Inflação: A Revanche

31 de julho de 2014

A Economia americana está levantando voo?

Nestas últimas 2 semanas o noticiário ficou concentrado em problemas geopolíticos, sendo os combates em Israel o de maior importância. Eu pretendia escrever minha opinião sobre este assunto, mas acredito que fuja ao escopo do blog, afinal o objetivo aqui é claro, com o bolso. Eu só atentaria os leitores para que leiam as informações fornecidas pelos órgãos oficiais e não somente a opinião de mídia, que tende a concluir somente pelas evidências, sem analisar as razões. Vejam também que nenhuma grande potência como: Estados Unidos, Alemanha, Grã-Bretanha e outras, se pronunciaram sobre o assunto, afinal o Hamas é um grupo terrorista.

Ontem foi publicado o PIB do 2º trimestre dos USA e foi um número para ninguém colocar defeito, 4% a.a., superior as mais otimistas previsões. Porém uma avaliação mais cuidadosa dos subitens deve ser feita, uma vez que, 1,66% é atribuído a elevação de estoques das empresas. Assim, quando companhias produzem mais produtos que terminam nas prateleiras ou nos armazéns, e não porque estão vendendo mais, isto não nos diz muito sobre o futuro da economia. Desta forma, economistas analisam as "vendas finais", excluindo os efeitos dos estoques.


Como mostra o gráfico acima, as vendas finais foram mais fracas que originalmente publicadas, entretanto, 2013 foi revisada para cima. Notem que as vendas finais no 4ºT de 2013 e 1ºT de 2014, foram substancialmente piores que as originalmente imaginadas. Este rápido declínio é a principal razão da elevação nos estoques.

Outra variável importante, é a renda bruta, que compreende o total de rendas recebidas por todos os setores da economia e inclui: todos os salários, lucros, e taxas subtraindo os subsídios. Quando esta variável é vista numa base anual, sua fraqueza torna-se aparente. Ao contrário das vendas finais, que foram fortemente revisadas em 2013, a renda foi revisada para baixo.


Assim o PIB vem tendo um desempenho mediano nos últimos anos, mostrando bastante estabilidade, mas não forte o suficiente para ficar sem as intervenções monetárias do FED. O gráfico a seguir mostra o PIB "real". A economia está operando em níveis que só foram vistos antes, nas duas últimas recessões, e em níveis que deixa pouco espaço para absorver um choque externo.


Às vezes os economistas se focam no curto prazo, deixando de analisar com uma visão de mais longo prazo. Se damos um passo atrás e ficamos com uma visão mais longa dos dados, um contorno diferente emerge, quando analisa-se as principais tendências.


Ontem terminou a reunião do FED, sem secção de perguntas e respostas, os analistas focaram-se na minuta disponibilizada. O mercado, com um dicionário na mão, procurou interpretar as pequenas mudanças de palavras usadas, para imaginar quando o FED vai começar subir os juros. Não vi nada de muito conclusivo, porém estava enfatizado que eles ainda estão preocupados com o emprego. Não nos números mais divulgados como a criação de vagas e taxa de desemprego, mas em outros parâmetros. Em todo caso, amanhã teremos a publicação para o mês de julho.

Estamos com posições em 2 mercados, vendidos em ouro a US$ 1.322,50 (meio do intervalo proposto), e stoploss a US$ 1.345 até-volta, e no USDBRL a R$ 2,28, com stoploss no mesmo nível atras-dos-números. Os meus comentários hoje e amanhã serão mais superficiais, pois será no final de semana, que farei uma análise mais profunda.

Vejamos o ouro, sugiro que releiam o post china-copy-paste, onde apontei 2 cenários que ainda continuam válidos.

Se tudo correr bem, e o cenário 2 do post mencionado acima, estiver valendo, o rompimento de US 1.240, daria uma confirmação maior, e em seguida a queda abaixo de U$ 1.190, abriria a porta para novas mínimas. Só falta combinar com os Chineses, que não é nada fácil! Hahahahah....

O SP500 fechou a 1.930, com queda de 2,00%; o USDBRL a R$ 2,2669, com alta de 0,97%; o EURUSD a 1,3388, sem variação; e o ouro a US$ 1.282, com queda de 0,93%.
Fique ligado!

18 de julho de 2014

Até a volta!


Hoje o mosca será curto, vou sair mais cedo para minha viagem. Ontem os mercados azedaram, primeiro a notícia que um avião da Malaysian Airways foi abatido no território da Ucrânia, com a morte de 300 pessoas, depois foi a vez de Israel anunciar que estava entrando no território de Gaza, após inúmeras tentativas de um acordo de cessar-fogo com o Hamas. No primeiro caso os USA já pediram para a Rússia levantar quem teria feito tamanha barbaridade, uma vez que o míssil era de fabricação daquele país, já os Russos veem indícios de um rastreamento antiaéreo da Ucrânia. A verdade é que este incidente aconteceu logo depois dos americanos terem imposto pesadas restrições a várias companhias Russas, Hummm .... O Putin não é flor que se cheire.

Em todo caso, veja como ficou hoje o espaço aéreo da Europa, para que correr risco?


Assim, todos os ativos de risco levaram uma paulada, e o real não poderia ficar de fora, atingiu a máxima de R$ 2,26 recuando hoje pela manhã. Ontem no post alertei para a possibilidade do dólar subir e apontei 3 pontos possíveis, o primeiro já foi a R$ 2,25, acompanhem os próximos dias.Outro ativo que teve uma reação foi o ouro, que negociou dentro do intervalo que eu sugeri uma venda US$ 1.320/U$ 1.325 china-copy-paste, assim estamos vendidos com stop a US$ 1.345, fiquem de olho também.

Eu vou acompanhar sem minhas ferramentas os mercados e caso algo de muito importante aconteça, vou postar, mas vocês já se tornaram experts, podem me avisar também! Hahahahah... Até a volta.

Fique ligado!

17 de julho de 2014

Atrás dos números

A grande discussão dos últimos tempos é sobre a robustez do mercado de trabalho americano. Vários analistas estão apostando que a melhoria vista nos últimos meses, é um sinal inequívoco que a economia americana está ganhando corpo e é uma questão de tempo para o crescimento atingir níveis mais sólidos. Janet Yellen, a Presidenta do FED, citou ontem em sua apresentação ao congresso, observações neste sentido.

"In the labor market, gains in total nonfarm payroll employment averaged about 230,000 per month over the first half of this year, a somewhat stronger pace than in 2013 and enough to bring the total increase in jobs during the economic recovery thus far to more than 9 million. The unemployment rate has fallen nearly 1-1/2 percentage points over the past year and stood at 6.1 percent in June, down about 4 percentage points from its peak. Broader measures of labor utilization have also registered notable improvements over the past year."

Existem dois tipos de empregos, o de tempo integral e o parcial, e para o crescimento econômico o que vale é o primeiro, pois eleva o nível de renda, formação de famílias e consumo. Numa economia que depende de 70% do consumo, isso é o que importa. O gráfico a seguir apresenta a proporção dos empregados de tempo integral contra a população economicamente ativa (16 a 54 anos de idade).


