunidade, no mínimo de curto prazo. Mas não foi o que aconteceu, com uma mísera retração de menos de 5%, o índice reverteu e encontra-se nas máximas históricas. E agora, o que esperar? Minhas análises apontam para novas altas, existem alguns parâmetros indicando "cansaço", mas ele (SP500) tem provado muita resistência.

Neste novo cenário vou me basear no post publicado em março deste ano: eu-avisei, onde eu comentei: ...o nível atual, próximo a 1.900, é um divisor de águas, se conseguir ultrapassar, podem esperar para o futuro 2.200 ou 3.100 ...Agora caso não consiga ultrapassar, e um movimento de queda se inicie, pode ser expressiva, a tão esperada onda C ... Foi por esta razão que eu decidi fazer aposta recente, mas não funcionou. Assim o próximo ponto é 2.200.

- David, coragem, vamos às compras!
Você pode me chamar de covarde, e talvez até de teimoso, mas sigo também meus instintos e quando eles me dizem que está perigoso, prefiro não entrar.
- Mas seus dados técnicos não sugere este receio!
Boa colocação, mas você acabou de assistir um caso em que não funcionou, ou seja, não exite garantia que vai acontecer

Eu já comentei, mas não custa repetir, toda vez que você arrisca nos mercados, é importante ter uma ideia do seu eventual tombo, qual a altura do "muro" em que você caminha. O teor do post de hoje é um alerta sobre dívidas e o gráfico acima sobre o crédito, mostra um excesso enorme de otimismo. Outro fator que é importante, é que, com exceção dos mercados futuros, a bolsa não opera 24 horas, isto pode obrigar liquidações de stop em preços piores que o imaginado, tenha sempre isto em mente.

O SP500 fechou a 2.000, com alta de 0,11%; o USDBRL a R$ 2,2641, com baixa de 1,02%; o EURUSD a 1,3171, com baixa de 0,15%; e o ouro a US$ 1.282, com alta de 0,44%.
Fique ligado!

25 de agosto de 2014

Mais uma derrota do Brasil na Copa

- David, chega deste assunto, depois da vergonhosa derrota contra a Alemanha, que outra derrota poderia fazer algum sentido?
Concordo totalmente com você, e não sei se vem assistindo os jogos do Brasileirão, uma m@&#a! Agora que os campeonatos europeus estão começando, vou cumprir minha promessa de escolher um time para torcer.

Acho que vai ser o Barcelona, porque o Real Madrid, enquanto Cristiano Ronaldo jogar por lá, me recuso. Os motivos vocês já devem saber, mas não custa repetir, nas classificatórias para a Copa do Mundo, se recusou a trocar sua camisa com um jogador adversário, por motivos racistas.

Mas o motivo da chamada de hoje é nas contas cambiais brasileiras. Com o fluxo de estrangeiros que vieram ao Brasil para assistirem os jogos, era esperado que a conta de viagens internacionais, revertessem os déficits. Mas não foi o que aconteceu, pois embora a receita tenha registrado aumento para US$ 789 milhões, as despesas cresceram mais, atingindo US$2,4 bilhões. É bem verdade que a qualidade da maior parte dos turistas não era muito boa, com a invasão de 100.000 hermanos, o que se podia esperar? Hahahahah!

O déficit em transações correntes em julho atingiu US$ 6,0 bilhões, acima da expectativa dos analistas. No cômputo inter-anual houve uma pequena retração, para US$ 78,4 bilhões (3,45% do PIB). Este resultado, só foi possível, por causa da melhora na balança comercial. No financiamento deste déficit, destaque para a entrada de US$ 5,9 bilhões via investimentos direto, que alcançou US$ 64,0 bilhões no acumulado de 12 meses. Houve uma saída de US$ 2,4 bilhões de investimentos em carteira, majoritariamente em renda fixa.


Como já venho enfatizando alguns meses, encontramo-nos num desequilíbrio-estável, onde as contas de saídas permanecem se deteriorando e as entradas centradas em investimentos diretos e em carteira.


