Inflação: A Revanche

30 de junho de 2014

A matemática das dívidas

Que sufoco, quase fomos eliminados da Copa, não fosse Júlio César eu teria uma péssima notícia para dar. Fiquei surpreso com as críticas à nossa seleção, honestamente não achei que jogou tão mal assim. Talvez a diferença é que eu estou com uma visão mais pragmática, venho dizendo que o Brasil tem uma ótima defesa e Neymar, o restante dos jogadores enquadram-se no padrão dos outros times, assim com a contusão deste último, nada de muito importante aconteceu em nosso ataque. É isto que temos para oferecer, não esperem mais, o resto é torcida e vocês sabem bem que torcida não ganha jogo nem dinheiro nos mercados.

Mas o que realmente me preocupou, foram as declarações da equipe técnica onde na visão deles estaria havendo um complô para não deixar o Brasil ser hexacampeão. Isto é a atitude clássica de cover the ass e de não aceitar a realidade, espero que mudem de discurso e recomendo que eles ouçam as declarações do técnico do México, sobre o resultado da partida contra a Holanda, sujeito cativante! Não sei porque, mas fiquei com uma impressão negativa da equipe da Holanda, acredito que seja pelas declarações de seu técnico, e de alguns jogadores, torci para o México. Agora reparem como a Holanda tem feito seus gols decisivos no 2º tempo, e até mais perto do final do jogo, controle emocional?

- David, qual seria a péssima notícia se o Brasil perdesse?
Repararam como não se tem noticiado desgraças nos últimos dias? Que delícia! Será que elas diminuíram ou os bandidos estão acompanhando a Copa?

O tema de hoje é sobre dívidas, atualmente qualquer produto anunciado é acompanhado de algum tipo de financiamento. Que mulher não é empurrada à comprar uma bolsa em 10 vezes no cartão? Eu sugeri uma bolsa, pois não conheço nenhuma que não seja viciada em bolsas, vale um estudo pelos psicólogos! Hahahah... As compras são na sua maioria levadas pelo impulso, afinal uma bolsa, por exemplo, que custa R$ 1.000, pode-se comprar com um pagamento de R$100 por mês.

É neste momento que o consumidor deveria parar para pensar, pois imagino 2 situações possíveis: A primeira ele tem os R$ 1.000 na poupança e vai se beneficiar de uma compra com juros de 0%, neste caso não têm nenhum problema; a segunda situação é que esta compra será incluída em suas despesas mensais, e aí poderá gerar um problema.Se já não sobra nada de seu salário e você não cortar alguma despesa, esta compra vai entrar em seu limite de crédito, e caso os juros pagos forem superiores ao potencial aumento de rendas, vai criar uma bola de neve para o futuro.

Assim, comprar a prazo significa antecipar seu consumo futuro e se ele não pode ser antecipado, ou porque sua geração de renda não permite ou porque os juros são muito elevados, não pode comprar, e ponto.

Um raciocínio similar pode-se fazer para as dívidas dos países, assim se um país se endivida porque não quer que sua economia entre numa recessão, e busca fazer investimentos ou mesmo subsidiar o consumo, só vai conseguir voltar a níveis mais saudáveis, se a economia voltar a crescer. E se ainda assim, tiver que pagar taxa de juros mais elevadas que seu crescimento, o buraco aumenta mais rápido. Alguma semelhança com o Brasil? Toda!

O BIS, Bank of International Setllments, publicou seu relatório anual ressaltando que a euforia encontra uma "enigmática desconexão" entre os mercados e a economia. Neste extenso trabalho que pode ser baixado a seguir BIS - 84th Annual Report, a sua principal crítica é na conduta pelos Bancos Centrais de lançar helicópteros por todas as partes, ocasionado uma elevação global das dívidas ao redor do mundo, como pode-se verificar no gráfico a seguir. No eixo da esquerda estão a soma de todas as dívidas dos indivíduos, empresas e governos dos países anotados no rodapé. Já no eixo da direita pode-se observar o total destas dívidas em relação ao PIB, notem que subiram 40% desde da eclosão da recessão de 2008, observem também que a participação das dívidas dos governos se elevou em relação ao total.



No término do trabalho dizem que ninguém vai se importar até ser muito tarde, por uma razão simples:

“As history reminds us, there is little appetite for taking the long-term view. Few are ready to curb financial booms that make everyone feel illusively richer.  Or to hold back on quick fixes for output slowdowns, even if such measures threaten to add fuel to unsustainable financial booms. On the other hand, to address balance sheet problems head-on during a bust when seemingly easier policies are on offer. The temptation to go for shortcuts is simply too strong, even if these shortcuts lead nowhere in the end.”

Além do real temos posição no mercado de ouro e no post noise, elenquei dois cenários o "P" e o "B", nomenclatura que vou usar daqui me diante. No cenário "P" eu disse: ...uma alta até US$ 1.340/1.350, e em seguida uma queda até US$ 1.100/1.050, para depois o céu é o limite, rumo aos US$ 2.000! ... Vejam a seguir o desempenho do ouro desde então.

Parece que existe uma boa chance de atingirmos nosso ponto de venda entre US$ 1.340/1.355, agora não seja guloso, venda neste intervalo e não espere o máximo. Depois disso, vou poder analisar se o cenário "P" vai continuar valendo.

O SP500 fechou a 1.960, sem variação; o USDBRL a R$ 2,2135, com alta de 0,92%; o EURUSD a 1,3691, com alta de 0,32%; e o ouro a U$ 1.326, com alta de 0,88%.
Fique ligado!

27 de junho de 2014

O "antiPIB" americano

Ultimamente, os governantes ao redor do mundo, têm criado apelidos para enfatizar o baixo crescimento econômico. Aqui no Brasil, a Presidenta Dilma usou o "Pibinho", quando anunciou crescimentos pífios de nossa economia, que vem se sucedendo. A situação é tão ruim, que quem conseguir um número digamos de 3% a.a., vai soltar rojão.

Ontem foi publicado o PIB dos USA, na verdade a revisão final do crescimento do 1º trimestre, que a cada publicação foi diminuído. O número final foi um vergonhoso - 2,9% a.a. A reação do mercado foi de pouco caso, afinal as baixas temperaturas é a principal explicação, é como se a Argentina levasse uma goleada de 4 x 0, mas não tem problema, pois o Messi não jogou. Será que é isso mesmo?


Notem que não houve ajuda de nenhum grupo, o consumo foi baixo, afinal ninguém queria sair de casa para fazer compras, o saldo comercial negativo, e principalmente os investimentos ocasionaram um grande impacto negativo. Será que os administradores também não saíram dos escritórios para comprar máquinas e equipamentos por causa da baixa temperatura? Outro dia li um relatório que apontava o maior volume de caixa da história dos USA, das empresas contidas no SP500. Estas detinham a bagatela de US$ 10,0 trilhões, não valeria uma pesquisa do porque não investem? Dentro desta sigla, o item de maior impacto foi a diminuição de estoques. Ah bom, então não tem problema, isto é positivo, pois as empresas vão refazer seus estoques e isto afetará o crescimento deste trimestre, let´s see! Em todo caso, já que ninguém deu um apelido, resolvi dar o meu, o "antiPIB"! Hahahah.....

Ontem foi publicado também o PCE, índice de inflação que o FED acompanha, e aí tivemos uma boa notícia, pois pelo menos parou de cair. O índice cheio ficou em 1,77% e o que exclui alimentos e energia 1,49%, ambos abaixo do target apontado pela autoridade monetária.


Tenho comentado o excesso de otimismo do Deutsche Bank, a cada publicação negativa ele dá pouca importância, e a cada dado positivo publicado ele reporta, "eu falei". É incrível que de todos as análises que tenho acesso, nenhuma tem uma visão tão convicta. Para este trimestre esperam um crescimento de 4%a.a. É factível, haja visto que a economia foi mal.