Nota: embora o último dado de emprego apontou uma criação de 288.000 vagas em junho, o emprego de tempo integral comparado a população diminuiu em 0,5%, ocasionado pela queda de 580.000 empregos de tempo integral.

O que está fugindo à atenção é que, na maioria dos relatórios econômicos, desde o término da recessão em junho de 2009, o emprego cresceu 7,8 milhões enquanto a população que entrou no mercado de trabalho foi de 12,3 milhões.


Estes dados sugerem que a economia "real" está longe de atingir pleno emprego, que absorva o excesso de
"folga" no mercado de trabalho. Se o FED subir os juros muito cedo, aumenta o risco de abortar um quadro de emprego ainda frágil.

Outra discussão que permanece no ar é, se os Baby_Boomers estariam se aposentando, ocasionando a queda do participation rate, conforme observações da Yellen.

"Labor force participation appears weaker than one would expect based on the aging of the population and the level of unemployment."

Existem duas evidências que colocam esta ideia em questionamento:

  1. Estudos recentes, sugere que aproximadamente 50% dos americanos tem menos de US$ 2.000 nos bancos, assim é pequena a chance de um número expressivo se aposentar.
  2. Depois de duas quedas excessivas no mercado de ações nos últimos anos, boa parte da poupança para a aposentadoria ficou comprometida, assim existem muitos que retornaram ao mercado de trabalho para complementar suas rendas.
A tabela a seguir reforça estes argumentos, onde destaca-se que 40% das famílias americanas não estão poupando para a aposentadoria, 1/4 dos que já estão na idade para aposentadoria postergaram o prazo, e somente 18% está confiante que tem poupança suficiente.



O estado atual do emprego nos USA, é provavelmente muito mais fraco, que as estatísticas econômicas sugerem. Se este for o caso, cria-se um potencial erro nas políticas, que poderão ter impacto com consequências negativas para ambos, a economia e os mercados financeiros. E como foi dito no post de ontem, todas as vezes que o FED subiu os juros, houve consequências negativas na economia ou nos mercados.

Na reunião do COPOM, o BC manteve a taxa de juros SELIC em 11% a.a. Embora parte das reportagens apontem que esta decisão foi tomada, mesmo com a inflação em alta. O que deve-se levar em consideração é que, estatisticamente já era esperado que a inflação ultrapassasse levemente o limite superior da meta de 6,5 a.a.; os preços das commodities agrícolas estão despencando no mercado internacional, efeito este ainda não repassado aos preços locais; e a atividade econômica está beirando 1% a.a. O call da Rosenberg é manutenção por um bom tempo.

Não poderia deixar de comentar sobre o real antes de viajar, afinal temos uma posição vendida em dólares. No post jogo-decisivo-do-fed, fiz os seguintes comentários junto com o gráfico a seguir: ...Existem duas possibilidades como pode-se ver no gráfico: A + Curta me parece mais provável, onde nos próximos dias um primeiro ataque aos R$ 2,20, em seguida R$ 2,18 para buscar os R$ 2,10; ou + Longo, onde ficaria num zig-zag, até buscar os mesmos níveis expostos acima, só que mais tarde. Em todo caso, vamos atualizar o stoploss para o nível de entrada na posição, assim não corremos mais riscos de perda ...

Não corremos mais risco, pois o stoploss foi ajustado para o preço de entrada a R$ 2,28, para dizer a verdade, daria até um pequeno lucro pelo diferencial de taxas de juros, mas não vou nem calcular, ficaria de brinde! Hahahah... Pela reação dos mercados desde então, e tendo ameaçado seguir a alternativa A ("belisco"), a reação do mercado hoje sugere que a alternativa B parece estar acontecendo.

Eu recomendo ficar de olho em 3 pontos de interesse para nossa posição: 1) R$ 2,25; 2) R$ 2,27; e R$ 2,29. Na minha idéia de curto prazo não deveria ultrapassar estes preços.

- David, e se passar o último preço, vamos a compra de dólares?
Não! Antes, precisaria analisar as características do movimento, e como eu não sou adivinho, vamos ter que esperar, mas eu entendo sua angústia. Por sinal, tenho encontrado alguns leitores que me questionam se não seria a hora de comprar dólares, eu sinto que não querem me magoar, mas não acreditam em minhas previsões. Eu acho que boa parte deles é influenciada pelo mal humor contra o atual governo, existe um sentimento de raiva no ar, mas eu procuro separar as coisas e fico atento aos gráficos. Pode até ser que o movimento de queda tenha acabado e estamos rumo aos R$ 2,60, mas não existe nenhuma evidência ainda, e não embarco nesse barco, fico com meus R$ 2,10/R$ 2,00. Let´s the market speak!

O SP500 fechou a 1.958, com queda de 1,18%; o USDBRL a R$ 2,2550, com alta de 1,41%; o EURUSD a 1,3526, sem alteração; e o ouro a US$ 1.317, com alta de 1,44%, amanhã farei breve comentário sobre o ouro.
Fique ligado!

16 de julho de 2014

FED em travessia perigosa

Antes de iniciar o assunto de hoje, queria fazer um breve comentário sobre a formação do Banco BRIC'S. No post de ontem, eu publiquei que um brasileiro seria escolhido como Presidente desta nova instituição, porém na última hora, foi o indiano escolhido para o posto. Nem este prêmio de consolação nós ganhamos, ficamos com o ônus da capitalização e nenhum cargo de destaque. Mas tudo bem, pois segundo informações dadas aos jornalistas, para o Brasil foi melhor, uma vez que indicará a próxima Presidência, quando a capitalização deste Banco estará completa. O detalhe que será daqui há 5 anos, acho que aprenderam com o Felipão, quando disse que o 4º lugar da Copa do Mundo, foi um ótimo resultado.

Algum dia os juros terão que subir nos USA, isto parece ser uma afirmação que inegável. Recentemente os analistas acreditam que deverá ocorrer daqui a 1 ano, no 2º semestre de 2015. Vamos assumir como verdadeira esta hipótese, a próxima pergunta que surge é, qual impacto terá nos mercados? Embora a situação que vivemos seja única, Lance Roberts realizou um estudo analisando qual foi o impacto  nos mercados e na economia, as elevações de juros feitas pelo FED.

A assunção básica do mercado é que, uma normalização dos juros dará continuidade na alta das bolsas, uma vez que o crescimento se fortalece. Embora pareça uma premissa lógica, será que este é o caso? Roberts analisa dois períodos bem distintos da economia americana, primeiro entre 1950 a 1980. Como pode-se ver no gráfico abaixo, o PIB cresceu a uma taxa de 7,55%, quando o total de dívidas era de 150% do PIB. O fator crítico a notar, é que neste período o crescimento nominal subiu de 5%  para terminar perto de 15%.

