Inflação: A Revanche

31 de outubro de 2013

Eis o X da questão

Quando aprendemos matemática na escola, a letra X era usada para designar a incógnita nos problemas. O protagonista hoje só poderia ser Eike_Batista, afinal é capa de todos os jornais, com a maior recuperação judicial da história da América Latina. Ele fundou as seguintes companhias : MMX, MPX, OGX, LLX, OSX, CCX, será que sua opção pela letra X nos nomes já não demonstrava, inconscientemente, que ele era a incógnita?

Mas como pode acontecer tamanho estouro? Vou tentar fazer uma avaliação de sua personalidade, vamos começar com o significado de Obsessão é uma mania, um pensamento fixo recorrente, do qual a pessoa somente consegue se libertar com ajuda profissional. Numa entrevista ao programa fantástico no final de 2011, e com um patrimônio avaliado na época em R$ 50 bilhões, disse a repórter que queria ser o homem mais rico do mundo até 2015 ... 2015, 2016. Você acha rápido? É muito tempo... Eu sou como um compositor que faz uma música. As minhas notas, por acaso, são dinheiro....

É óbvio que depois de ter dado este estouro, todos vão achar que ele era louco, bastava ver estas declarações acima, mas como tantos banqueiros e investidores dos mais qualificados caíram neste conto de fadas? Ganância! Não tenham dúvidas que ele é extremamente sedutor e para atrair este grupo seleto, pagou taxas elevadas. A partir daí criou-se um ciclo virtuoso temporário, mais recursos, maior valorização das ações, todos ganhavam.

Confesso que quando aquela entrevista foi ao ar, me acendeu uma luz amarela, pois pensei: Seu objetivo ultrapassou os negócios e passou a ser movido por vaidade, isto não é bom. Minha característica pragmática tirou várias oportunidades na minha vida profissional, mas por outro lado evitou grandes erros. Em 2012 eu postei $ -não-é-capim releiam, este caso é mais um de inúmeros outros que já aconteceram e vão acontecer. Ao comprar uma ação, procurem saber quem está gerindo a companhia. 

O Dow Jones, irmão mais velho do SP500! Hahahah... encontra-se totalmente indeciso neste últimos meses, veja no gráfico abaixo. Dá apara afirmar alguma tendência? Não!


No início do ano eu resolvi colocar uma chamada para identificar o que eu considerava ser o maior risco, assim todos os dias que vocês acessassem o blog não esqueceriam do grande perigo previsão-para-o-próximo-ano, o gráfico abaixo foi copiado para exemplificar a violência deste movimento.

Interessantemente, os gráficos acima apresentam muita semelhança em sua forma, embora contemplem prazos muito diferentes.

- David, errou feio!
Tenho consciência que perdi a oportunidade desta alta da bolsa, por enquanto nenhum sinal de perigo pode ser anunciado, por enquanto. Não vou me intimidar com sua provocação e nem por isso vou mudar de ponta, pois não tenho motivos. Se você me escolheu para te ajudar em suas decisões de investimento, veio junto o meu perfil mais prudente, não sou conservador, pelo menos é como eu me enxergo, talvez arrojado, pero no mucho.

O final do ano se aproxima e nada de HIT AND RUN. Bem o ano ainda não terminou mas por enquanto NO HIT AND RUN!

Hoje é Halloween, dia das bruxas, e o nosso governo soltou o relatório das contas públicas. O déficit foi de R$ 10,5 bilhões, muito acima de qualquer estimativa, assim o déficit nominal caminha para o nível, nada confortável, de 4% do PIB. A nossa Presidenta deve ter levado um susto, uma vez que quem deveria tomar conta disto, o Ministro Mantega, não deve estar muito preocupado, aposto que amanhã nos jornais vai menosprezar o fato, assim recai tudo no colo da Dilma...que fase!....Como não poderia deixar de ser, o USDBRL subiu forte 2,37%.