Agora, ontem eu quase caí da cadeira quando recebi a figura abaixo, vejam:
Isto, nada mais é que o cronograma das ações do FED e do mercado até o final do ano, culminado com suas projeções das principais variáveis. É impossível que não me venha à memória, a famosa frase do saudoso Garrincha: Eles combinaram com os Russos? Assim como excelentes jogadores de futebol podem ter uma atitude irracional e morder seu adversário, excelentes economistas podem ter atitudes narcisistas e desconsiderar o que acontece ao seu redor, o primeiro foi punido pela FIFA!

Eu imagino que a leitura do mosca aumentou muito, e o motivo vocês já vão entender mais adiante. Tenho recebido várias demandas de leitores de qual a minha previsão para o real, e fiquei um pouco preocupado, por talvez ter deixado uma ideia dúbia sobre nossa moeda, então vamos esclarecer. No post jogo-decisivo-do-fed, eu tracei alguns cenários alternativos, caso o real não caísse nos dias seguintes: ...Permanecemos até o nível de entrada à R$ 2,28, se for stopado, o resultado é um zero a zero. Depois disso vem a área compreendida entre R$ 2,29/2,35 onde é possível uma nova tentativa na venda, e por último acima de R$ 2,38/2,45, vai merecer muita atenção, pois vou avaliar se a alta do dólar que eu esperava mais adiante, já está em curso ... Acredito que este parágrafo pode ter confundido alguns. 

Acontece que eu sempre tenho que avaliar o que fazer, caso os mercados não se comportem do jeito que eu imagino, para não ficar na torcida, e foi este o meu objetivo, mas em nenhum momento eu abandonei meu cenário favorito, que é uma queda a R$ 2,10, afinal estou vendido no dólar!

Já alguns dias depois, no post pé-no-fundo, publiquei: ...citei dois pontos importantes: R$ 2,20 e R$ 2,18, sendo este último a porta para novas quedas. E hoje o primeiro está em teste ... E hoje o real foi "beliscar" os R$ 2,18, como pode-se ver a seguir.

Mas ainda não conseguiu romper, reagindo em seguida. Enquanto este patamar não for rompido, nosso target terá que esperar. Pode acontecer também que, esta correção se arraste por mais tempo, e aí as observações do post jogo-decisivo-do-fed, ficam valendo.

- David, o que isso tem a ver com o aumento da leitura do mosca?
Veja, o câmbio poderia ter rompido este patamar hoje, mas não aconteceu, provavelmente vários leitores que estão vendido no dólar, resolveram zerar suas posições para o final de semana, afinal temos jogo do Brasil no sábado, e o Felipão já disse que tem receio dos Chilenos. Quem sabe com uma vitória do Brasil, este patamar será rompido na próxima semana! Hahahahah....

O SP500 fechou a 1.960, com alta de 0,19%; o USDBRL a R$ 2,1934, com queda de 0,12%; o EURUSD a 1,3647, com alta de 0,28; e o ouro a US$ 1.315, com queda de 0,19%.
Fique ligado!

26 de junho de 2014

Consultor Financeiro "Robot"

Qualquer bolha é antecedida de uma mania, em 2012 eu fiz uma apresentação no IFL- Instituto de Formação de Líderes, cujo material encontra-se no post no-mundo-das-bolhas, onde vocês poderão ter acesso as principais bolhas da história. Talvez nós estejamos vivenciando mais uma que vêm surgindo no mercado americano. A cultura dos americanos é bastante diferente da nossa, eles foram educados que, investir em ações é a melhor forma de poupar para o futuro, assim uma parcela de 25% a 30% de seu patrimônio é formado por este ativo.

Nos últimos anos, a primeira grande mania nos USA foi o que se denominou como a bolha da internet, no final dos anos 90. Naquela época disseminou-se a ideia de comprar e vender ações diretamente na bolsa, sem a necessidade de investir em fundos. O mercado para estes serviços explodiu, e o número de ofertas iniciais IPO, considerado a forma fácil de ganhar dinheiro no dia da emissão, fazia crer que estes investidores eram "gênios". Frases como: " Por que alguém deve pagar taxas para um administrador de fundos se com apenas um clique era a forma de agregar riqueza", eram instrumento de propaganda dos grandes bancos e corretoras.



Depois do crash desta bolha os investidores foram levados ao mercado imobiliário, muito incentivado pelo FED, que baixou os juros à níveis muito baixos. Através de vários instrumentos financeiros sofisticados, a liquidez e os preços dos imóveis subiram, a tal ponto, que vários analistas começaram acreditar que o imóvel poderia ser considerado um ativo financeiro, com as mesmas características de uma renda fixa. Lógico que, quando os indivíduos perceberam que a festa tinha terminado, "Wall Street" já tinha abandonado o barco sem ficar com os prejuízos. Pela segunda vez, os investidores foram emocionalmente golpeados e arrasados financeiramente.

A psicologia humana e reações emocionais são críticas para entender como as pessoas se comportam em cada mudança do momento econômico. O gráfico a seguir mostra como esta evolução aconteceu nestes episódios.


A próxima inovação que provavelmente indicará o topo da bolsa

A mais recente inovação do mercado é o "Consultor Robot". O Consultor Robot são novos serviços colocados à disposição dos investidores que visam alocar seus recursos em estratégias de comprar e "sentar em cima", feitas através de fundos ETF, que têm um custo muito inferior aos fundos tradicionais e liquidez imediata. A crença é que modelos de alocação de ativos possam substituir o consultor financeiro com vantagens de custos e simplicidade.



O problema é que estes modelos levam em consideração dados de longo prazo e a expectativas de retorno esperado num período de 20-30 anos. Infelizmente, como discutido acima, apesar de a maioria dos indivíduos terem as melhores intenções de tornarem-se investidores de longo prazo, a realidade é que seu longo prazo é entre hoje e a próxima grande correção do mercado.  A título de informação, nos anos 60 o investidor permanência com uma ação aproximadamente 6 anos, e hoje em dia, de 6 semanas a 6 meses. Da mesma forma que o volume dos ETF explodiram, como pode-se observar na figura acima, num eventual estresse do mercado o efeito pode ser devastador, pois todos têm liquidez imediata.

Eu venho, a um bom tempo, não dando sugerindo nenhum trade para o SP500, para dizer a verdade deixo aos leitores a compra com muito cuidado, mas vender nem pensar. Inúmeras vezes me segurei para não sugerir uma venda, mas meus indicadores técnicos não sugeriam tal atitude e eu respeitei, ainda bem! Mas em algum dia, isto vai acontecer, e provavelmente não vamos vender no melhor preço, consequência da forma como venho agindo. O gráfico abaixo alerta novamente para o perigo que ronda o SP500.


No post a-grande-incógnita-china, fiz meus comentários sobre o SP500: ...Bem, mas se está caro não significa que vai cair, pode ficar mais caro, no post eu-avisei, alertei que se o SP500 ultrapasse os 1.900 pontos, poderia se esperar novas altas ... o nível atual, próximo a 1.900, é um divisor de águas, se conseguir ultrapassar, podem esperar para o futuro 2.200 ou 3.100, uma alta de 17% e 65%, respectivamente ... E é o que vem acontecendo, hoje se encontra a 1.951 ... Passados alguns dias o índice encontra-se exatamente no mesmo valor. Acontece que alguns indicadores técnicos de momento, apresentam sinais de exaustão, o que pode indicar que no mínimo, uma correção está a caminho.