A balança comercial está num honroso 0 x 0, mais por conta da desaceleração econômica que têm reduzido as importações, do que seria o desejado, pelo aumento das exportações.


O BCB vem realizando os leilões de swaps cambiais e deve começar a ofertar leilões de moeda, que sempre tende a ficar mais pressionada no final de ano. Com todo este pano de fundo, nossas reservas continuam estáveis. Alguns analistas vem dizendo que o volume total de swaps chegou ao seu limite, para esta conclusão, traçaram um coeficiente máximo entre este e o total de reservas em 25%.

Eu imagino que tem muita gente torcendo para que o dólar suba, afinal uma boa parte dos fundos de investimentos, fez apostas neste sentido. Mas o mosca não concorda com este raciocínio, minha pergunta é de onde saiu este número mágico? O que vale são as reservas, e enquanto ela não cair consistentemente, é torcida!

Na minha avaliação, o motivo desta pequena alta do dólar, deve-se muito mais à motivos externos que internos, agora, que a situação brasileira não é confortável, não é. Porém, somente com uma saída de dólares do país, poderia fazer o BC mudar sua política, por enquanto swaps na turma!

Como comentei sobre o real na última sexta-feira, vou aguardar mais alguns dias para postar novamente. Posso adiantar que analisei neste final de semana, e como já disse algumas vezes, existem várias possibilidades. Por enquanto mantenho minhas ideias até que os preços me façam rever, estou aberto.

Quem não anda bem das pernas é o euro, a cada publicação nova de dados, é mais um desalento. O Super Mário esteve presente na reunião de Jackson Hole no último final de semana, e reafirmou sua intenção de mandar mais helicópteros para o ar, caso as coisas não melhorem por lá. No post os-gráficos-que-apontam-os-7-enganos, fiz os seguintes comentários: ...Acredito que um target inicial entre 1,32/1,324 parece factível, depois disso, não sei, precisamos esperar ... E, é onde ela se encontra hoje.


Os meus indicadores de momentum indicam que o mercado está muito vendido no euro, mas nem precisava consultar estes dados, basta acessar a opinião dos analistas, todos sem exceção dão esta recomendação. Eu imagino que uma recuperação nos preços está perto e aí poderei ter uma ideia melhor dos próximos passos. Já posso adiantar que precisa ultrapassar 1,345 para que uma recuperação mais consistente seja possível, caso contrário podemos estar rumando para os 1,10. Mas considerem estes últimos comentários mais como uma divagação, que necessariamente uma previsão, pois espero primeiro a recuperação acontecer, senão seria um shiting rules. Gostaram deste último termo? Eu inventei porque em português ficaria muito feio! Hahahah..

O SP500 fechou a 1.997, com alta de 0,48%; o USDBRL a R$ 2,2895, com alta de 0,55%; o EURUSD a 1,3194, com queda de 0,36%; e o ouro a US$ 1.275, com queda de 0,36%.
Fique ligado!

22 de agosto de 2014

Selfie

Se existe algo popular ultimamente são os selfies, podem olhar a sua volta e a chance de alguém estar tirando uma foto assim, para publicar no Facebook, é enorme.  Como comentei ontem, o FED definiu a bola da vez o mercado de trabalho, um detalhamento da saúde financeira dos americanos pode ajudar a compreensão do porque esta recuperação tem sido tão fraca. Assim, por que não fazer uma selfie dos trabalhadores e publicar no mosca? Hahahah...

A economia americana é predominantemente de consumo, 70% do PIB depende deste item, assim a evolução da renda, bem como do patrimônio dos indivíduos, são parâmetros determinantes. Vamos iniciar pelo primeiro, a seguir um gráfico que mostra a evolução média da renda nominal , desde o ano 2000, inflacionada pelo índice de preços, o CPI.


Houve um decréscimo desde 2000, atingiu o pico de queda em 2011 e desde então vem-se recuperando muito lentamente.