Já o período iniciado em 1980, a mudança de uma economia de manufatura e produção para uma de serviços e finanças, foi responsável por esta transformação. A diminuição da produção foi exacerbada pelo aumento de produtividade e avanços tecnológicos, além da terceirização. Todos estes fatores contribuíram para a queda nos salários. Diferente do período anterior a 1980, onde houve um ambiente econômico de crescimento; após 1980 a economia passou por um declínio suave. Mais importante do que analisar o crescimento médio, deve-se analisar a tendência, que foi declinante.

É natural supor que a autoridade monetária baixe os juros quando a atividade econômica cai e depois de um tempo subir novamente, quando as coisas se normalizam. O gráfico a seguir mostra o impacto de quando o FED subiu os juros contra o SP500, as linhas pontilhadas em azul são momentos onde a subida de juros coincidiu com um pico no mercado de ações.


Não deveria ser surpresa que a alta de juros tem um impacto negativo nos mercados, pois sobem os custos operacionais, que desembocam em uma diminuição dos lucros.

A tabela a seguir mostra a história da elevação dos juros pelo FED, do mês da primeira alta num período médio de 3 meses até o surgimento de uma recessão, correção na bolsa ou ambos.


Destes resultados pode-se fazer algumas assunções sobre o mercado atual, se considerarmos que o FED comece a subir os juros em 2015.

A média em meses da primeira alta ate a próxima recessão é de 42 meses, com uma mediana de 35 meses. Se tirarmos os períodos extremamente longos, esta média cai para 28 meses. Considerando o fato de o ciclo econômico atual durar 60 meses, e tem sido bastante fraco, o mais longo depois da II Grande Guerra. É possível que 28 meses seja muito elevado. Assim é de se esperar que no final de 2016 uma correção ou recessão seja provável.

Mais importante frisar que, o número de vezes em que o FED subiu os juros sem um impacto negativo na economia ou nos mercados, é zero!

Duas importantes conclusões pode-se tirar deste estudo: Primeira, existe uma percepção que os mercados só podem subir, o que pode ser bastante perigoso; e a segunda é que resultados passados não são garantia de resultados futuros.

Não mudo uma vírgula do que já publiquei sobre o euro, no último post estatização-do-futebol comentei: ..Meu cenário preferido (P) é que aconteça ainda uma pequena alta, até os níveis sugeridos, para então entrar numa posição de venda do euro ....Minha segunda alternativa (B), aconteceria a queda sem que aqueles níveis fossem atingidos (1,375/1,38). Assim, eu antevejo um target muito "curto" 1,34 ou 1,325. Além do mais, só deveria vender quando 1,35 fosse rompido. Nesta situação, não vou fazer nada ... Desde então, a alternativa (B) parece aumentar a sua chance.


Como havia comentado, somente abaixo de 1,35 o cenário (B) prevalece, ate lá, pode ainda ter uma reversão, o que parece pouco provável. O shape desta queda não é muito convincente para eu assumir que estamos a caminho dos 1,10, e como vocês tem acompanhado, o euro não é flor que se cheire, tem aprontado bastante para quem se aventura. Vamos ver, o que acontece até minha volta, mas se por um passe de mágica ele subir até 1,375/1,38, vale uma venda.

O SP500 fechou a 1.981, com alta de 0,42%; o USDBRL a R$ 2,2221, com alta de 0,11%; o EURUSD a 1,3524, com baixa de 0,35%; e o ouro a US$ 1.298, com alta de 0,27%.
Fique ligado!

15 de julho de 2014

China: copy paste

Uma das preocupações de hoje em dia é como a economia Chinesa está se performando. Existe um receio grande por parte dos analistas quanto a saúde das empresas daquele pais, pois o seu PIB vem se desacelerando gradualmente e encontra-se atualmente ao redor de 7% a.a., um nível que faria qualquer governo ao redor do mundo delirar de alegria. Acontece que a China desde que se aventurou a tornar-se um país "semi-capitalista", investiu pesado em infraestrutura e fábricas, visando absorver o excesso de mão de obra que se criou. Para comprovar o que digo, basta verificar a evolução da bolsa nos últimos anos, este não seria o comportamento esperado.



O que aconteceu de errado? Os analistas tinham a expectativa, que depois da crise de 2008, o modelo Chinês iria mudar, ao invés de exportar a maior parte de sua produção, o governo incentivaria o crescimento do consumo interno, diminuindo a dependência do exterior, mas isso não vem acontecendo, talvez faltou combinar com os Russos, ou melhor, neste caso com os Chineses! Hahahah ....

O governo sabe muito bem que não pode correr o menor risco na área de criação de empregos, com uma população gigante, qualquer distúrbio pode ser altamente desestabilizador. Então só resta empurrar goela abaixo seus produtos aos clientes existentes. Acontece que estes países não estão como no passado, a Europa que se tornou o destino de maior parte de suas exportações, não anda nada bem, e os USA vem tentando melhorar. Para que vocês tenham uma ideia, existe um índice Baltic_Dry_Index, que mede o custo diário de transporte das matérias-primas pelo mar.

Hoje está nos níveis mais baixos de toda sua história e 1/3 do valor do começo de 2014, assim alguma coisa tem que ser feita. Dito tudo isso, noticiou-se hoje a criação de um banco pelos BRICS. Isto me fez pensar, qual seria o interesse da China neste novo Banco. Observe os principais dados destes países.


Esquecendo um pouco a Africa do Sul, que deve estar aí de "gaiata", alguns dados que chamam a atenção: o PIB da China é 5 vezes superior ao dos outros; A renda per capta da Rússia e Brasil é o dobro da Chinesa e a Índia tem tanta gente quanto a China, mas renda per capta muito baixa. Qual seria a razão da China estar interessada neste Banco? Vender! Com a criação deste banco, permitirá a China copiar o modelo que vem desenvolvendo desde o início, o qual seja: Exporta e financia suas vendas a um determinado país, comprando títulos do governo. Para se ter uma ideia, veja a seguir a evolução das reservas dos países asiáticos. Isto mostra que a China está mantendo seu modelo.

Com a criação deste banco, as importações feitas pelo Brasil da China, poderão ser feitas em outras moedas que não o dólar, por exemplo em reais, e depois disso, o exportador Chinês venderia estes reais ao BC Chinês, que em seguida compraria títulos brasileiros emitidos em reais, fechando o círculo. Tudo isso, que coloquei, é uma suposição que eu fiz, mas me parece a única razão do interesse da China ser sócia com Brasileiros, Russos, Indianos e Sul-Africanos, um balaio de gato!

Os industriais brasileiros não deveriam ficar contentes com a criação deste banco, pois se já reclamam com a invasão dos produtos Chineses aqui, com este banco e caso minha percepção se concretize, vai ser uma Tsunami, o que transformaria o Brasil num país de commodities e serviços, sem indústrias. Será que nossa Presidenta pensou nisso? Não parece, pois os Chineses estão dando uma colher de chá, aceitando um brasileiro para comandar esta instituição, mas os objetivos serão os traçados pelo acionista majoritário.