- David, vai finalmente vender, não está na cara que já subiu muito?
Não vou deixar me envolver pelo instinto de ganância, ou raiva de ter perdido a alta, ambos não são bons aliados do lucro. Da sua afirmação, a única coisa que se pode extrair é que subiu, pois o adjetivo pode não ser verdadeiro no futuro, uma vez que poderia ser dito o mesmo, há um ano atrás. Não vou dar o call de venda! Mas para quem está comprado, sugiro muito cuidado, uma deterioração está a caminho, e pela minha experiência, nestes momentos, qualquer motivo pode ser suficiente para uma debandada. Eu recomendo que liquidem suas posições, pois mesmo que seja precipitado, poderão entrar mais a frente, quando os dados de momento ficarem mais "leves".

O SP500 fechou a 1.957, com queda de 0,12%; o USDBRL a R$ 2,1961, com queda de 0,52%; o EURUSD a 1,3610, com queda de 0,14; e o ouro a US$ 1,316, com queda de 0,20%.
Fique ligado!

25 de junho de 2014

Pé no fundo

Acho que todos já passaram pela experiência de dirigir com o pé no fundo, ao acelerar forte a primeira sensação é de liberdade e muito prazerosa, mas em seguida, o medo de um acidente se sobrepõe e volta-se a uma velocidade mais segura. É assim que eu vejo a situação cambial brasileira, estamos com o pé no fundo, sem direto a pensar em diminuir a velocidade.

Ontem foram publicados os dados das contas externas e o déficit em transações correntes atingiu U$ 6,6 bilhões, uma estabilidade em relação a maio. O acumulado encontra-se "estável" em US$ 81,9 bilhões, equivalente a 3,61% do PIB. A Rosenberg estima que o déficit deverá permanecer na casa dos US$ 80 a US$ 85 bilhões. A surpresa deste mês, positiva, foi o ingresso de recursos via investimento estrangeiro em carteira, majoritariamente em ações, ao contrário do que se verificava nos últimos meses quando era direcionada principalmente para títulos de renda fixa.


No mais, as outras rubricas, apresentam comportamento semelhante ao que venho reportando em posts anteriores desequilíbrio-estável, balança comercial no empate, conta de serviços déficit de US$ 4,5 bilhões, conta de rendas déficit de US$ 2,9 bilhões e investimento direto US$ 6,0 bilhões. Assim apesar do déficit moderado em transações correntes, auxiliado pelas entradas de investimento estrangeiro em carteira, entrada de IED e demais vias de financiamento, o balanço de pagamentos registrou superávit de US$ 1,7 bilhão.

Na tabela a seguir pode-se verificar a estabilidade nas diversas contas, quando comparadas com 2013. Parece que a cada vez que sai US$ 1,00, entra outro concomitantemente! Assim, nossas reservas mantêm-se em patamar bastante confortável de US$ 380 bilhões.


Assim como quando dirigimos, não dá para ficar com o pé no fundo ad infinitum, o Brasil também não conseguira atrair capitais sem parar, todo mês, sem exceção, e basta um soluço vindo do exterior, para o mesmo mudar de direção. Se isto acontecer, aí sim a posição de derivativos do BC poderá preocupar, pois se o mercado ficar desconfortável, vai mandar os dólares para fora, criando um círculo vicioso. Por enquanto, estamos distantes deste cenário mais tenebroso, afinal os gringos ainda acreditam que dá para ganhar uma "graninha" por aqui, não só nos juros, como também na bolsa.

Aproveitando a carona, queria atualizar o gráfico de consumo de gasolina per capta nos USA, comparados com a evolução do preço real da gasolina.


Acho que não dá para ter dúvidas que se está vivendo uma mudança estrutural no consumo desta commoditie, pois perdeu a relação com o preço. Os principais motivos seriam:

  • A população mais velha abandonando o mercado de trabalho.
  • Possibilidade de se trabalhar em casa.
  • Mídia social propiciou alternativas fortes a interações face a face, que requerem transporte.
  • Tendência dos jovens de dirigir menos.
Será que tudo isso não vai ter um impacto no mercado de automóveis, que ainda emprega, direta e indiretamente, muita gente?

O governo de Gana teve que alugar um jato levando para cá US$ 3,0 milhões em espécie, por exigência dos jogadores, o Presidente do país Mahama aceitou depois da agitação de suas principais estrelas. Pode-se dizer que este ato é Chantagem, ou eles não confiam em seus governantes?

Hoje O BCB anunciou que vai estender o programa de colocação de proteção cambial até o final de 2014. Eu acompanho o estoque desta posição que é publicado com uma certa defasagem. O último dado disponível aponta um volume de US$ 86, 0 bilhões que vem caindo. Assim este novo anúncio é de menor importância, pois representaria uma colocação máxima de U$ 4,0 bilhões/ mês (US$ 200 milhões /dia).

Na última atualização do real jogo-decisivo-do-fed, fiz os seguintes comentários: ...Meu cenário + Curto foi eliminado, restando agora o + Longo, quero deixar claro que a linha verde não necessariamente será a traçada e várias outras são possíveis, correção!... Estou republicando o gráfico para melhor compreensão.


No post acima citei dois pontos importantes: R$ 2,20 e R$ 2,18, sendo este último a porta para novas quedas. E hoje o primeiro está em teste.


Por enquanto o BC está nadando de braçadas, fazendo uma conta aproximada para um estoque médio de US$ 60 bilhões, uma cotação média de colocação em R$ 2,30 e juros de 10% a.a., o BC teria gerado um resultado de R$ 20 bilhões, desde o início. Não é pouca coisa, ajuda nas contas públicas. Daqui em diante, considerando que a cotação se mantenha estável nos níveis atuais, geraria um resultado de R$ 2,0 bilhões/mês. O risco é o BC achar que achou o mapa da mina e interpretar esta operação como  Carry_trade.

Se eu estiver correto em minhas previsões, e o dólar cair aos níveis de R$ 2,10/R$ 1,90, um grande número de investidores vai jogar a toalha e aí veremos se o BC fará a coisa certa, que seria diminuir significativamente seu estoque, amenizando a queda do dólar.

O SP500 fechou a 1.959, com alta de 0,50%; o USDBRL a R$ 2,2045, com 0,89% de queda; o EURUSD a 1,3628, com alta de 0,17%; e o ouro a US$ 1.318, com alta de 0,10%.
Fique ligado

24 de junho de 2014

Por dentro e por fora

Ontem eu pude entender a revolta, de parte da população, na construção dos estádios para a Copa do Mundo. Como havia comentado, fui assistir Holanda 2 X 0 Chile, esperava muito mais, não entendi a estratégia do time Chileno, que jogou pisando em ovos todo primeiro tempo. Já a Holanda era de se esperar, uma vez que, empatar ou ganhar teria o mesmo efeito. Confesso que fiquei um pouco decepcionado, mas também tenho que considerar o fato de ambos já estarem classificados, um certo cuidado para ninguém se machucar pode ter influenciado, não tinham muito incentivo, a não ser o fato de, o perdedor enfrentar o Brasil.

O estádio é fantástico, comparável aos mais modernos da Europa, dos equipamentos de som, telões, cadeiras confortáveis, à disposição da torcida, e até banheiro com pias de mármore! Tudo funcionou bem, parabéns. Fui de metrô e em 20 minutos estava no estádio, no início não me atentei muito aos destalhes, pois tudo ainda era novidade. Saí 5 minutos antes de terminar o jogo, pois queria chegar logo para assistir o jogo do Brasil. Da saída do estádio até a estação do metrô, caminha-se aproximadamente 1 km., e aí percebi que, o que se vê dentro do estádio não combina com o entorno, é como se construir  um palácio ao lado de um conjunto habitacional popular.