Eu venho alertando, há alguns dias,  para uma alta do dólar  e finalmente hoje o processo começou mais claramente, veja minhas observações no post conselhos-sábios-do-lula ... em correções tudo é possível, é importante analisar a evolução dos preços e corrigir se for necessário. Quanto a possibilidade colocada hoje, ela é função da "fraqueza" do dólar. Se você comprou o dólar, não estou sugerindo que caia fora, afinal a alta parece ser mais provável, fique com stop curtos... 

O gráfico acima é auto-explicativo, vou me envolver na venda do dólar entre R$ 2,30/R$ 2,34. Não fique impressionado com a notícia de hoje, precisava de um catalizador, o Brasil está muito longe de ter um problema que motivaria os estrangeiros a sair daqui. Elevação de deficit é ruim? Lógico, mas demora muito tempo para está percepção virar uma neura, e do lado positivo, vai dar chance de entrarmos na venda!

O SP500 fechou a 1.756, com baixa de 0,37%; o USDBRL a R$ 2,2390, com alta de 2,54%; o EURUSD a 1,3576, com queda de 1,16%; e o ouro a US$ 1.324, com baixa de 1,35%.
Para quem quiser fazer uma aposta no ouro, sugiro compra a US$ 1.310, com stoploss a US$ 1.280, eu explico melhor amanhã.
Fique ligado! 

30 de outubro de 2013

Dedo no gatilho

Na última reunião do FOMC o mercado ficou chocado com a decisão do Comitê, ao continuar com os helicópteros, todos consideravam barbada que iria diminuir. Como não aconteceu, de agora em diante nos dias que antecedem esta reunião, os investidores não querem saber de nada, somente aguardam o comunicado para decifrar a ideia da autoridade americana, e é o que se pode ver no noticiário hoje, os analistas dão os seus palpites, mas sem muita convicção, e caso seja diferente do esperado, estão com o dedo no gatilho.

Hoje foi publicado o CPI, índice de inflação ao consumidor, ele ficou em 0,2% no mês e na base anual a taxa caiu para 1,2% a.a., total estabilidade a níveis perigosamente baixos!

Enquanto eu e a torcida do Yankees, Manchester United e por que não do Corinthians, esperamos o resultado do Comitê, achei interessante a conclusão de um estudo, feito por Daniel Kahneman, premio Nobel de economia de 2001 ... O resultado obtido através de conselheiros financeiros, num período de oito anos, se parece mais com um jogo de dados.....

Declaração forte para um estudioso do assunto, mas o que está implícito é a imprevisibilidade sobre o futuro, muito diferente da crença dos analistas que se baseiam em análises fundamentalistas. Vamos aos gráficos, eles são "humildes" em aceitar prejuízos quando erramos.

Toda vez que vou falar sobre o euro, fico com a sensação que não vou acrescentar muita coisa, e aí vocês poderiam se perguntar o porquê da minha insistência, eu daria dois bons motivos, primeiro que é a moeda mais líquida depois do US$, trilhões negociados diariamente e segundo que está chegando à preços que me deixaram em alerta.

No post você-sabe-como-comprar-um-terno? eu escrevi ... se passar de 1,38, é muito provável que irá buscar 1,44/1,45, e aí uma venda será recomendável... Daqui em diante, finalmente, o euro passa a estar no meu radar para venda....


Bem, as duas premissas já foram completadas, o euro 'beliscou" 1,38, portanto do ponto de vista técnico missão cumprida, segundo daqui em diante o envolvimento do mosca será na venda, afinal todo mundo já acredita que a Europa não tem mais problemas, ou seja, os vendidos jogaram a toalha.

Não vou apostar contra agora, pois o único indicador foi o de ter atingido 1,38, os outros apontam novas altas, o míni retângulo em verde é o target, 1,43/1,45. Agora caso ele não pare e continue subindo, a região em vermelho passa a ser de alerta, mas é acima de 1,51 que eu vou ter que rever todos os meus cálculos.