O ouro levou um tombo de respeito ontem, com uma queda de 2,4%, eu havia alertado para esta possibilidade alemanha-campeã-por-antecipacão. Porém não atingiu o preço que eu gostaria para vender: ...Daqui a pouco, vou buscar um ponto de venda, apostando numa queda abaixo de US$ 1.180, meu stoploss deverá ficar na área anotada em vermelho, US$ 1.400/1.430. Aguardem ... O que fazer então? Eu vou viajar e existem 2 micros cenários possíveis, não consigo ainda classificá-los, qual o mais provável.

Neste cenário 1, o ouro ainda iria buscar os níveis de US$ 1.360/1.370 para depois iniciar o movimento de queda. Se este for o que vai prevalecer, vender ao nível atual a US$ 1.293 e eventualmente sofrer depois esta alta, pode não ser agradável. Mesmo que tenha estômago, o stoploss terá que ser a US$ 1.430, ou seja, uma perda potencial acima de 10%.

No cenário 2, o ouro poderia ter uma pequena retração, até US$ 1.320/1.325, e continuar o movimento de queda, ou seja, neste caso, o máximo alcançado no dia 10/07 de US$ 1.345, não seria ultrapassado.

O movimento do ouro à tarde sugere que a alternativa 2 parece mais factível, então ficamos com o trade proposto acima. Os pontos de entrada podem ser levemente alterados, aviso nas próximas horas caso tenha alguma mudança. É um risco, mas com um custo baixo de US$ 25, para um retorno elevado. Uma observação final, se por acaso o metal continuar caindo sem atingir meus pontos de venda, cancele o trade abaixo de US$ 1.250.

Novamente a análise técnica foi de vital importância, pois como citei no post acima: ...Tenho visto muitos artigos sugerindo a compra de ouro, os argumentos são vários ...É sempre assim, lembrem-se do que Nietzsche diz: é melhor uma explicação que nenhuma. Daqui a pouco, vou buscar um ponto de venda ... ela (análise técnica) apontava que o mais provável seriá que a alta se aproximava de uma exaustão.

O SP500 fechou a 1.973, com baixa de 0,19%; o USDBRL a R$ 2,2195, com alta de 0,41%; o EURUSD a 1,3566, com baixa de 0,39%; e o ouro a US$ 1.293, com baixa de 1,02%.
Fique ligado!

14 de julho de 2014

Regras da CVM no futebol

- David, você prometeu que não iria comentar sobre futebol!
Desculpe, mas a quantidade de bobagens que eu ouvi, merecem algumas observações finais.

Quem é do mercado financeiro conhece o significado de CVM (Comissão de Valores Mobiliários), um órgão ligado ao Ministério da Fazenda, cujo objetivo é disciplinar o funcionamento do mercado de valores mobiliários e a atuação de seus protagonistas.

Os gestores de recursos de terceiros, sabem que existem regras muito claras das proibições em seu material publicitário, sendo a mais difundida:
Resultados passados não são garantia de resultados futuros.
Este alerta aparece obrigatoriamente em qualquer material de um fundo, normalmente em letras pequenas no roda-pé.

Nem preciso comentar sobre o jogo do Brasil, a foto acima já diz tudo (lamentável)², como nós engenheiros costumamos dizer. Minha primeira reação ao ouvir a entrevista do Felipão foi de total indignação, mas depois de refletir um pouco, concluí que é isso que se poderia esperar, negação dos fatos. Isso acontece muito com pessoas que detêm um certo poder, veja por exemplo o post escrito sobre nosso Ex-futuro Ministro Guido Mantega negando-realidade, aplica-se a nosso também ex-futuro treinador.

Ele se defendeu dizendo que realizou um bom trabalho, foi campeão das Copas das Confederações, e que o 4º lugar é melhor que os últimos resultados anteriores, onde fomos desclassificados antes.
Felipão, Copa das Confederações tem pouquíssimo valor, pois Itália e Espanha foram eliminadas na primeira fase. Preferiria ter perdido do Chile para não ter que engolir as gozações futuras por dezenas de anos. Ficou feliz com o 4º lugar? Não foi o que você transmitiu antes a Copa, propaganda enganosa!

Por esta razão, me veio a ideia de implantar uma regra semelhante a da CVM no mercado. Toda vez que alguém falar ou publicar, que o Brasil é penta-Campeão, ganhamos isso e aquilo, tem que dizer no final: Copas passadas não são garantia de conquistas futuras! mesmo que baixinho! Hahahahah....

Parabéns para a Alemanha, que jogou um futebol moderno sem ter uma estrela, mas por ter um grupo unido. Muito se pode aprender desta equipe, primeiro seu respeito pelo adversário quando da vitória sobre o Brasil, não foram poucos os jogadores alemães que se sensibilizaram pela dor dos jogadores brasileiros; sem olé, embaixadinha ou pedaladas; depois o agradecimento ao povo brasileiro pela hospitalidade; e por último a festa linda após a comemoração do título dentro do campo.


Fiquei encantado com a torcida argentina, eles tem uma energia incrível, não param de cantar nenhum minuto e músicas boas, confesso que acabei decorando algumas e relembrando depois do jogo. Por outro lado, me decepcionei com a postura do Messi, que não soube perder, com uma cara amarrada ao receber o troféu de melhor jogador. O que ele queria, não jogou nada! Já no Obelisco em Buenos Aires, as coisas não andaram bem de madrugada, depois do término do jogo com a derrota do país, a realidade se sobrepôs e os argentinos estão sofrendo as consequências de uma Presidente inconsequente, e parte dos torcedores iniciaram manifestações violentas nas ruas, daquelas, sabe?

Eu não me engano, não acredito que nossos dirigentes tiraram alguma lição, tudo deve continuar do mesmo jeito. Precisávamos de um novo Presidente tipo "Collor" na pessoa jurídica, como eu costumo falar. O que eu quero dizer com isso, um mandante que tivesse coragem de virar a mesa, pois o povo brasileiro, quando solicitado, mostra que é de boa índole e muito amável. Vou torcer pela mudança! Vamos Brasilllll

Eu vou tirar alguns dias de férias, não farei publicações entre os dias 21/07 a 30/07, retornando no dia 31/07. Como de costume nestas situações, vou procurar dar uma cobertura dos principais mercados para este período, esta semana.

No último post sobre o SP500 consultor-financeiro-robot comentei: ...Não vou dar o call de venda! Mas para quem está comprado, sugiro muito cuidado, uma deterioração está a caminho ... Desde então nada de muito especial aconteceu, e o índice encontra-se no mesmo nível.

- David, mas você sugeriu para quem estivesse comprado liquidar a posição. E agora, se não subiu, também não caiu!
Investir é como caminhar num muro de olhos vendados, alguns caminham com a cara e a coragem, usando simplesmente seu feeling, outros usam alguns "equipamentos" que ajudam na travessia. O mais importante, na minha opinião, é qual a altura deste muro, assim você tem uma ideia do estrago se cair, um dos instrumentos é a avaliação do risco x retorno. Voltando a seu questionamento, eu considero o risco elevado de em algum momento o SP500 sofrer uma queda importante e se o retorno até o momento foi zero, quero ficar longe deste mercado.