Durante a viagem de volta, com torcedores brasileiros puxando conversa com torcedores de vários países, arranhando um inglês "macarrônico", turbinado por diversas doses de cerveja, fiquei pensando: Como será numa derrota do Corinthians, os adversários irão retornar juntos de metrô? Quanto vão custar os ingressos? Vai-se conseguir lotar estes estádios? Os banheiros ficarão limpos? Inteiros? Qual o custo para manter? O que vocês acham?

No jogo do Uruguai hoje, o seu centro-avante Suárez, resolveu dar um "nhaco" na orelha Chiellini. Esta atitude não é novidade, já aconteceu antes, o que coloca em dúvida se ele não tem um certo complexo de Myke Tyson! Ao final do jogo, com a vitória do time sul americano sobre a Itália, os mesmo comemoraram como seu tivessem ganho a Copa, e o jogo só os classificou para disputar as oitavas de final. Será que está é a copa das copas, com vêm se dizendo? E se sim, isso significa que Costa Rica vai levar o "caneco"?

Sobre o jogo do Brasil, não me convenceu, o resultado foi o esperado, haja visto que a equipe de Camarões, estava caindo pelas tabelas e terminou a fase de classificação, com  0 pontos ganhos e um saldo negativo de 8 gols. O que tem me incomodado são as entrevistas após os jogos, todos, do técnico aos jogadores, repetem em uníssono: Que não tem moleza, os adversários são muito difíceis, que o Chile tem uma tremenda equipe, e etc... Será que eles combinaram para dizer a mesma coisa, porque acreditam no que estão falando, ou só para dar uma de humilde? Imaginem na reunião de uma empresa onde o CEO começa a dizer, que vai ser difícil vender o produto, os preços são muito baixos, o concorrente tem um produto muito bom, seria despedido no ato. Felipão, ânimo, diz que confia no seu time e aproveita para tirar o Hulk, Fred, Paulinho e Oscar, coragem!

O Ibovespa, nos últimos dias, vem se mantendo no nível de 54.000, o que pode ser ou não positivo. No post o-botão-vermelho enfatizei que o intervalo entre 54.500 e 57.000 deveria ser rompido: ...O intervalo entre 54.500 e 57.500, merece toda a atenção, diria que se você já quer especular, espere para um fechamento acima de 54.500 e compre um pouco, mas somente acima de 57.500 é mais seguro ..



Será que os comprados vão "atacar" os 57.000, ou a alta "cansou" e o índice está se preparando para uma queda? Alguns dados técnicos indicam cautela e eu recomendo observar o que mencionei anteriormente, aguardando o rompimento dos 57.000. Agora, se mesmo assim, você quiser ficar comprado, acho bom torcer para o Brasil no sábado, pois uma vitória teria um impacto pequeno, mas uma derrota não ajudaria nada na sua posição.

O SP500 fechou a 1.949, com baixa de 0,64%; o USDBRL a R$ 2,2253, com alta de 0,35%; o EURUSD a 1,3606, sem variação; e o ouro a US$ 1.318, sem variação.
Fique ligado!

23 de junho de 2014

"Noise"

Depois deste feriado prolongado voltamos as atividades normais, ou quase normais, afinal a Copa do Mundo continua muito interessante. Que tal, gostaram da classificação adiantada da Costa Rica? E do jogo Argentina x Irã que, não fosse um segundo de genialidade de Messi, terminaria no 0 x 0. No site de apostas, a Argentina era a favorita de todos os jogos. Sem falar no melhor jogo, até agora, entre Alemanha x Gana, "jogaço"! resultado justo.

Neste domingo, destaque para o empate entre USA 2 X 2 Portugal, que jogo! A verdade é que Portugal não merecia nem empatar e só conseguiu graças a ingenuidade dos americanos, que não souberam segurar o resultado. Mas mesmo assim foi um bom resultado, haja visto que o melhor jogador do mundo não jogou nada, talvez o peso de ser um atleta racista, deve estar afetando seu desempenho. Cristiano Ronaldo, não conte comigo.

Não sei a sua opinião, mas eu não consigo eleger qual o meu candidato favorito para vencer esta Copa. Veja abaixo quais são os 4 mais cotados, segundo o site Betfair e quanto paga para cada aposta de U$ 1,00

1. Brasil - 4.7
2. Alemanha - 5,5
3. Argentina - 5,5
4. França - 9,2

Tenho que respeitar estes preços, afinal são valores de quem botou na reta, mas eu não tenho palpite, prefiro ir no dia a dia e observar os resultados. Hoje teremos o Brasil jogando contra Camarões, onde existe um boato que nossos adversários combinaram com alguns apostadores para ganhar uma "graninha" numa eventual goleada do Brasil, e um jogão entre Chile x Holanda, vou estar lá torcendo para los Chilenos!

Embora um pouco atrasado, gostaria de comentar as minhas ideias sobre o final da reunião do FOMC no último dia 18/06. No post jogo-decisivo-do-fed disse que esperava algumas alterações ... Os dados do desemprego, pelo menos no que se refere a taxa, também têm tido melhoras constantes. Isto será suficiente para que o FED altere sua expectativa de quando pretende iniciar a elevação dos juros? Deveria! ... Mas acabou não acontecendo. O motivo principal é que os membros do FED estão muito longe de uma unanimidade, que é facilmente observável em suas expectativas sobre o futuro.


A ilustração acima espelha a opinião de cada membro sobre os juros dos FED funds, nos próximos anos. Vejam que em 2015 já existe uma dispersão considerável, mas até que dá para aceitar um nível próximo de 1% a.a., agora é em 2016 que percebe-se a ampla discordância, entre 0,5% a.a. até 4,25% a.a.! Eu me pergunto, qual o valor de tal informação? A evidência é que alguém vai acertar, mas se vai ser a turma do "gargarejo" (mais perto de zero), ou a do "fundão" (mais perto de 4%), só quando chegar lá.

Agora se ninguém acertar, sai de baixo, pois ou estamos a caminho da deflação com juros à 0% a.a., ou de uma inflação preocupante mais alta, com juros acima de 4,25% a.a. 

O mercado precisa de alguma direção, assim criou 2 curvas, a da média e a da "turma da Yellen" e vamos, que vamos.



- David, o que significa a "turma da Yellen"
Daqui em diante, vou identificar este grupo que acredita estarmos no início do processo de recuperação e que não seria prudente iniciar a normalização dos juros, como a "turma da Yellen", onde a Presidente do FED se enquadra.

Como comentei no post acima, se o FED mantivesse sua postura, haveria pressão na secção de perguntas e respostas: ...Eu acredito que se o FED manter o que vinha adotando até agora, o primeiro impacto não seria muito bom, pois o mercado deve interpretar que o FED está ficando behind the curve", termo usado em situações que a autoridade monetária demora em agir. Se esta for a decisão, vão "massacrar" a Yellen na secção de perguntas e respostas ...A primeira pergunta foi direta: Se com os dados recentes de inflação apontados pelos CPI, o FED já não estria Behind de Curve! Ela engoliu seco e respondeu que esta alta não é preocupante, pois foi ocasionada por um noise. Sem explicar a que se referia, foi enfrente dizendo que a inflação segue as projeções traçadas pelo FED. Hummm.....

Tanto na economia como no futebol, a dispersão entre as opiniões está grande, e assim como no segundo, não tem noise que vai justificar a desclassificação da Espanha e Inglaterra, também na economia não haverá noise que justificará uma elevação mais consistente da inflação. Se isto acontecer a "turma da Yellen" vai ser desclassificada e o mercado vai apostar contra. Por enquanto, a inflação perdeu de 1X0 para o azarão!

Do outro lado o pessoal do "fundão" tem contra o histórico do FED, pois no passado, todas as vezes em que a autoridade agiu para normalizar os juros uma recessão se sucedeu.