Estatisticamente, os domicílios são divididos em duas categorias: Famílias e não famílias, cuja proporção é de 2 X 1 de todo universo. As famílias são divididas em três categorias: Casado; mulher com filho presente e outras famílias.

As não famílias são divididas em duas categorias: Mulheres vivendo sozinhas e homens vivendo sozinhos, e por último a menor categoria, outras não famílias. A ilustração a seguir dá uma visualização comparativa de crescimento por categoria. Com exceção de casais casados que não apresentaram evolução (novos tempos), estão destacados "all households" e as duas maiores categorias.


A categoria "married couple" que constituíam 50% de toda amostra em 2009, caíram para 47,8%. Já o crescimento de 16,1% na categoria"Other family households", sem dúvida é atribuído em parte aos adultos que voltaram às casas de seus pais, em consequência da crise de 2008.

A seguir, um retrato da evolução das rendas, apontando quedas em todas elas.


Observando agora sob a ótica do grau de instrução, parece não fazer o menor sentido. Todos os níveis com alguma escolaridade são significativamente mais baixos que a média geral.


A explicação para este fato é que o aumento do número de pessoas com maiores níveis de educação, foi superior aos sem escolaridade, ocasionando uma maior concorrência. Acontece que esta elevação de nível de escolaridade foi feita com aumento substancial dos empréstimos para este fim.


Como apontado no gráfico, o maior crescimento dos empréstimos aconteceu depois de 2008, onde observou-se este movimento de busca de mais educação, por parte dos desempregados.

Já do ponto de vista de patrimônio dos indivíduos, o quadro é ainda pior, onde a concentração de riqueza encontra-se em pequena parte da população, enquanto do outro lado, a maior parte dos ativos está baseada em crédito.



Acredito que estes dados não são nada animadores, nem para o governo americano que precisa uma retomada do consumo, e muito menos para os americanos que não têm tido melhores oportunidades de ganho.

Recebi uma figura que sumariza a apresentação de Janet Yellen hoje pela manhã, em Jackon Hole, contendo as enfases no número de vezes que mencionava uma palavra ou expressão.



Eu sei que meus leitores têm um grande interesse na cotação do USDBRL, não é necessário nenhuma explicação. Na última vez que postei em-quem-você-vai-votar, comentei: ...Para o cenário mais altista, ultrapassar R$ 2,32, vai me obrigar uma reavaliação das minhas premissas, já uma queda abaixo de R$ 2,24/R$ 2,25, recoloca em jogo os R$ 2,10 ... Veja o que aconteceu desde então.

Nada! Ameaçou romper os R$ 2,24/2,25 e retornou aos preços que estava 10 dias atrás. Assim, meu comentário para hoje é nihil. Aproveitem o final de semana!

O SP500 fechou a 1.988, com queda de 0,20%; o USDBRL a R$ 2,2780, com alta de 0,46%; o EURUSD a 1,3240, com baixa de 0,31%; e o ouro a US$ 1.280, com alta de 0,24%.
Fique ligado!

21 de agosto de 2014

Salvador Dali aplicado a finanças

Acredito que todos já ouviram falar de Salvador Dali, um importante pintor Catalão, conhecido por seu trabalho surrealista. Suas obras chamam a atenção pela incrível combinação de imagens bizarras, sonhadoras, com excelente qualidade plástica. O que talvez poucas pessoas saibam, é que nos últimos dias de sua vida, quando já era famoso, ele emitia cheques sabendo que não seriam submetidos a pagamento. O motivo é que depois de consumir os pratos mais caros de um restaurante, junto com seus amigos, pedia a conta, preenchia o cheque e assinava. Porém antes de entregar ao garçom, fazia um desenho no verso e autografava. Dali sabia que o dono do restaurante não descontaria o cheque, mas o colocaria numa moldura e exibiria no melhor local do restaurante: " Um Dali original."