- Pronto, está feliz? Você continua com a mesma mania de sempre,"se não cair vai subir"!
Eu entendo que é difícil mudar os costumes, estamos habituados a decidir em cima de um pensamento e não ter um plano B. Vamos usar os conselhos de Daniel Kahneman e aceitar que o futuro é imprevisível, e quando fazemos um investimento, ou melhor, uma aposta com boa probabilidade de ganhos, limitamos nossos prejuízos se as coisas não andarem como imaginamos.

Pronto, saiu a decisão do FED, continua tudo do jeito que está, mantem o nível de novos helicópteros, haja céu! Hahahaha.... o mercado foi a busca de diferenças, como no jogo dos sete erros. Alguns analistas  acreditam que a redução dos HL, virá em janeiro outros em março, até aí nenhuma novidade. Ah, antes que eu me esqueça, HL = helicópteros, acho que vou ter precisar por muito tempo! Porém o Comitê continuou deixando claro que depende dos próximos dados, então ..... segue o jogo!

O SP500 fechou a 1.763, com baixa de 0,49%; o USDBRL a R$ 2,1835, sem variação; o EURUSD a 1,3735, sem variação e o ouro a US$ 1.343, sem variação.
Fique ligado!

29 de outubro de 2013

Viciado em helicópteros

Parece que o mosca está fazendo um grande sucesso, desde a publicação do post e-a-festa-continua, um dia após o outro, mais e mais analistas apostam que para diminuir o número de helicópteros, somente depois de março, imagino que estão seguindo o blog.

- David, menos, menos...
Você já sabe bem que meu estilo é provocante com humor, pode deixar que não vou ficar embriagado pelo sucesso, afinal você é o meu lado pragmático, tachles! como se diz em idish, dialeto judaico.

Esta expectativa vem sendo baseada em percepções de que a economia não está uma Brastemp, alguns dados vem decepcionando no curto prazo, por exemplo, o mercado imobiliário nos USA.

O gráfico acima diz por si só, parece que as recentes altas nos juros acopladas a recuperação nos preços dos imóveis tiveram desta vez um impacto negativo. Do ponto de vista técnico, nuvens negras são apontadas para as ações deste segmento.


Está em formação (3), uma configuração semelhante a de 2007 (1), que culminou com uma das maiores crises da história recente. Este cenário é compatível com a queda dos juros longos que eu comentei no post crtl-alt-delete

Hoje está começando a reunião do FOMC de dois dias e amanhã serão anunciadas suas decisões. Os analistas não esperam nada de novo, como diria Milton Leite...segue com os helicópteros ... , porém ninguém espera que haja comentários da necessidade de aumento das aeronaves, seria um choque , acho que a bolsa levaria um tombo.

Eu fico pensando que o tempo está passando e cada vez mais o que está acontecendo nos USA, se assemelha a estagnação do Japão desde o inicio dos anos 90, prestes a completar suas bodas de prata, que com certeza não terá nenhuma comemoração. Porém, existem algumas diferenças importantes, e para pior: 1) O problema hoje não está localizado somente num país; 2) Estamos num período com grande inovação tecnológica com substituição do trabalho humano; 3) Utilizou-se helicópteros em todos os cantos.

Qualquer vício é prejudicial a saúde, começa gerando prazer e depois cria dependência, assim também uma economia não pode viver com estímulos ad infinitum. Tenho certeza que, uma pesquisa em Wall Street perguntado se os helicópteros poderiam ficar para sempre, a resposta seria um enorme NÃO, e não quero nem ouvir a resposta da pergunta seguinte, de quais seriam as consequências se isto se tornasse uma dependência. O George Washington estampado na cédula de dólar ficaria vermelho de raiva e mandaria tirar a frase in God we trust! Hahahahah.....

Desde que comecei a usar mais a fundo análise técnica, o meu número de trades caiu drasticamente, melhorando minha eficiência. Faz todo o sentido, uma vez que 35% do tempo os mercados tem uma tendência definida e 65% estão num movimento de correção, isto vale para quem opera no que se denomina day trade, ou para quem tem uma estratégia mais longa, que é o caso do mosca. 