Então está fácil apostar em alguma direção? Fico nos jogos, pois em 90 minutos está tudo decidido. Vamos Brasillllllllllllll!

Hoje o assunto é o ouro, afinal com a alta expressiva da semana passada, merece uma atualização. Eu espero que a cada dia que passa, vocês vão dando um pouco mais de credibilidade à análise técnica. Veja o caso do ouro, o metal estava ultimamente largado as traças, e de repente sobre U$ 50 em dois dias o que aconteceu? Muito vendido é minha explicação, mas como não estamos aqui para ficar na torcida, basta o futebol! Hahahahah.... Vejamos o que se pode esperar do metal.


O gráfico acima espelha o que vou começar a denominar daqui em diante como cenário "P", de preferido, uma alta até US$ 1.340/1.350, e em seguida uma queda até US$ 1.100/1.050, para depois o céu é o limite, rumo aos US$ 2.000!


Entretanto, se ao invés de parar no nível de US$ 1.350, o ouro continuar subindo e ultrapassar US$ 1.390/ US$ 1.450, as chances da correção de mais de 2 anos ter terminado aumentam muito, e já poderemos estar caminhando rumo aos US$ 2.000. Este é o cenário menos provável, que vou chamar de "B" e não requer explicações.

- Bonito David! Não é melhor ficar comprado já e pronto?
Não, uma vez que não tenho certeza, e mesmo que a alta já tenha começado, ainda teremos muito tempo para nos envolver. Por enquanto vamos vender a posição que temos se chegar lá, e não fazer como os comentaristas de futebol que ficam especulando com quem seria melhor o Brasil jogar na segunda fase, se ainda estar classificado.

O SP500 estava a (16:30 hs.) 1.961, com queda de 0,10%; o USDBRL a R$ 2,2175, com queda de 0,49%; o EURUSD a 1,3600, sem alteração; e o ouro a US$ 1.315, com alta de 0,13%.
Fique ligado!

19 de junho de 2014

Ouro sobe forte

Após assistir a emocionante vitória do Uruguay frente a Inglatera, e principalmente a atuação brilhante de um real centro avante, Luis Suarez me deparei com a alta expressiva de 3,40% do ouro.

Não tenho um motivo claro para explicar este movimento, mas parece ocasionado por vendas a descoberto, uma vez que amanhã tem vencimento de opções.

Como temos posição no metal, sugiro liquidação no preço sugerido de U$ 1.360, e elevar o stoploss para U$1.280.

Fique ligado!


18 de junho de 2014

Jogo decisivo do FED

Nota 6,5, esta é minha avaliação para o jogo de ontem. Vocês devem estar se perguntando, como um jogo de resultado 0x0 pode ter uma nota positiva quando o Brasil era franco favorito. O que mais gostei foram as declarações dos jogadores e técnico ao final da partida, ninguém justificou como azar, o juiz não marcou o pênalti e outras desculpas mais, foram unanimes em reconhecer a dificuldade de vencer o México e que para chegar à final será difícil, não estão torcendo, como se diz no jargão de mercado.

A equipe do Brasil hoje, prima por uma defesa muito superior a seu ataque, lá na frente só o Neymar, que não é pouca coisa, é com isso que temos que trabalhar. Agora o destaque foi o goleiro adversário, um dia de glória, já garantiu um aumento de salário, além de nova campanha de marketing lançada hoje pela manhã no México:

"Preservativos Ochoa, não passa po##a nenhuma" Hahahah....

Nos jogos de hoje, vamos ver se a Holanda é uma super candidata, ou foi a Espanha que jogou muito mal. E a Espanha conseguirá se recuperar? Mas o resultado mais esperado é a decisão do FOMC, onde teremos uma pista se os Bulls vão sair na frente, ou a defesa dos Bears vai aguentar o tranco, com direito a uma "entrevista" no final da reunião, tendo a frente seu técnico Janet Yellen.

Ontem foram publicados os dados de inflação o CPI, nos últimos 3 meses ele se acelerou e agora entrou na região definida com target do FED. Como pode-se observar abaixo a taxa anual, tanto do índice cheio como o que exclui gasolina e alimentos, encontra-se a 2% a.a.


Os dados do desemprego, pelo menos no que se refere a taxa, também têm tido melhoras constantes. Isto será suficiente para que o FED altere sua expectativa de quando pretende iniciar a elevação dos juros? Deveria!

O FED publica as previsões que cada um de seus membros espera para o futuro, sem revelar seus nomes, e é em função deste dado que o mercado extrapola o que se denomina a curva de juros. Acontece que estas previsões tem se mostrado muito erradas, o gráfico a seguir mostra como foram, separadas por 3 momentos distintos de acordo com palavras-chaves expressas nas reuniões: 1) "Extended period guidance" (azul); 2) " Calendar based guidance" (marrom); e 3) "Thresholds guidance" (verde), entretanto a taxa continua em zero!


Eu acredito que se o FED manter o que vinha adotando até agora, o primeiro impacto não seria muito bom, pois o mercado deve interpretar que o FED está ficando behind the curve" termo usado em situações que a autoridade monetária demora em agir. Se esta for a decisão, vão "massacrar" a Yellen na secção de perguntas e respostas. Dependendo, do que ocorrer, escrevo algum complemento à tarde.

Sabemos que hoje é um dia que poderá haver mudanças importantes no mercado, e minha análise é sempre na parte da manhã, assim farei meu comentário, antes de saber o que aconteceu, o ativo é USDBRL. Estamos com uma posição pequena vendida no USDBRL. 

No post virus-f3h8-esta-se-espalhando, fiz os seguintes comentários e publiquei o gráfico abaixo ...Existem duas possibilidades como pode-se ver no gráfico: A + Curta me parece mais provável, onde nos próximos dias um primeiro ataque aos R$ 2,20, em seguida R$ 2,18 para buscar os R$ 2,10; ou + Longo, onde ficaria num zig-zag, até buscar os mesmos níveis expostos acima, só que mais tarde. Em todo caso, vamos atualizar o stoploss para o nível de entrada na posição, assim não corremos mais riscos de perda ...

Meu cenário + Curto foi eliminado, restando agora o + Longo, quero deixar claro que a linha verde não necessariamente será a traçada e várias outras são possíveis, correção! Bem, não vou ficar traçando estas possibilidades, pois podem confundir os leitores, assim veja a tática do jogo:

Permanecemos até o nível de entrada à R$ 2,28, se for stopado o resultado é um zero a zero. Depois disso vem a área compreendida entre R$ 2,29/2,35 onde é possível uma nova tentativa na venda, e por último acima de R$ 2,38/2,45, vai merecer muita atenção, pois vou avaliar se a alta do dólar que eu esperava mais adiante, já está em curso.

- David, não estou gostando! Por que o seu cenário mais provável  não deu certo?
Assim como no jogo contra o México, o Brasil era o favorito antes do jogo, e empatou. Isso é suficiente para perdermos a esperança? Não, ainda não foi eliminado. No mercado é igual, não deu certo, avalia-se mudanças táticas e implementa-se, se ainda assim não funcionar vai ser "desclassificado". Diferentemente do futebol, no mercado o Campeonato só acaba se acabar o dinheiro, e isso não queremos de jeito nenhum!

Para terminar, a nossa sugestão de comprar do ouro o-pt-esta-desorientado, foi parcialmente executada ontem a U$ 1.260. Assim, a partir  de agora o stoploss é US$ 1.240 e cancele a compra a US$ 1.255. Veja comentários nos próximos dias, caso seja necessário, senão bom feriado!

O SP500 fechou a 1.957, com alta de 0,78%; o USDBRL a R$ 2,2283, com queda de 1,48%; o EURUSD a 1,3585, com alta de 0,30%; e o ouro a US$ 1.274, com alta de 0,23%.
Fique ligado!