Era um bom negócio para Dali: Seus cheques nunca seriam cobrados, e ele ainda aproveitaria excelentes banquetes com todos os seus amigos. Dali tinha um talão de cheques mágico. Entretanto, o artista sabia que sua ação era limitada, pois nem pensar em voltar ao mesmo restaurante, e se fizesse isto em todas as refeições, com o tempo perderia o valor da exclusividade.

Fazendo um paralelo com a ação do FED, que ao invés de gastar os dólares em restaurantes, usa seus inúmeros helicópteros. A habilidade de Dali, que prevenia que seus cheques não fossem cobrados, era porque criava algo de valor, que não se aplica a autoridade monetária. Assim como no caso de Dali que tinha limites, o FED também tem. É só uma questão de tempo até que o esquema não funcione mais. Será que dá para usar a ideia do Dali, autografando no verso como mosca? Hahahahah....

Ontem foram publicadas as minutas da última reunião do FED, e lendo-se atentamente, percebe-se o que já se sabia, uma grande dispersão de opiniões. Por um lado, eles insistem que a economia está em boa forma e expandindo, mas alertam que não podem subir os juros, que se verdadeira fosse, seria porque a economia não está tão bem assim. É provável que o FED mantenha esta dicotomia, por ter receio de que se algumas destas contradições forem retiradas, acarretará uma queda nas bolsas.

Como é necessário um culpado, o FED elegeu o mercado de trabalho, pois se este estivesse tão forte como o resto da economia, ele poderia normalizar os juros. E é neste item que a ata mais parece o samba de um crioulo doido, por um lado diz que a taxa de desemprego está se aproximando do seu objetivo, mas que este parâmetro isolado não é suficiente para esta conclusão. Menciona que existem outros fatores que estão abaixo do esperado, eu transcrevo o texto para vocês terem a real ideia da confusão: ...They judged it appropriate to replace the description of recent labor market conditions that mentioned solely the unemployment rate with a description of their assessment of the remaining underutilization of labor resources based on their evaluation of a range of labor market indicators. In their discussion, some members expressed reservations about describing the extent of underutilization in labor resources more broadly. In particular, they worried that the degree of labor market slack was difficult to characterize succinctly and that the statement language might prove difficult to adjust as labor market conditions continued to improve. Moreover, they were concerned that, despite the improvement in labor market conditions, the new language might be misinterpreted as indicating increased concern about underutilization of labor resources ... O que se pode concluir com certeza, é que esta recuperação tem sido muito pior que as anteriores, quando o quesito são salários, veja a seguir.

Amanhã se incia a conferência anual em Wyoming, denominada de Jackson Hole, e a Janet Yellen, vai falar sobre o tema emprego, cujo título é sugestivo Re-Evaluating Labour Market Dynamics" . O mercado espera que ela tenha um tom muito favorável a continuação de juros baixos por muito tempo, e está posicionado neste sentido. Espero que não haja frustrações!

Às vezes eu me pergunto, se o sinal virá da inflação ou do mercado de trabalho, sendo que este último nem o FED sabe como avaliar, imagine nós! Mas como todos estão de olhos fixos nestas variáveis, a história mostra que as surpresas sempre vêm de onde não se espera, o que poderia ser? Aceito sugestões, pois dado o enorme volume de liquidez ao redor do mundo, as consequências não deverão ser nada agradáveis.

Analisar o movimento de um ativo é importante para confirmar ou não suas premissas. Em algumas circunstâncias, mesmo que os preços caminhem na direção esperada, a forma também conta. E, é este o caso para a posição de ouro, que estou liquidando ao nível atual de US$ 1.276, gerando um lucro de 3,64%. Vejamos os motivos: No post eleições-goooo, fiz os seguintes comentários: ...se o ouro penetrar a área em verde de US$ 1.240/1.280, o cenário 2 deve prevalecer, aumentando as chances de ver o metal abaixo de US$ 1.180. Por outro lado, entre US$ 1.340/1.320, a opção 1 ganha força ... E gráfico a seguir.