No post japão-chocante, publiquei o gráfico abaixo do ouro, eu vislumbrava uma alta até US$ 1.350 e depois na correção, comprar.
O ouro chegou lá, mas veja como foi fraquinho! Isto me deixou um pouco menos animado, mas não tirou minha intenção de compra, pelo menos por enquanto.
As perspectivas de mais longo prazo ficam ainda em "banho maria", ou seja, sem a garantia de que um mínimo foi formado a US$ 1.180, let the market speak!

O SP500 fechou a 1.771, com alta de 0,56%; o USDBRL a R$ 2,1845, com alta de 0,23%; o EURUSD a 1,3742, com baixa de 0,30% e o ouro a US$ 1.344, com queda de 0,52%.
Fique ligado!

28 de outubro de 2013

Conselhos sábios do Lula

O mundo está se conscientizando da quantidade de escutas implementadas pelos USA, lideres de todo mundo sabem que seus telefones foram grampeados pelos americanos, e não estão gostando nada da história. É natural que a culpa recaia sobre seu Presidente, afinal a quem a Merkel deveria se queixar, ao chefe da National Security Agency?

Vocês devem lembrar que há alguns anos Obama se referiu a nosso Presidente Lula, como "o cara", e todos nós não entendemos bem os motivos, mas agora fica mais claro, ele deve ter dado algumas dicas de como se portar quando assuntos, que coloquem em cheque o governo, recaiam sobre suas costas. A conversa deve ter sido mais ou menos assim:

- O companheiro, deve ser difícil tocar um país como à América.
- Yes, muita pressão de todo lado, e sempre eu sou o responsável.
- Vou te dar uma dica que funciona muito bem na minha terra, diga que você não sabe de nada, e pronto!
- Ah, good ideia.

Pois é, Obama está usando e abusando desta técnica nos últimos tempos, no caso dos líderes Europeus disse: ... Estou chocado ao saber que o telefone de todo mundo foi grampeado.... Mr. Obama, come on!

Todo mês eu faço um breve comentário sobre nossas contas externas, na última sexta-feira foram publicados os dados relativos a setembro, que continuam se deteriorando, mas agora de uma forma mais lenta, o déficit em transações correntes atingiu $ 2,6 bilhões e o acumulado em 12 meses estabilizado na margem em $ 80,5 bilhões, representando um déficit de 3,6% do PIB. O vilão do mês foi a conta de serviços que atingiu $ 4,5 bilhões, causado principalmente pelas viagens internacionais, basta ir a Miami para sentir o peso dos brauscas, a loja GAP informou que nós somos o 2º principal cliente de sua rede naquela cidade, já a balança comercial deu um refresco apresentando um superavit de $ 2,1 bilhões, o que se é esperado nesta época do ano.


Do lado das entradas pelos investidores estrangeiros, o ritmo vem se mantendo estável, com entrada no mês de $4,8 bilhões, onde cada vez mais as aplicações em renda fixa vêm ganhando importância. O líquido em 12 meses permanece na casa dos $ 61,5 bilhões.

Este quadro deve ser mantido nos próximos meses, porém como nossos indicadores de endividamento externo são excelentes, se comparados aos outros países, aliado as elevadas reservas do país, não existe nenhuma fonte de preocupação.

Como o assunto foi contas externas, e o ouro não apresentou nada convincente até o momento, vamos espiar como o USDBRL vem se comportando. No post estado-semi-depressivo, disse que ficaria fora deste ativo, mesmo acreditando numa alta do dólar, no curto prazo, veja a seguir o gráfico postado.

Passados alguns dias, por enquanto está pior do que eu imaginava, e uma nova possibilidade surge, a de uma queda a níveis inferiores a R$ 2,14.

- David, você quer me deixar louco! Toda hora você muda?
Desculpa amigão, mas o compromisso é com o bolso, e em correções tudo é possível, é importante analisar a evolução dos preços e corrigir se for necessário. Quanto a possibilidade colocada hoje, ela é função da "fraqueza" do dólar. Se você comprou o dólar, não estou sugerindo que caia fora, afinal a alta parece ser mais provável, fique com stop curtos e reze um pouquinho mais! Hahahahah....