17 de junho de 2014

Fogo...Fogo!

O FED deve estar muito preocupado como irá normalizar a política monetária. Ele tem 2 problemas: Primeiro a transição das taxas de juros para níveis normais; e segundo como fará a “limpeza” do seu estoque de títulos que detêm. Não é para menos, o nível dos juros reais são negativos se comparado com a inflação, e ele é o maior detentor de papéis que, algum dia deveriam voltar para o setor privado.

Até aí devem estar quebrando a cabeça, mas tenho que confessar que, ao me deparar com uma matéria atribuída ao Financial Times, fiquei perplexo. A ideia seria implementar uma taxa de saída nos fundos de bonds. Se fosse aqui no Brasil, já estamos bem acostumados, um “IOFzinho” a mais ou qualquer outro nome mais criativo, faz parte da rotina do nosso governo, mas nos USA onde se dizem liberais e não intervencionistas, é mais difícil de se imaginar. Vejam seus argumentos: ... “Federal Reserve officials have discussed imposing exit fees on bonds funds to avert a potential run by investors, underlining regulators’ concern about the vulnerability of the $10 trillion corporate bond market”.



Talvez esta seja a situação que se denomina “boi de piranha”, onde propositadamente deixa-se vazar a notícia para que se possa avaliar seu impacto, se tiver muita repercussão negativa abandona-se, caso contrário vai em frente. Em todo caso, dá para imaginar a preocupação, pois este acúmulo de helicópteros, nunca existiu na história. O que eles realmente querem evitar é que uma multidão saía gritando “fogo,fogo” no mercado de fundos, isto faria com que as taxas de juros fossem para o espaço, comprometendo a tão esperada recuperação.

Por outro lado, eu imagino que se todo mundo souber antes, o efeito será antecipado, e mesmo que o FED não tome nenhuma providência, os juros sofreriam seus efeitos pelos resgates dos investidores antes desta taxa entrar em vigor. Em todo caso, quem tiver alguma aplicação, fique com o dedo no gatilho.

Hoje tem jogo do Brasil e todas as atenções vão se voltar para esta partida, depois que a Alemanha imprimiu um "chocolate" em Portugal, deixando Cristiano Ronaldo tonto em campo, nosso time precisa mostrar a que veio e imprimir uma vitória marcante sobre o sempre perigoso México. Vamos Brasilllllll.... Outro detalhe que também não poderia deixar de comentar, a Primeira Ministra Angela Merkel, depois da vitória de seu país, foi ao vestiário cumprimentar os jogadores, isto é esperado de um governante!



Eu estou aguardando uma recuperação do euro para vender, mas nestes últimos dias toda vez que esboçou uma recuperação, foram só por poucas horas, como pode ser visto no gráfico a seguir.

No post sem-saída ... Vou manter minha ideia original de aguardar entre 1,375/1,385, porém decidi que vou vender neste intervalo ... Eu imaginava que uma correção estaria em curso. 

- David, você não está teimando? Por que não vende já se acha que vai a 1,10?
Pode ser que eu esteja teimando, mas tecnicamente o mais provável é que ainda haja uma recuperação. Ou antes, até uma nova minima abaixo de 1,35, aconteça, se isso acontecer, deveria ser rápida para logo em seguida subir. Vou manter minha posição, não vendo agora! Quanto a sua segunda indagação, enfatizo que estamos numa correção e nestes períodos o mercado não vai em linha reta, além de eu não ter certeza que o euro ainda não irá beliscar 1,43/1,45, que mencionei em posts mais antigos.

- Xiiiii, lá vêm de novo com o se não cair, vai subir.
Poxa , eu achava que você já tinha se acostumado, aqui no mosca vai sempre assim, vamos nos envolver sim em trades, mas o stoploss vai ser o guia, julgando se estava certo ou errado, não quero ficar "agarrado" numa posição. Agora fique tranquilo, quando os mercados estiverem numa tendência definida, vou adotar uma outra tática: pedal+to+the+metal.

O SP500 estava (*) a 1.941, com alta de 0,23%; o USDBRL a R$ 2,2617, com alta de 1,27%; o EURUSD a 1,3537, com queda de 0,26%; e o ouro a US$ 1,269, com queda de 0,10%.
(*) 15:15 hs.
Fique ligado!

16 de junho de 2014

O PT está desorientado

Que início de Copa do Mundo! Primeiro e mais importante, parece que jogar na retranca saiu de moda, ou melhor, só na retranca. Me explico, até um tempo atrás vários times se organizavam para ficar com todos os jogadores na defesa e se tivesse sorte marcaria um golzinho num contra ataque, magros 1x0. Agora, todos jogadores correm o campo inteiro, defendem mas também atacam. Veja seus físicos e compare com nosso Gerson, que era um tremendo craque, mas que até fumava na concentração para aliviar a tensão.

Eu venho falando sobre o "novo" futebol que já é jogado na Europa, mas que infelizmente não foi implantado aqui no Brasil. Felizmente, quase a totalidade de nossos jogadores jogam na Europa e pelo menos preparo físico eles têm, agora se vão correr o campo inteiro vamos ver, tomara que o Felipão oriente. Este final de semana não teve jogo mais ou menos, basta ver a média de gols superior a 3, um espetáculo, estou adorando.

Nosso ex-Presidente Lula, tenho que confessar minha dificuldade de qualifica-lo desta forma, resolveu sair em defesa da Presidenta, quando a mesma foi vaiada e xingada na última quinta-feira, dizendo que a elite está conseguindo dividir o Brasil. Vamos fazer uma análise racional, quem vai ao campo de futebol está mais que acostumado a ouvir palavrões, contra o juiz, jogadores adversários e etc.. É este o ambiente. O uso do palavrão é questionável, mas hoje em dia, ele foi banalizado, quem já não ouviu de seu próprio filho: "O velho", para dizer pouco, eu não gosto, mas é assim! Ou seja, num ambiente onde a emoção prevalece xingamento faz parte do script.

Eu tinha quase certeza que o Governo, onde se inclui a Presidenta, sabia que a população não está muito feliz, bastaria ver como vem caindo nas intenções de votos. Mas pela reação tanto da Presidenta quanto do Lula, fiquei na dúvida. Se a primeira resolveu ir a Campo, corria este risco, porém sua reação foi ruim. Todo profissional de marketing sabe que, quando um produto é ruim, qualquer propaganda vai contra o produto, então reagindo contra os palavrões e dizendo que não vai se intimidar, demostra que não aceita as críticas, o que piora sua imagem.

Outro dia soube que até 10 dias antes das eleições é possível um partido substituir seu candidato, assim, a hipótese do Lula voltar, pode acontecer, este risco existe. Acredito que até o término da Copa, nada deva acontecer, afinal todos os candidatos vão buscar tirar vantagens deste clima de alegria que se instalou momentaneamente, menos o governo que vai ter que continuar torcendo, será que foi esta a razão dela cruzar os dedos?

Nos mercados o holofote se volta, nesta semana curta, para a reunião do FOMC na quarta-feira, até lá não acredito em grandes oscilações, que hoje em dia se tornou evento raro. Ainda bem assim posso assistir os jogos tranquilo! Hahahahah....  No post o-botão-vermelho, já externei minhas ideias, agora só falta esperar.

Já de algum tempo venho compartilhando minha preocupação com a China, e não é exclusividade do mosca, pode-se observar com frequência várias matérias e reportagens na imprensa. Mas o que realmente me deixa apreensivo é a situação na bolsa daquele país, do ponto de vista gráfico.