Neste gráfico, pode-se observar que desde o final de 2012, há quase 2 anos, o SP500 teve poucos momentos em queda, e subiu 46%, not bad at all! Da mesma forma que critiquei acima o Felipão, por usar conquistas passadas para justificar as futuras, aqui mais que qualquer outro lugar, resultados passados não são garantia de resultados futuros, e isso vale para o resultado do mosca também!

Mesmo com minhas recomendações cautelosas, não posso garantir que o SP500 suba mais, mas pode acontecer numa boa, pois os indicadores técnicos não indicam nenhum perigo visível, apenas os de momento que estão apontando "cansaço", como se estivessem na prorrogação e placar na frente. Mas o que eu posso prever é que, se o time contrário reagir (bolsa começar a cair), vai virar o jogo rapidinho. Como o apito está nas suas mãos, apitem o final de jogo e aguardem a próxima Copa! Ahahahah ....

O SP500 fechou a 1.977, com alta de 0,49%; o USDBRL a R$ 2,2095, com queda de 0,50%; o EURUSD a 1,3619, sem alteração; e o ouro a US$ 1.306, com queda de 2,41%, Uallll!
Fique ligado!

12 de julho de 2014

O mosca gabaritou

Ao abrir o Estadão de hoje, me deparei com uma matéria cujo título e teor é igual ao post de ontem estatização-do-futebol. As suas idéias são semelhantes as minhas. Fui mais audacioso, a sugerir uma solução que parece ser impossível, mas que pretendo explorar com os cartolas do futebol.

Gabaritei! Afinal a companhia deste jornal dá mais sustentação as minhas ideias. Leia a seguir:
estadão

Fique ligado!

11 de julho de 2014

Estatização do futebol

Eu ando muito irritado nestes últimos dias, procurei saber quais seriam os motivos e hoje obtive resposta ao ler os jornais pela manhã, o futebol. Em psicologia, este estado emocional acontece quando perdemos a esperança de que haja uma mudança, tanto em pessoas como em situações, e é como eu me sinto em relação a este governo. Vamos ter eleições este ano, mas não sei se a população brasileira como um todo, deseja uma mudança.

Além de todos os evidentes erros cometidos pelo gestores do PT, cujo objetivo principal não é o bem-estar da população, resolveram se meter no futebol, que arrogância! Por que não se preocupam em arrumar as contas públicas, diminuir o estado abrindo caminho para diminuir os impostos, construir hospitais, investir em escolas e na carreira dos professores, ao invés de se meter no futebol. Até imagino que sua motivação era a de tentar consertar o estrago de imagem, depois da tentativa de pegar o vácuo da seleção.

Eu tinha me prometido parar de escrever sobre futebol, afinal nestes últimos dias foi o que predominou aqui no mosca, mas não aguentei, me desculpem, a partir de segunda-feira vou me conter. Antes de comentar a ideia proposta pelo expert em futebol, o Ministro de Esportes, Aldo Rebelo, queria discordar sobre uma ideia que circula no meio esportivo.

Dizem que a razão de nosso futebol estar com este desempenho ruim é porque a maioria dos jogadores bons são exportados. Na minha humilde opinião não acho que isto seja um problema, pelo contrário, permite que nossos jogadores sejam expostos às condições mais modernas de como se pratica este esporte hoje. Para justificar minha tese, vejam alguns casos de jogadores que tiveram oportunidade fora e acabaram retornando ao país prematuramente, por exemplo, o jogador Pato. O Corinthians colocou muita esperança e dinheiro acreditando que seria "a contratação", e qual foi o resultado? Depois de uma temporada fracassada, foi emprestado para o São Paulo, onde também pouco fez, e este não é o único caso. Assim, quem não dá certo no exterior, também não dá certo aqui, mas que é bem sucedido, adquiri um diferencial mostrando competência em níveis internacionais.

Vocês devem ter lido que a Presidenta quer mudanças nos clubes e sugere que não devemos exportar os jogadores. Já imagino um novo imposto, afinal é o que eles mais sabem fazer, o "IOF bola", todo jogador que for vendido ao exterior pagaria 100% de imposto, e não se animem, o dinheiro não iria para o futebol, ajudaria a diminuir o déficit! Isto significa, estatizar o futebol.

Muito bem, vou dar minha contribuição, não sou especialista em futebol, mas tenho experiência em negócios e empreendimentos, e principalmente em finanças, eu acho! Hahahahah.... No meu mundo, o que se vê hoje em dia são empresas globais, onde a marca de um produto é usada mundialmente, e sua produção no local mais conveniente. Não precisa procurar muito, o iphone é um sucesso indiscutível, e é exatamente disso que eu me refiro.


O que acham: O Santos faz um acordo, ou vende parte do clube ao Barcelona, e assim sela um compromisso de sócios. Vejamos como poderia funcionar: O Santos, time muito talentoso em revelar craques, começa um treinamento local destes jovens, com os padrões do Barcelona. Este por sua vez, investe em infraestrutura para permitir melhores condições de trabalho. Os jovens fariam "estágios" no exterior para adquirir padrões modernos de técnica e preparo físico. No time principal, o Barcelona seria encarregado da parte técnica, definindo o técnico e a forma de jogar localmente, e etc... 

É natural que, como qualquer ideia nova, muitos obstáculos devem surgir, mas o princípio que estou sugerindo é implantar o conceito global no futebol, onde a marca e o high-tech soccer esteja disponível em todos os "mercados". O que ganharia o Barcelona? Pergunte a qualquer empresário, se gostaria de comprar uma empresa cujo P/L seja mais baixo que o seu? Óbvio, imediatamente suas ações sobem e aumenta o valor de sua empresa, permitindo levantar mais Capital para comprar mais jogadores ou fazer mais investimentos. Agora, o que nosso governo está propondo, é exatamente o contrário, que o país se feche ao futebol. Tenho motivos para ficar irritado? 

Falando em irritação, nada melhor que escolher o euro, no post o-ataque-é-melhor-defesa, eu comentei: ...Meu cenário "P", que não é muito preferido, contempla uma alta até 1,375/1.385 e depois uma queda logo em seguida ... Acontece que desde então, nada de interessante aconteceu, recuou um pouco.

Meu cenário preferido (P) é que aconteça ainda uma pequena alta, até os níveis sugeridos, para então entrar numa posição de venda do euro. Se isso acontecer, e somente depois de observar o shape desta queda, terei melhores indicações da extensão do movimento.

Minha segunda alternativa (B), aconteceria a queda sem que aqueles níveis fossem atingidos (1,375/1,38). Assim, eu antevejo um target muito "curto" 1,34 ou 1,325. Além do mais, só deveria vender quando 1,35 fosse rompido. Nesta situação, não vou fazer nada, o risco x retorno, não compensa.