O SP500 fechou a 1.762, com alta de 0,13; o USDBRL a R$ 2,1795, com 0,34% de queda; o EURUSD a 1,3787, com queda de 0,12%; e o ouro a US$ 1.352, sem variação.
Fique ligado!

25 de outubro de 2013

Crtl Alt Delete

Uma empresa de consultoria, Medley Global Advisors, elaborou um relatório interessante ...O FED ao invés de estar estacionado em sua decisão de retirar os estímulos monetários, apertou o botão de reset e está de volta onde estava há seis meses atrás.... essa eventualidade é agora mais perigosa por causa dos sinais preocupantes que o impulso econômico esta desacelerando... Os dados de emprego deste mês ressaltou a tendencia de enfraquecimento que já estava em andamento, quando os membros do FOMC no mês passado, decidiram não implementar os cortes dos estímulos...Os dados já estavam piores antes da paralisação de outubro, ao contrário da aceleração esperada... a inflação está tão baixa que em breve poderá ser um assunto a preocupar mais o Comitê... Em resumo, o FED pode ter perdido a sua oportunidade de agir.

Um outro instituto de pesquisa, buscou avaliar os impactos da paralisação de outubro através de um índice semanal, utilizando vários indicadores publicados por empresas privadas e aí avaliar o impacto no emprego, veja a seguir.


Se este indicador se mostrar correto haverá uma queda substancial nos próximos dados de emprego, o que de certa forma é consistente como o raciocínio da Medley Global Advisors.
Vejam a seguir que o problema de emprego não é privilégio dos USA.
Para completar meu raciocínio desta sexta-feira, se existe um consenso no mercado é que a taxa de juros dos títulos longos americanos só pode subir, acho que não encontrei ninguém que acredita que possa cair, a não ser eu mesmo! Hahahahah.... e quem preparou o gráfico a seguir.
Parece complicado, mas vou explicar, inicialmente fixem-se nos movimentos indicados por 1, em azul representa um dado técnico sobre o posicionamento no mercado de juros, quanto mais elevado este indicador mais o mercado acredita que as taxas vão subir. Na parte superior em vermelho, a evolução destas taxas de juros, notem que a escala está invertida. O que este analista quer alertar, é que sempre que o indicador chega a extremos (parte inferior), as taxas de juros ao invés de subirem, caem . Em 2011, elas caíram de 4% a.a para 1,5% a.a.

Recentemente, grifado em 2, a situação parece muito semelhante ao que ocorreu no passado, indicando que no mínimo, um grande cuidado deve-se ter ao imaginar que as taxas só poderiam subir. Entretanto, se o desemprego decepcionar, uma inesperada queda de juros poderá ocorrer. Em relação a bolsa, eu fico em dúvida se esta possível queda (juros) incentivará novas compras, afinal mais helicópteros irão aos céus; ou o mercado vai ficar preocupado com o risco de deflação, desencadeando uma queda das bolsas.

Eu tenho a minha desconfiança, mas prefiro aguardar mais evidências, afinal não vou construir um cenário sobre hipóteses.


O que está foto dos Beatles está fazendo aqui? É para relatar sobre o lançamento do livro Tune In, numa série de três volumes, que se propõe a contar a história definitiva do grupo. Já está à venda na Amazon Tune-In-Beatles-These-Years.

O SP500 fechou a 1.759, com alta de 0,44%; o USDBRL a R$ 2,1870, com queda de 0,73%; o EURUSD a 1,3803, sem alteração e o ouro a US$ 1.351, com alta de 0,36%.
Fique ligado!

24 de outubro de 2013

Estado semi-depressivo

Quando eu tinha 17 anos, passei alguns meses apático. Nos finais de semana ficava assistindo TV numa televisão de 14" portátil colorida! Ualll.... Minha mãe tentava a todo custo me tirar daquela letargia, mas eu não tinha forças, assistia Silvio Santos que me ajudava a passar o tempo. Naquela época fazer terapia era coisa de louco, nem pensar. Hoje em dia, eu teria consciência, que estava a beira de uma depressão, mas alguma força interna ressurgiu e eu naturalmente saí deste estado.