Como pode-se observar, o índice Shanghai encontra-se num ponto crítico, pois algo deverá acontecer em breve. O mais provável é uma queda expressiva de 30%, esta chance é de 75%, os outros 25% seria uma alta. Fiquem de olho, pois isto não seria nada bom para nós por aqui.

No post quando-o-inimigo-é-mais-forte fiz os seguintes comentários sobre o ouro: ...eu espero uma recuperação até o nível de US$ 1.340, para depois uma nova queda. Vou acompanhar os próximos dias... e foi o que aconteceu, nas próximas horas recomendo uma compra especulativa entre U$ 1.255/1.260, o stoploss a US$ 1.240 e um target de US$ 1.340. Vejam que minha ideia mais a frente, é que o ouro ainda caia mais adiante, mas não ficamos apaixonado por nenhuma posição, apenas com o bolso! Hahahah...

Agora vou me preparar para um jogão entre Alemanha x Portugal, confesso que estou dividido, por um lado torço para Portugal, tenho simpatia, por outro contra Cristiano Ronaldo, um craque de futebol racista. Já sei, é possível os dois, entenderam?  

O SP500 fechou a 1.936, sem variação; o USDBRL a R$ 2,2369, com alta de 0,62%; o EURUSD a 1,3572, com alta de 0,22%; e o ouro a US$ 1.271, com queda de 0,40%.
Fique ligado!

13 de junho de 2014

Partiu!

Gostei de tudo! Primeiro como eu suspeitava, a partir de ontem a desassociação entre a seleção brasileira de futebol com a "deseleção" brasileira de governo, começou. Minha terapeuta é fantástica, primeiro que nunca me critica, apenas sugere mudanças! Hahahahah.... Depois conversamos sobre tudo, até minha preferência de voto nas eleições, ou seja, qualquer assunto. Ontem comentávamos sobre este pessimismo que paira sobre o Brasil, e concluímos que no caso da seleção brasileira, é a clássica de transferência, quando coloca-se a culpa em alguém que não tem nada a ver com o real problema.

A situação do governo daqui em diante é semelhante ao que acontece no mercado com um determinado ativo, que permanece estável com boas notícias e cai com más noticias. Assim, se o Brasil ganhar a Copa, o governo não ganha nada e se perder será o culpado. Teremos eleições este ano, e as quedas nas pesquisas de nossa Presidenta está sendo de forma lenta, pode ser que ganhe momento mais adiante.

Na última reunião da Rosenberg, realizada nesta semana, debatemos sobre os possíveis cenários econômicos caso Aécio Neves ou Eduardo Campos conquistem a Presidência. Nestes casos, parece ser mais fácil imaginar quais seriam seus passos, algo como um programa coerente do ponto de vista macro econômico. Porém muita dificuldade tivemos em traçar os passos de Dilma caso seja reeleita, vai prevalecer a lógica ou devemos esperar ações heterodoxas?

Assim do ponto de vista fundamental uma grande dúvida ficará à frente, ainda bem que não existe eleições nos gráficos! Hahahah.... Assim eu espero mais adiante, alta no dólar frente ao real.

- David, Como é que é, alta do dólar?
Sim, porque toda esta surpresa?

- Usando sua última mania de ... No post vírus-F3H8-está-se-espalhando comentou:  Existem duas possibilidades como pode-se ver no gráfico: A + Curta me parece mais provável, onde nos próximos dias um primeiro ataque aos R$ 2,20, em seguida R$ 2,18 para buscar os R$ 2,10; ou + Longa, onde ficaria num zig-zag, até buscar os mesmos níveis expostos acima, só que mais tarde ... Onde está a alta!
Ah, agora entendi, mas isto é o movimento no curto prazo, mais adiante não disse que continuaria caindo, venho afirmando que o real está numa correção, depois disso dólar para cima. Se eu estiver certo, que ainda estamos na correção, o difícil será estabelecer até quanto o USDBRL vai cair, o resto não temos compromisso nenhum com a compra ou venda de dólar, tão somente com o bolso, e só isso!

Quanto ao jogo em si, dou nota 8, mas por achar que a Croácia é um time fraco, não passando a ser um real teste. Mas tudo bem, este jogo era perigoso, pois todos os jogadores e o técnico, estavam visivelmente emocionados e tensos, isto tem que ser levado em consideração. Destaque para Oscar e David Luis, Neymar mostrou que é um craque, mas que ainda merece observação em seu lado emocional, vide a cotovelada desnecessária no Croata, e uma injustiça com Marcelo, que não teve nenhuma culpa no gol contra, a bola bateu no seu pé!

Já no campo dos juros, a Inglaterra deu o ponta pé inicial, Mark Carney Presidente do BOE, anunciou que os juros podem subir antes do projetado. Esta atitude pegou o mercado de surpresa e causou uma valorização da Libra, principalmente frente a região do euro, que está exatamente na contra mão, veja gráfico a seguir.

 Desde 2009 a Libra vem num movimento de alta e ganhou mais pulso a partir e 2013, embora minha visão do ponto de vista técnico, é que o euro vais subir em relação a Libra, vamos deixar isso para a hora certa.

Já os analistas que estão com um call positivo em relação aos USA, pegaram esta onda, para imaginar que o FED fará a mesma coisa, ou seja, vai antecipar sua projeção de altas de juros. Eu considero esta observação como "torcida", pois a economia Inglesa vem apresentando sinais de melhora mais consistentes que a americana.

Em ritmo de Copa do mundo o Wall Street Journal, publicou uma tabela onde é possível analisar qual é o Campeão Mundial segundo vários critérios, considerando os países que estão disputando no futebol. vVeja um exemplo abaixo, e caso tenham interesse, use o link a seguir WORLDCUP

 Dentre todas as categorias, existe pelo menos uma que o Brasil é o Campeão. O primeiro que encontrar, e só mandar que ganha 1 ano de assinatura grátis do mosca! Hahahaha.... Vamos Brasillllllllll..

A partir de agora, serão disputados pelo menos 3 jogos por dia, que delícia! E hoje tem um jogão Espanha x Holanda. Ainda bem, que o jogo do Brasil foi ontem, afinal, hoje é sexta-feira 13! Saia Bruxa......

O SP500 fechou a 1.936, com alta de 0,31%; o USDBRL a R$ 2,2241, sem variação; o EURUSD a 1,3542, sem variação; o ouro a US$ 1.276, com alta de 0,27%.
Fique ligado!

11 de junho de 2014

Vírus F3H8 está se espalhando

Vocês devem lembrar da gripe suína alguns anos atrás, que preocupou vários países, seu nome é Influenza H1N1. Inicialmente detectada no México em 2009. Desde de julho de 2009 a OMS elevou o nível de alerta de pandemia, indicando ampla transmissão em pelo menos 2 continentes, inclusive no Brasil. O mosca identificou um novo vírus que denominei de F3H8, que é sobre a contaminação da desesperança no mundo. Amanhã começa a Copa do Mundo e desde que me conheço por gente, nesta época via-se os carros e janelas de apartamentos com bandeiras brasileiras, há 10 anos atrás, neste momento, já estaria o maior Carnaval nas ruas, e nossos adversários não iam conseguir dormir  esta noite. Você viu alguma bandeira por aí?

Não acho que o problema seja o custo dos estádios, afinal a verdade é que o governo bancou um pedaço deste custo, o resto foi a iniciativa privada. Cumbica agora está com uma cara mais decente, e a imagem do país será vista nos 4 continentes, no mínimo tem um fator mercadológico. A principal razão é a insatisfação da população em relação ao governo, o que já se pode ver nas pesquisas de intenção de voto, parece que o 2º turno é muito provável. Mas este fenômeno acontece somente no Brasil? Veja a figura abaixo da percentagem de pessoas que avaliam que a situação econômica é ruim.