Resumindo, ou sobe aos níveis que desejo, ou estou fora, prefiro assistir Brasil x Holanda! Agora se tomarmos um chocolate, desligo a televisão e vou dormir, ganho mais! Hahahahah...

O SP500 fechou a 1.967, com alta de 0,15%; o USDBRL a R$ 2,2197, sem variação; o EURUSD a 1,3609, sem variação; e o ouro a US$ 1.337, com alta de 0,27%.
Fique ligado!

10 de julho de 2014

Alemanha: Campeã por antecipação

Ontem fui assistir a partida Argentina x Holanda, foi um jogo muito equilibrado, tão equilibrado que não teve nenhum lance de gol eminente. O que mais chamou minha atenção foi a rivalidade entre brasileiros e argentinos, que estavam em grande número. A cada tentativa dos primeiros provocarem com canções desmerecendo Maradona, vinha em seguida uma musiquinha, feita as pressas, que evocava o humilhante 7x1, para enfatizar, levantavam suas mãos e com os dedos indicavam o número 7. Vamos ter que aguentar estes momentos até o final da vida, que m&##a!

Graças a 2 defesas do goleiro argentino, los hermanos estão na final. O prognóstico de uma partida de futebol, com jogadores destas duas equipes é imprevisível, basta Messi estar inspirado e fazer 2 gols, mas se tivessem que jogar 10 partidas, acredito que a Alemanha faturaria a maioria. A equipe Argentina é bem formada, ao contrário da nossa, tem um esquema tático, fica visível para quem assisti no campo, agora a Alemanha é uma máquina.

O mal-humorado técnico Holandês, depois de lamentar a derrota, minimizou a atuação da Argentina, dizendo que não houve nenhum lance de gol de seu adversário. Enfatizou que a partida para eleger 3º e 4º colocados não deveria existir, o que ele tem uma certa razão. Acontece que para nossa seleção é questão de vida ou morte, precisamos recuperar a honra, se é que ficar em 3º lugar tem algum valor, só na cabeça dos dirigentes, este feito, pode redimir os 7x1. Se eles acham isso, porque não vão lá na arquibancada para aguentar as gozações! Agora não quero nem pensar numa derrota com um placar de por exemplo 3x0!

- David, não entendi o título do post
Ah, já ia esquecendo, além do futebol existe uma disputa entre as marcas dos fabricantes de artigos esportivos, onde a Nike tem a predominância das seleções, em segundo lugar vem a Adidas, empresa Alemã. E neste campo á última ganhou por antecipação pois tanto Alemanha quanto a Argentina usam uniformes produzidas por ela, assim o futebol adquiriu o rating máximo AAA! Hahaha...


Independente do resultado desta partida de domingo, já na próxima segunda-feira o governo argentino vai se deparar com a questão legal referente a renegociação de sua dívida, onde a corte de Nova York, sentenciou a obrigação de saldar os credores que entraram na justiça. O governo tem feito um esforço perante a mídia, dizendo que estes investidores são "abutres". Acontece que perante a lei, se los hermanos receberam o dinheiro tem que pagar de volta, seja quem for seus beneficiários. Eles terão até o final deste mês para resolver mais este embrulho que sua desastrosa Presidenta se meteu. Quem sabe, da próxima vez que eu for a um campo de futebol, onde ainda exista meia dúzia de argentinos, posso levar cartazes de caloteiros, para contrapor os 7x1! Hahahahah...

Missão cumprida! Hoje o ouro negociou no target sugerido no post o-americano-esta-arrependido...assim eu sugiro que ou se liquide agora, ou espere os US$ 1.340, com um stop a US$ 1.300, US$ 20 para cima ou para baixo ... Para quem resolveu ficar, realizou um lucro de 6,8%, Parabéns!


Tenho visto muitos artigos sugerindo a compra de ouro, os argumentos são vários: muitos helicópteros pelo mundo; o dólar vai se esborrachar no futuro, perdendo seu poder de troca; a Europa está numa draga e etc... É sempre assim, lembrem-se do que Nietzsche diz: é melhor uma explicação que nenhuma. Daqui a pouco, vou buscar um ponto de venda, apostando numa queda abaixo de US$ 1.180, meu stoploss deverá ficar na área anotada em vermelho, US$ 1.400/1.430. Aguardem.

O SP500 fechou a 1.964, com queda de 0,41%; o USDBRL a R$ 2,2191, com alta de 0,32%; o EURUSD a 1,3609, sem alteração; e o ouro a US$ 1.334, com alta de 0,68%.
Fique ligado!

9 de julho de 2014

Bairrismo ou solução?

Momentos inesquecíveis todo mundo tem na vida, não tenho dúvida que o nascimento dos filhos é um deles, entrar na faculdade outro, casar e vários outros. Existem aqueles que gostaríamos de esquecer, no meu caso posso citar a morte de meus país, a crise da Ásia em 1998, os vários planos econômicos. Todos eles tem algo em comum, muita adrenalina. Vou acrescentar mais um, a humilhante derrota do Brasil!

Querer agora achar os responsáveis é absolutamente desnecessário, agora entender o porque é primordial. Sem querer dar uma de eu avisei, o problema estava na escolha do técnico e eu comentei quando aconteceu estou-vendo-fantasmas. Costumo dizer que a diferença entre uma pessoa inteligente e uma burra, é que a primeira aprende com os erros, e o Estadão de hoje, noticiou os possíveis substitutos do Felipão: Muricy, Tite ou Luxemburgo, qualquer um deles significa a perpetuação da condição atual. Será que ninguém vai perceber que precisamos um técnico de fora? Isto vai determinar se os dirigentes querem a busca de uma solução ou vai prevalecer o bairrismo. Mudança, é o que o Brasil precisa de cabo a rabo, em todas as áreas.

A entrevista do Felipão depois de jogo foi um desastre ao meu ver, mentirosa! Pois num determinado momento assumia toda a culpa e no outro que o jogo foi uma fatalidade, um ponto fora da curva. Felipão come on! O que se esperaria de alguém que expôs o país a um vexame nunca visto, é assumir que seu plano deu errado e colocava o cargo a disposição.

Para finalizar sobre este assunto, a Presidenta Dilma teve um timing horrível, ontem comentei sua atitude ao querer "grudar" na seleção, deixando-se fotografar fazendo o "é tóis". Nietzsche sabe bem que, depois de uma situação ruim, é necessário uma explicação e certamente isto será lembrado, devendo atingir sua popularidade na próxima pesquisa. Se tivesse sido mais cautelosa, aguardaria o jogo de ontem, e ai sim decidir se entregaria a taça. Agora qual será seu discurso com o Maracanã lotado? Se eu fosse ela, rezaria para a Argentina perder o jogo de hoje, pois se há algo insustentável para os brasileiros, seria los hermanos sairem do Brasil como Campeões. Estou indo assistir o  jogo: Não Vamos Argentinaaaaaaaaaaa.... Hahahahah....