Hoje o ouro está penetrando na área apontada em verde acima, assim, deveríamos permanecer na posição. O que me fez mudar de ideia? Por um lado, meus indicadores de momento não sugerem alterar o rumo,  porém não gostei do que está observado no gráfico de curto prazo a seguir.
- David, este gráfico mais parece rabisco de criança!
Boa! i) O movimento foi muito "longo", para colocar em palavras mais simples; ii) Ambos têm o mesmo tamanho; iii) Duas mediadas coincidem no mesmo ponto US$ 1.270. Tudo isso me sugere que este movimento curto, se parece mais com uma correção, e não era o que eu estava esperando.

Não vou me alongar em outros gráficos, pois acredito que só iriam confundir os leitores. Agora, amanhã posso chegar a conclusão que eu me precipitei. Se acontecer, paciência, estou sem posição e decidimos depois o que fazer. Mas se eu estiver certo, e o ouro buscar mais alta até os US$ 1.350, ficaria muito bravo, caso não tivesse agido.

- Estou irritado e espero não ter perdido a oportunidade de um lucro maior!
Respeito, você é o estilingue e eu sou a vidraça, vamos aguardar.

Terminando o assunto de mercado, o euro negociou hoje a 1,3241, assim para quem seguiu minha recomendação eleições-goooo, deve ter liquidado a posição, realizando um resultado de 0,91%, é pouco mas é lucro! Hahahaha.... 

O SP500 fechou a 1.992, com alta de 0,30%; o USDBRL a R$ 2,683, com alta de 0,29%; o EURUSD a 1,3282, com alta de 0,18%; e o ouro a US$ 1.278, com baixa de 1,10%.
Fique ligado!

20 de agosto de 2014

A matemática do dinheiro

Trabalhar no mercado financeiro exige uma condição que é saber "fazer contas", termo muito usado neste maitière. Esta é uma das razões que os bancos dão preferência aos engenheiros, por sua base sólida nesta matéria. Durante minha vida profissional, passei por várias experiências que comprovaram esta ideia, e com a inflação na casa dos 100% a.a., qualquer erro era prejuízo na certa. Mas isto também era válido no exterior, pois naquela época os juros nos USA eram de 10% a.a. e calcular linearmente, ou exponencialmente, mudava o resultado.

Um certo dia, eu fui fazer um estágio no Credit Lyonnais em Nova York, e a responsável pela tesouraria era uma americana, que organizou minha estada. Eu orgulhosamente portava minha HP-12C, o pessoal não dava muita importância. Mas foi na mesa de operações que notei algo errado, o Banco estava fazendo empréstimos a outros Bancos por 3 anos a 10% a.a., ou seja, uma taxa assim calculada de 30% no período. Para se financiar, captava recursos no interbancário a 9,50 % a.a por 60 dias, ou uma taxa no período de 1,5833%. Esta é uma operação clássica entre bancos, cujo spread aparente é de 0,50% a.a. (10,0%-9,5%), considerado muito bom para época.

A noite fui para o Hotel e fiz meus cálculos, cheguei a uma conclusão que se as captações fossem renovadas nas mesmas condições, finalizaria com um prejuízo de 2,68% ao invés de um lucro esperado de 1,5%. Como eu, vindo de um país tupiniquim, poderia duvidar dos americanos? Devia estar cometendo algum erro, resolvi aguardar mais um pouco e observar.

A Christine, diretora da área, me convidou para participar de um seminário naquele final de semana, com direito a passeio de barco por Manhattan, aceitei no ato. Quando a contabilidade estava expondo seus números, tudo ficou mais claro, o palestrante disse que os resultados gerenciais apontavam para um número, mas o contábil era bem menor, provavelmente devia-se a algum lançamento errado.