  Uma outra pesquisa perguntou aos pais se seus filhos estarão numa condição pior que eles no futuro.


Vejam que em relação ao Brasil, esta pesquisa não é tão negativa quanto nos outros países, mas eu avalio que está muito otimista, a chance de ser pior é grande.

- David, dá para explicar F3H8?
Você já viu algum vírus sem uma abreviatura? Hahahahah... Em vários posts eu comentei sobre dois fatores que vem atrapalhando os mercados de trabalho mundiais: O excesso criado pela inclusão da China e Índia; e o desenvolvimento tecnológico, e infelizmente, seus efeitos são lentos, demoram. Agora espero que nosso ex-futuro Minsitro Mantega, não use os dados deste post, pois na próxima má notícia dirá que o Brasil está sendo invadido por uma onda externa de insatisfação e que para combater, vai colocar um imposto para quem transmitir notícias ruins! Hahahah....

Ao observar os vários mercados que o mosca acompanha com mais frequência, não vi nada de muito interessante, mas em nossa posição de USDBRL gostaria de atualizar alguns pontos, ela está evoluindo de acordo com as expectativas. No post o-emprego-bateu-nos-centavos levantei os seguintes pontos: ...mas esta correção pode ser mais complexa, então precisamos que R$ 2,20 seja rompido, se isso acontecer vou ajustar o stoploss, e finalmente abaixo de R$ 2,18 abre-se a porta para a busca do tão "sofrido" R$ 2,10... Vejam desde então sua evolução.

Existem duas possibilidades como pode-se ver no gráfico: A + Curta me parece mais provável, onde nos próximos dias um primeiro ataque aos R$ 2,20, em seguida R$ 2,18 para buscar os R$ 2,10; ou + Longa, onde ficaria num zig-zag, até buscar os mesmos níveis expostos acima, só que mais tarde. Em todo caso, vamos atualizar o stoploss para o nível de entrada na posição, assim não corremos mais riscos de perda.

- David, não quer combinar com "alguém"?
Hum, deixe eu pensar, acho que neste momento é difícil, dependemos dos resultados da seleção, imagino assim: Se a seleção amanhã ganhar com folga e o pessoal ficar otimista, o + Curto pode prevalecer, se por outro lado der um empate ou mesmo perder, vamos para o mais longo e quando passar para a próxima fase o longo prevalece.

- David, e se o Brasil for desclassificado na primeira fase?
Stoploss! Hahahahaha.... 
Não é para levar a sério é sou um pouco de humor, num ambiente tão negativo.

O SP500 fechou a 1.943, com queda de 0,35%; o USDBRL a R$ 2,2326, com alta de 0,50%; o EURUSD a 1,3527, com queda de 0,15%; o ouro a US$ 1.260, sem variação.
Fique ligado!

10 de junho de 2014

O botão vermelho

O FED vem repetindo que, enquanto o mercado de trabalho não se normalizar e a inflação sair da zona que poderia desembocar numa deflação, não subirá os juros e ponto. No ano passado, Bernanke colocou uma meta para estas duas variáveis, deixando claro a intenção da autoridade monetária. Depois disso, como a taxa de desemprego se aproximava da meta e muitas dúvidas paira sobre o "estoque" de trabalhadores que saíram do mercado de trabalho nos últimos anos (participation rate), resolveram desvincular deste índice.

Acontece que periodicamente O FED divulga suas projeções para os principais indicadores econômicos. Vejamos o último publicado na reunião de março último.


Eu destaquei os parâmetros que são os principais na execução da política monetária, vamos começar pela taxa de desemprego, a mais recente encontra-se em 6,3% e é referente ao mês de abril, notem que já está dentro do limite esperado para o final de 2014; no front da inflação, embora o PCE, índice usado pelo FED não tenha se modificado muito, o CPI de abril apresentou uma elevação de 0,3% e o índice cheio encontra-se agora em 2,2% a.a. Como eu observei no post resistência-ao-antibiótica ...o PCE (em verde), ainda está com um nível bem abaixo dos outros, porém, se esta elevação observada ontem for consistente, é uma questão de tempo para que o mesmo suba ... E por último resta o PIB que até o momento não apresentou melhoras, mas também deve-se considerar que é publicado com atraso. 

Dentro do FED, existem vários membros que já estão desconfortáveis com os inúmeros helicópteros que estão no ar, e estes gostariam de retirar os estímulos mais rapidamente do que a Yellen deseja. Estes últimos dados vão dar mais suporte às suas ideias. Por outro lado, seria capaz de apostar que todos os membros não estão gostando do desempenho da bolsa americana, não que não fiquem felizes com sua alta, mas não vão querem ser taxados como os responsáveis por sua queda, caso a inflação saia de seu controle e sejam obrigados a subir os juros rapidamente, além de vários analistas acreditarem que já se observa uma bolha, em seu comportamento.

Assim, na próxima reunião do FOMC, no dia 18/06, Se eles comecem a retirar mais helicópteros que o programado? Nem será preciso mencionar os juros, pois o mercado vai entender rápido seu recado, estão prestes a apertar o botão vermelho.

Esta hipótese levanta 2 dúvidas: 1) É este o caso, e isto seria feito já nesta reunião, surpreendendo a maioria dos economistas? 2) O que aconteceria com os mercados?

A resposta a primeira pergunta é que acho difícil eles fazerem agora, pois não é a forma como o FED vem agindo nos últimos anos, todas as mudanças são bem telegrafadas com antecedência, porém podem sim, plantar esta ideia, bastando usar palavras diferentes no comunicado; A segunda pergunta é mais difícil, principalmente o que aconteceria com a bolsa, pois se por um lado é esperado que se normalize os níveis de juros, por outro lado ninguém sabe o quanto desta alta é por conta dos helicópteros.

Acredito que independente do que ocorrer nesta reunião, os próximos meses podem reservar surpresas inesperadas, basta por exemplo sair um artigo no Wall Street Journal citando que uma fonte do FED ... Ainda falta uma semana para esta reunião, mas seguramente este assunto será debatido nos próximos dias na imprensa, a volatilidade pode subir repentinamente, fiquem atentos.

Já que o assunto é bolsa, vou comentar sobre o IBOVESPA no post um-mundo-de-risco-zero  comentei: ...O intervalo de interesse é entre 47.000/48.500, o stoploss correto é à 45.000, porém não é esperado que caia muito abaixo dos 47.000. Como para chegar lá, existe uma queda de aproximadamente 10%, não vou ficar aqui tentando adivinhar a melhor tática... juntamente com o gráfico abaixo.

Eu estava esperando uma correção maior, num prazo maior, porém o índice caiu até 51.200 e está agora próximo das máximas de maio. Assim, sou obrigado a projetar uma outra possibilidade que está exposta abaixo.

- David, que papelão, esta passou pelas suas mãos!
Calma, não solte rojões, não sou comprador ainda, mas confesso que se esta correção foi a correção que eu esperava, foi muito mais fraca. O que fazer então? O intervalo entre 54.500 e 57.500, merece toda a atenção, diria que se você já quer especular, espere para um fechamento acima de 54.500 e compre um pouco, mas somente acima de 57.500 é mais seguro.

Sem querer me justificar, eu primeiro não estava vendido, e segundo procurava comprar mais barato, e isso é um pecado? No máximo posso ser acusado de pão duro! Hahahahh.... Em todo caso, se subir terão muitos pontos ainda para ganhar, o importante não é comprar na mínima, e sim comprar com mais segurança.

O SP500 fechou a 1.950, sem alteração; o USDBRL a R$ 2,270, sem lateração; o EURUSD a 1,3545, com queda de 0,35%; e o ouro a US$ 1.260, com alta de 0,70%.
Fique ligado!