Hoje os mercados funcionam no exterior e nada de muito importante está acontecendo, o ETF das ações do brasileiras sobem 1,65%, os gringos gostaram do jogo?
Fique ligado!

8 de julho de 2014

Neymar para Presidente

Neste dia de jogo do Brasil, o post será mais curto, vamos Brasilll... Ontem tive acesso ao resultado de uma pesquisa onde concluía que a contusão do jogador Neymar afetará a popularidade da Presidenta Dilma, colocando em risco sua reeleição. Prontamente nossa mandante saiu à imprensa declarando que entregará a Taça com direito a discurso, e posou com o símbolo usado por nosso craque "é tóis".

Vendo tudo isso eu tive uma  ideia,  lançar Neymar para Presidente da República, acho que ganharia fácil, primeiro turno! Bem não acredito que seja esse seu objetivo, neste meio tempo, a Presidenta resolveu pegar uma carona na sua popularidade. Só tem um pequeno risco, falta combinar com ele, pois imagine se declarar contra este governo, a Presidenta terá que criar um novo símbolo como "é lóis", completando esta expressão com todos os pronomes! Hahaha ... Como diria Milton Leite: Que fase!

Hoje os comentários serão sobre os juros dos títulos americanos, a bloomberg publicou uma matéria sobre este assunto. Antes de entrar nos seu detalhes, vale uma explicação de como se pode fazer apostas neste mercado. Se um investidor acredita que as taxas irão cair, é simples, basta comprar os títulos que rendem uma determinada taxa, por exemplo, 2,60% a.a. e se estiver correto, e a taxa cair para 2,50% a.a., irá embolsar um lucro estimado de 1%. Caso não tenha recursos, pode comprá-los para liquidação futura, e obterá um lucro muito próximo, haja visto as baixas taxas para financiar estes títulos. 

Agora, como fazer se a aposta for inversa, ou seja, espera-se-se que os juros subam, neste caso é um pouco mais difícil, pois terá que alugar estes títulos. Funciona da seguinte forma, um banco faz um contrato de empréstimo deste título com uma data futura de entrega, para tanto cobra um aluguel, o investidor de posse deste título vende no mercado a vista e investe estes recursos a taxas de 0,10% a.a. Se a taxa destes títulos subirem, terá um lucro equivalente ao exemplo acima, porém deve subtrair o custo de aluguel, bem como o diferencial de juros do título e dos 0,10% a.a. (um pouco mais complicado, mais aceitem como verdadeiro).

Aí entra o artigo da Bloomberg, como o mercado em sua maioria, está acreditando que os juros irão subir, querem fazer esta aposta, acontece que o FED é o maior detentor destes títulos por conta dos inúmeros helicópteros, assim não tem muitos disponíveis para aluguel. O volume estimado destas apostas encontra-se em US$ 1,6 trilhões e o custo do aluguel subiu às alturas, para 3% a.a., ou seja, não existe muito papel disponível para tal aposta.

Muito bem, vamos fazer um cálculo estimado de quanto deveria estar a taxa de juros daqui a 1 ano, caso alguém resolva fazer esta operação. 
Taxa de juros do título de 10 anos (hoje) - 2,60%.a.a
Aluguel - 3% a.a.
Aplicação dos recursos provenientes da venda  por 1 ano - 0,15% a.a.
Taxa de juros de empate dos títulos de 10 anos (daqui há 1 ano) - 3,2% a.a.

Assim se a taxa estiver inferior a 3,2% a.a., este investidor perde e se estiver acima ganha. É natural que se a taxa subir antes disso, estes cálculos se alteram, diminuindo o ponto de equilíbrio. Assim só faz sentido esta aposta caso se espere uma alta no curto prazo, para quem tem uma visão que os juros dos FED funds subirão ainda neste ano.

Existem outros economistas que acreditam que o USA está num ciclo estrutural, e que os juros devem ficar baixos por um período mais longo, décadas! Assim citam o período pós recessão dos anos 30, como um paralelo, que se pode ver no gráfico a seguir.



Vejamos o que diz os gráficos, no meu último post sobre o assunto desmistificando-o-hedge...Se você seguiu minha recomendação, fique alerta, mas aguardaria para liquidar a posição, o motivo é que ainda tem muita gente que apostou contra ... Para resumir entre 2,20/2,40% a.a., é mais provável que haja uma reversão, vou ficar de olho, agora se continuar caindo, e abaixo de 2% a.a., só se algo muito ruim acontecer ... Desde então, os juros se recuperaram, sem que o limite apontado para liquidação, tenha acontecido.

Desde aquele momento as taxas tiveram um percurso apontado em verde no gráfico acima, assim, de 2,40% a.a subiram para 2,57% a.a. Meus indicadores mostram uma neutralidade no momento, assim sou obrigado a imaginar 2 cenários equiprováveis: No primeiro em verde uma queda eminente, esta hipótese ganha mais credibilidade abaixo de 2,50% a.a. e principalmente 2,40% a.a.; o outro com algumas altas até 2,80% a.a. e mais perigosamente, até 3,05% a.a.

Enquanto isso, a turma do "mete ficha" na venda a descoberto, vai pagar taxímetro "bandeira 2", Good luck!

O SP500 estava (*) a 1.966, com queda de 0,59%; o USDBRL a R$ 2,2120, com queda de 0,53%; o EURUSD a 1,3612, sem alteração; e o ouro a US$ 1.316, com queda de 0,27%.
Fique ligado!
(*) 15:30 hs.

VAMOS BRASIL

7 de julho de 2014

O Fator sorte

Quem teve oportunidade de assistir a partida eletrizante entre Costa Rica x Holanda, pôde entender o que se considera fator sorte. Depois de 120 minutos, quando os jogadores já não se aguentavam mais em pé, a partida foi decidida nos pênaltis. Durante o jogo, a Costa Rica evitou tomar gols de todas as formas, e teve muita sorte em vários lances, onde a bola bateu no travessão. Para a disputa dos pênaltis, o técnico holandês deu sua última cartada, ao substituir o goleiro por um gorila de olhos claros, Kraul. Ele usou de técnicas legais, mais muito deselegantes, ao intimidar os batedores da Costa Rica, e assim ela foi eliminada, o fator sorte só funcionou até o tempo regulamentar.

Assim eu considero a situação de nossa seleção, vamos depender do fator sorte, pois como venho repetindo, nossa equipe tem uma ótima defesa e Neymar, agora ficamos só com a ótima defesa. Em relação à substituição de Thiago Silva por Danti, não vejo muito problema, tem até uma vantagem, o fato deste último conhecer muito bem metade do time Alemão. Agora no ataque, vamos ver a opção do Felipão. Quanto ao Fred, o atleta mais citado nas redes sociais como um peso morto, não sei se nosso técnico vai ousar mais uma mudança neste momento, pena! Não se enganem, vamos jogar com uma equipe altamente disciplinada e precisamos da sorte para vencê-la, ir para os pênaltis nem pensar. Vamos Brasilllll

O impacto da Copa do mundo é enorme, o ECB realizou um estudo com os volumes negociados nas bolsas durante a realização dos jogos na Copa de 2010, na Africa do Sul. Os dados abaixo, falam por si só.