Foi quando eu perguntei se não seria pelo fato dos juros compostos, não estarem sendo considerados. Todos olharam para mim e pensaram: "what is this guy talking about!". Eu puxei minha HP, e calculei que os empréstimos feitos a uma taxa nominal de 10% a.a., na verdade correspondiam a uma taxa efetiva de 9,14% a.a, enquanto as captações, ao invés de 9,5% a.a., na verdade custavam a 9,88% a.a. Assim o conjunto destas operações estavam realmente dando prejuízo. Um silêncio pairou na sala, quando alguém perguntou:

- Where did you bought this machine?
Aí eu não aguentei e respondi: downstairs! Hahahah ....Conclusão, fiz uma tabela á mão mesmo, para que já fosse implementada na segunda-feira!

- Que legal David, e o que este flash back tem a ver comigo?
Quis chegar ao ponto, que nem a matemática é mais importante nas mesas de renda fixa, afinal calcular juros nominais ou compostos de zero virgula nada, tanto faz. Se a situação acima tivesse acontecido hoje, podia jogar minha HP no Rio Hudson! Hahahah ... Em todo caso, é bom guardar a calculadora, afinal ela sobreviveu a toda a tecnologia destes tempos, e não sabemos o dia de amanhã, quem sabe as boas épocas de algum juro retornarão.

Hoje os comentários serão sobre o Ibovespa, afinal ontem ele fechou nas máximas do ano a 58.400.

- David, você não pode ter perdido o bonde?
Em análise técnica tudo é possível, mas sempre que um nível é ultrapassado. No ano passado no post o-mercado-esta-confuso, fiz o seguinte comentário: ...Eu imaginava que a correção (X em azul) poderia ter terminado com um "primo", o double zig-zag ... com o gráfico abaixo.

O que parece ter acontecido é que a onda X, que eu imaginava ter terminado, resolveu se estender. 

 Mais recentemente, no post sonho-e-realidade, aventei a possibilidade desta alta acontecer: ...a bolsa subiria um pouco mais, até os 62.000 pontos, para depois voltar a cair mais forte ... a área, em torno do X, é o meu objetivo para o índice, entre 62.000/63.000, depois disso uma correção, que ocorreria ao redor de novembro deste ano.
Deixo a sua imaginação o que poderia acontecer nas eleições. Em todo caso, pelos gráficos, parece que a Dilma leva o novo mandato, ou será a Marina que geraria este movimento? Hum.... Com certeza não seria com Aécio!

O SP500 fechou a 1.986 com alta de 0,25%; o USDBRL a 2,2632, com alta de 0,79%; o EURUSD a 1,3262, com baixa de 0,43%; e o ouro a US$ 1.290, com baixa de 0,34%.
Fique ligado!

19 de agosto de 2014

Eleições Goooo!

Hoje começa o horário político e as eleições já estão batendo na porta. Acredito que os meus leitores não vão acompanhar este programa pela TV, talvez um dia ou outro, o mais provável é que venha aquela sensação: "Que saco, vou ter que aguentar este blá, blá, blá, todos os dias?". Entretanto, o resultado da eleição será de suma importância, pois saberemos se continuaremos do jeito que está ou se haverá mudanças.

Eu farei breves comentários aqui no mosca, sempre que considerar necessário. Para começar, não sei se vocês assistiram a entrevista de ontem da Presidenta Dilma no Jornal Nacional, desta vez achei que as perguntas do Bonner foram boas, e não fiquei com a mesma impressão que tive quando o entrevistado foi Eduardo Campos, torcida? Hahahah ...

Dilma procurou várias coisas sem conseguir nenhuma delas, vejamos: Ser simpática com um sorriso amarelo, que durou exatamente 10 segundos; Responder as perguntas num tom professoral, mas sem nenhuma didática; embasar suas respostas sem fundamentos, mas "enchendo linguiça"; e por último plagiar Eduardo Campos com uma frase ao final da entrevista: "todos precisamos acreditar no Brasil", onde a original de Campos era "não vamos desistir do Brasil", qual acham mais forte?