Por que desta ideia? Porque é como parecer estar as economias no mundo, apáticas, pequenas melhoras e pioras, mas de longe nada parecido com o vigor dos anos 90, talvez tenham que passar ainda muitos anos, dezenas, para que voltemos a uma situação mais vigorante, os motivos principais seriam: Excesso de dívidas e demográfico, como diria aquela frase com sotaque japonês: ....Quem coroco, coroco, quem não coroco, não coroca mais! Hahahahah...

Neste período do mês são publicados os Purchasing_Managers_Index ao redor do mundo, e hoje alguns já foram publicados, inciamos com a China:

A chamada do artigo é de uma notícia boa, O mais elevado dos últimos 7 meses. E daí? É como se minha mãe ficasse contente, que depois de alguns finais de semana sem sair da cama, decidisse descer para comprar uma revista!

Agora na Europa a chamada foi: Europa ainda crescendo, veja você mesmo.


Não fosse a Alemanha para segurar o tranco, como será que estaria o velho mundo?

Um dos arquitetos do QE japonês, afirmou que está estratégia ajuda no curto prazo mas engessa a economia no longo prazo, o que diga-se de passagem, é exatamente o que vem acontecendo no Japão desde 1990. Sua afirmação baseia-se no fato de que quando o programa é implantado as taxas de juros caem muito mais, se comparadas com a hipótese de não fazer nada (t1), como consequência a economia se recupera antes. Mas em seguida, as taxas de juros se elevam, porque o mercado fica preocupado com a retirada de helicópteros, a demanda cai nos setores sensíveis como o automobilístico e imobiliário, forçando os Bancos Centrais a recuar.

O caso da minha adolescência, nos dias de hoje, eu buscaria um psiquiatra e provavelmente me receitaria um prozac da vida, para aliviar meu sofrimento. Mas será que o uso de medicamentos não seria igual ao uso dos helicópteros no mercado? Difícil responder, pois qualquer argumentação será pura especulação, mas uma coisa eu posso afirmar, minha recuperação foi muito mais saudável, e talvez não seja o que acontece na economia com o uso de helicópteros.

No post e-a-festa-continua, eu descrevi os motivos que imagino, para que os BC´s continuem com os helicópteros e afins, veja algumas reações recentes: 1) Bank of Canada retirou do seu discurso, a necessidade de alta dos juros; 2) Noruega e Suécia decidiram manter os juros nos níveis atuais; 3) Hungria e Chile baixaram os juros; 4) Banco Central do Brasil resolve interromper o ciclo de alta! Opa inside information? Hahahahha.... pegadinha.

Parece que minhas idéias sobre o USDBRL estão em andamento excesso-de-dividas, e agora, no processo de recuperação do dólar, meu objetivo é o intervalo entre R$ 2,30/R$ 2,34.

- David, então vamos a compra, no momento está a R$ 2,20, e dá para faturar uns 4% a 6%.
Não me animo!
- Perdeu a coragem?
Olha o gráfico abaixo.
A linha verde é como eu imagino uma onda B "teimosa", lógico que eu não tenho a menor pretensão de saber como será a sua forma, mas o esperado são idas e vindas, e existe uma chance de perder o momento de venda do dólar mais adiante por teimosa, esperando que suba mais um pouco. Não vou entrar!

O SP500 fechou a 1.752, com alta de 0,33%; o USDBRL a R$ 2,2035, com alta de 0,72%; o EURUSD a 1,3801, com alta de 0,20% e o ouro a US$ 1.346, com alta de 1,08%.
Fique ligado!

23 de outubro de 2013

Excesso de dívidas

Queria fazer uma retificação na informação postada ontem e-festa-continua, quando comentei sobre as reuniões do FOMC, eu disse que a próxima seria nos dias 15/16 de dezembro, quando na verdade será nos dias 29/30 de outubro, este fato não muda meu raciocínio, uma vez que não se espera nenhuma mudança no curto prazo, em função das paralisações de outubro.