Acho que Obama, depois de ler o mosca da semana passada o-americano-está-arrependido, Hahahahah ..., resolveu apelar e buscou alternativas para aumentar sua popularidade. Provavelmente algum funcionário do governo fez um trabalho estatístico e concluiu que aqui no Brasil, o Presidente Lula usou a tática de colocar a culpa em seu antecessor para todos os problemas e foi reeleito. Coitado dos americanos! Esta atitude comprova ainda mais, minha percepção que este Presidente é fraco, e que, não é só nos países emergentes que as escolhas feitas pela população, se mostram muito equivocadas.


Já nos mercados, depois da publicação dos dados de desemprego, houve uma espécie de realinhamento, na projeção de quando o FED deverá subir os juros. Os que tinham um horizonte mais longo resolverem encurtá-lo para o 2º semestre de 2015. Em todo caso, as previsões tem se mostrado de pouca utilidade, pois basta ver a evolução de suas projeções e da realidade do PIB americano, nestes últimos anos. Economistas!


Em relação a nossa moeda o real, o dólar está se segurando bem, no post o-antiPIB-americano fiz os seguintes comentários: ...Enquanto este patamar (R$ 2,18) não for rompido, nosso target terá que esperar. Pode acontecer também que, esta correção se arraste por mais tempo, e aí as observações do post jogo-decisivo-do-fed, ficam valendo ... Vejam o gráfico a seguir.


Se eu estiver correto e o dólar continuar seu movimento de queda, vislumbro um primeiro target entre R$ 2,10/R$ 2,12 e se rompido um segundo a R$ 2,03/R$ 2,00. Mas não posso descartar uma continuação, por mais algum tempo, deste movimento curto de correção. Somente após romper os R$ 2,18, abre-se a possibilidade destes objetivos.

Como a Copa do Mundo vai terminar esta semana, não sei qual poderá ser o catalisador deste movimento: O brasileirão recomeça bombando; os assaltantes vão para outros países; o PT abandona as eleições para Presidente; a indústria bate recorde de produção; e etc... Imaginar vale qualquer absurdo! Hahahah... Como análise técnica não depende disso, vamos seguir os gráficos, agora que eu vou ficar meio deprimido a partir da próxima semana, pelo encerramento da Copa, é quase uma certeza.

- David, eu fico mais tranquilo, pois se demorasse muito, já estou vendo o blog: Acertar na bola! Hahahahah...
Boa!

O SP500 fechou a 1.977, com queda de 0,39%; o USDBRL a R$ 2,2240, com alta de 0,50%; o EURUSD a 1,3605, sem variação; e o ouro a US$ 1.319, sem variação.
Fique ligado!

3 de julho de 2014

O americano está arrependido

Ser Presidente da República não é para qualquer cidadão, é uma função que requer uma série de requisitos, porém um que é fundamental chama-se em inglês guts. Isso porque em vários momentos decisões difíceis são necessárias cujos benefícios e custos não são muito claros. Charles De Gaulle, falecido Presidente da França, já dizia que o desafio de um mandante é saber decidir entre duas opções ruins. Eu nunca fui um fã de Barack Obama, desde que assumiu a Presidência, os USA deixaram de ter uma postura ativa, ele tenta negociar com outros líderes de uma forma mais incisiva, mas recua. Putin, que é um "avião" em termos políticos, tem deitado e rolado.

 As pesquisas de opinião tem apontado quedas frequentes em sua popularidade. Que ele é considerado o pior Presidente desde a II Guerra Mundial, ultrapassando George W. Bush, já é conhecido, porém a última pesquisa aponta algo inusitado: 45% da população acha que o país estaria melhor se tivesse Rommey como Presidente, comparado com 38% que considera Obama a melhor opção. Que os Republicanos estão descontentes com a economia já era de se esperar, mas os democratas, partido do Presidente, está com o nível de confiança nos menores de 2014.

Pode-se constatar que não basta as bolsas estarem em níveis históricos para que os seus cidadãos estejam confiantes na economia. Este fato é de certa forma intrigante, pois como a bolsa pode subir sem que a economia esteja subindo também. Acontece que neste momento o fator propulsor das ações são os inúmeros helicópteros que rondam. Isso só, foi suficiente para enriquecer parcela ínfima da população, os 99% restantes tem seus salários estagnados há muitos anos.

Por aqui, hoje foi publicado uma pesquisa de intenção de votos para a eleição, e a atual Presidenta recuperou parte de sua queda, a razão teria sido os bons resultados da Copa. Esta melhora, em meu ponto de vista, vai se extinguir dentro em breve: ou porque nossa seleção será eliminada; ou mesmo sendo Campeã, a queda dar-se-a algumas semanas depois. Assim como na Copa do mundo onde não existe um país favorito, nas eleições também está indefinido, vendo de hoje, parece possível a reeleição, mas muita água ainda vai rolar.

A criação de vagas no mercado americano foi excelente, ultrapassando as expectativas, foram criados 288.000 e  a taxa de desemprego caiu para 6,1%. As reações dos mercados foram as esperadas, dólar e juros levemente em alta, para em seguida recuar. Como os mercados fecham mais cedo hoje, vamos ter que aguardar segunda-feira para ter-se uma visão melhor do impacto nos mercados.


Nos últimos dias, o ouro está contido num intervalo pequeno, no post a-matemática-das-dividas comentei: ...Parece que existe uma boa chance de atingirmos nosso ponto de venda entre US$ 1.340/1.355, agora não seja guloso, venda neste intervalo e não espere o máximo ... Veja o que ocorreu desde então.

O ouro chegou a atingir US$ 1.332 e ficou muito próximo do preço de liquidação sugerido, e em seguida, retraiu para o nível atual de US$ 1.320. O que fazer daqui em diante? Como estamos numa correção, não deve-se ficar surpreso com movimentos inesperados, assim eu sugiro que ou se liquide agora, ou espere os US$ 1.340, com um stop a US$ 1.300, US$ 20 para cima ou para baixo. Para efeito de resultados vou considerar liquidada esta posição que gerou um lucro de 5,2% ( U$ 1.320 - US$ 1.255),  o que é muito num mundo de 0% de juros, com exceção do Brasil que é de 11%!  Hahahah....

Amanhã é feriado nos USA e têm 2 jogões de futebol, primeiro o clássico Alemanha X França e em seguida Brasil X Colômbia. Assim não pretendo postar amanhã, a não ser que algo importante aconteça. Vamos Brasilllllllllll.

O SP500 fechou a 1.985, com alta de 0,55%; o USDBRL a R$ 2,2112, com baixa de 0,60%; o EURUSD a 1,3610, com queda de 0,36%; e o ouro a U$ 1.319, com queda de 0,63%.
Fique ligado!