Acredito que, quem tinha que assistir esta entrevista e poderia alterar seu voto, ou não o fez, ou não entendeu nada que a Presidenta falou, ou seja, efeito zero, apenas a turma que não é favorável a Dilma, deu a sua opinião. Mas eu me lembro quando Fernando Henrique concorria pela primeira vez, durante a implementação do plano Real. Os formadores de opinião influenciaram os outros eleitores suficientemente, para alterar o quadro daquela ocasião. Agora, a situação possível e desejável, para estas eleições, seria uma queda constante da intenção da Dilma, algo em torno de 1% por semana. Esta hipótese ainda é pura torcida, mas a largada foi dada, eleições Gooooo!

Enquanto isso nos USA foram publicados os dados de inflação do CPI, e o mesmo subiu míseros 0,10%, a menor dos últimos 14 meses, isto tanto o índice cheio, como o que exclui alimentos e combustíveis. Assim, coloca-se um pé atrás aos que esperavam uma recuperação deste indicador, dentro dos objetivos traçados pelos FED.


Do lado positivo, o lançamento de novas casas foi superior as previsões, atingindo a marca de 1.093.000. Este dado é considerado importante por vários analistas, pois a área imobiliária, foi muito castigada desde a recessão de 2008, e pode gerar muitos empregos.


Embora ainda distante dos níveis de antes da crise, este mercado vem melhorando, ajudado pelo interesse de estrangeiros na compra de imóveis nos USA.

Em termos de mercado, o euro rompeu hoje as mínimas de 1,3330, assim quem resolveu seguir minha recomendação de venda, no post de ontem os-gráficos-que-apontam-os-7-enganos, recomendo atualizar o stoploss ao nível de entrada a 1,3360. e caso atinja 1,3240 liquidar a posição. Por outro lado, o trade de venda do SP500 não foi bem  voo-de-galinha, e fomos stopados hoje, com uma perda de 1,28%. Como eu havia enfatizado no post proibido-para-menores-de-18-anos: ...Não consigo ter uma visão mais longa se este é o início de uma queda mais prolongada, ou apenas uma correção, só o tempo dirá ... E disse!

Ainda continuamos com a posição de venda de ouro, no post seculo-XXI, sugeri algumas alternativas, caso meu cenário inicial (2) não prevalecesse. Para ficar mais claro, republico o gráfico lá postado.

Acontece que desde então, o ouro vem caindo lentamente. O que fazer então?

Por enquanto nada, mantenho o que está exposto no post seculo-XXI, agora se o ouro penetrar a área em verde de US$ 1.240/1.280, o cenário 2 deve prevalecer, aumentando as chances de ver o metal abaixo de US$ 1.180. Por outro lado, entre US$ 1.340/1.320, a opção 1 ganha força, aí sugiro seguir as opções listadas no post seculo-XXI.

O SP500 fechou a 1.981 com alta de 0,50%; o USDBRL a R$ 2,2492, com queda de 0,37%; o EURUSD a 1,3321, com queda de 0,31%; e o ouro a US$ 1.295, com queda de 0,16%.
Fique ligado!

18 de agosto de 2014

Os 7 gráficos que apontam os enganos

Acordamos hoje com os resultados da última pesquisa feita pelo Data Folha, considerando a Marina como candidata que substituiria Eduardo Campos. Neste novo documento, esta seria a nova Presidenta da República, eleita no segundo turno. Podemos confiar? Acho muito cedo, e como se diz na gíria, muita água vai rolar. A única conclusão que pode-se tirar é que existe uma ampla divisão entre os favoráveis a Dilma e os contra, assim, se houvesse um pragmatismo entre os candidatos, uma aliança entre Marina e Aécio, garantiria uma vitória da oposição. Talvez seja cedo, e a situação atual irá gerar uma competição entre estes últimos, competindo para sua ida ao segundo turno.

A menos de uma semana analisei no post em-quem-você-vai-votar, as chances de cada candidato e postei a seguinte frase: ...Qual a chance de haver um evento, positivo ou negativo, até as eleições, que poderia alterar significativamente, os percentuais atuais? Eu não consigo vislumbrar nada ... Como não sou vidente, nem tenho bola de cristal, jamais poderia imaginar esta tragédia. A verdade é que, este evento poderá gerar mudanças que não são visíveis neste estágio atual, assim meu prognóstico que a Dilma ficaria mais 4 anos, vai ficar on hold, por enquanto.

Estes 7 gráficos que irei postar hoje, podem dar uma ideia um pouco diferente da atual saúde da economia americana. A criação de empregos tem gerado números estáveis desde 2012, assim pode-se raciocinar que a maior injeção de recursos pelo FED, ou não está gerando o efeito desejado, ou então, que está perdendo o efeito. Como pode-se verificar no gráfico a seguir, onde a criação de empregos foi deflacionada pelo crescimento de ativos detidos pelo FED.



A taxa de desemprego vem declinando desde seu pico em 2009. Por outro lado, o índice entre o emprego sobre a população, quase não se moveu desde 2010. O próximo gráfico  mostra, que a taxa de desemprego vem caindo pelo mal motivo, que seria as pessoas abandonado o mercado de trabalho.


Os novos postos de trabalho estão crescendo desde 2009 e agora encontram-se nos níveis mais elevados desde 2007. Mas as contratações não vêm acompanhando o mesmo ritmo, desacelerando a partir de 2010, assim o mercado de trabalho está melhor, mas distante de encontrar-se forte.


O mercado imobiliário melhorou significativamente desde a última depressão, mas está extremante fraco quando analisado pelos padrões históricos. No gráfico a seguir, a categoria "uma casa por família" está ainda em níveis que, no passado, eram associados a recessão.



As vendas de carros estão elevadas, resultado dos baixos juros cobrados nos financiamentos. Porém, os estoques de carros encontram-se nos maiores níveis desde 2001. Se a demanda começar a cair, existira um estoque elevado, fazendo que este cenário não seja bom para o mercado automobilístico.


O sentimento do consumidor melhorou muito em relação a 2009, porém encontra-se bem abaixo dos níveis observados em 1995. Observe abaixo que, desde 2001, as recuperações tem sempre sido, inferiores aos picos anteriores, isto pode indicar uma perda de confiança no setor financeiro. Em outras palavras, ao final de cada bolha - primeiro o Nasdaq, depois o imobiliário, e agora a bolha do FED? - o consumidor perde confiança no sistema.


E por último a bolsa, que vêm subindo consistentemente desde 2009. Alguns dizem que isto é resultado da melhora econômica, outros que é por causa dos helicópteros do FED. Veja o gráfico a seguir, que é o SP500 dividido pelos ativos detidos pelo FED. Qual você acha a razão que melhor explica?


Depois destes gráficos, será que a economia americana está indo bem, ou o que assistimos é consequência da ação do FED? O que pode acontecer se o FED recolher o dinheiro "despejado" pelos helicópteros?

No post quanto-mais-velho-melhor, externei minha frustração e indecisão quanto aos próximos movimentos do euro: ... meus indicadores de momento indicam novas quedas, porém o shape não bate, estou em dúvida, e na dúvida prefiro aguardar ...Desde então, a moeda única ficou contida num intervalo pequeno. Mas agora, antevejo uma queda, pequena, mas uma queda.


Acredito que um target inicial entre 1,32/1,324 parece factível, depois disso, não sei, precisamos esperar. Eu não gosto de sugerir trades de curto prazo, mas se alguém quiser se aventurar a operar a "traiçoeira", poderia vender nos níveis atuais a 1,3360, com um stop a 1,3440 para buscar os níveis citados acima. É um bom risco retorno, em todo caso, It´s up to you!

O SP500 fechou a 1.971, com alta de 0,85%; o USDBRL a R$ 2,2584, sem variação; o EURUSD a 1,3662, com queda de 0,28%; e o ouro a US$ 1.298, com queda de 0,48%.
Fique ligado!