Gostaria de aproveitar para comentar o relatório da Gavekal, empresa de pesquisa altamente conceituada, que têm uma visão diferente da minha, e de boa parte do mercado. Eles imaginam que o fato de o FED não ter retirado os helicópteros em setembro, foi por que o mercado interpretou erroneamente os sinais anteriores do FED, pois em sua visão, a autoridade americana sempre deixou claro que a retirada depende dos dados econômicos, e que Bernanke em setembro fez exatamente o que prometeu.

Usando esta premissa eles acreditam que é pouco provável que em dezembro haja qualquer mudança, mas não impossível, pois em sua leitura os dados de emprego publicados ontem não foram tão ruins, uma vez que a taxa de desemprego caiu para 7,2% e 600.000 empregados foram transferidos de trabalho parcial, para integral, além do fato, que as revisões estão sempre apontado para cima.


Acreditam também, que os políticos devem chegar a um acordo já em dezembro, virando o ano com este problema fora da agenda, assim Bernanke ao invés de deixar a batata quente para a Yelen, terminaria seu mandato com o reconhecimento que deixou tudo preparado para a retirada dos helicópteros.

Com exceção da costura política, que é imprevisível, o restante de seus argumentos faz sentido, vamos acompanhar os próximos capítulos desta novela, que está precisando de um Felix para imaginar soluções mirabolantes! Hahahahah....

Comenta-se que o processo de desalavancagem em várias regiões do planeta vem avançando nos últimos anos, diminuindo os riscos do sistema contra fatores exógenos. Entretanto na China, publicou-se hoje, que o Industrial & Commercial Bank of China, e seu quarto maior rival, baixaram nos seis meses deste ano, $ 3,65 bilhões de créditos em liquidação, uma cifra três vezes superior a do ano anterior. Isto foi suficiente para azedar o humor na região, fazendo com que as bolsas fechassem no negativo.

A dívida sobre o PIB, excluindo o governo e as financeiras, atingiu 207%, uma vez que o crescimento da mesma tem sido superior aos ganhos de produtividade, o que deixa os investidores preocupados com o crescimento de créditos ruins.

Outro local que o crédito vem crescendo continuamente é na bolsa de valores americana. Eu já comentei anteriormente que existe uma forma de comprar ações com crédito, a operação funciona da seguinte forma: o investidor, ou melhor, especulador ...Hahahah..., abre uma conta chamada de margin account, onde deposita $ 20(*) e isto lhe dá direito a comprar $ 100 em ações, se a bolsa sobe fica numa boa e sua alavancagem vai diminuindo, porém se cai, ou ele deposita mais dinheiro, ou suas ações vão ser vendidas para equalizar sua conta, daí em diante vocês podem imaginar. Veja a seguir, o gráfico onde compara o valor liquido da posição dos clientes e a evolução do SP500.
(*) - Os valores foram colocados para fins explicativos, não tendo relação com os dados reais.

É inegável que existe uma relação e notem que estamos no recorde histórico, isto não significa que a bolsa vai cair amanhã, mais está ficando muito perigoso, qualquer problema pode desencadear uma venda maciça que seria turbinada pela liquidação destas posições. Alguém falou onda C?

A situação está ficando complicada para o real, desde de o dia 07 de outubro ele está contido na região apontada abaixo.
No post inveja eu destaquei ...o que se considera um movimento terminal ...eu espero uma correção mais expressiva que a apontada antes, de R$ 2,27/R$ 2,29, por enquanto não dá para calcular. O que eu sugiro é uma operação muito especulativa que seria a compra de USDBRL, o nível não é muito claro, diria entre R$ 2,14/R$ 2,10. 

Do ponto de vista técnico é possível afirmar que esta primeira queda, de R$ 2,45 até R$ 2,15, está completa, seria mais "bonito" no intervalo apontado acima, mas nem sempre acontece do jeito que se imagina, além do que, alguns indicadores já apontam a esperada exaustão. Vocês poderiam me peguntar porque não me aventuro numa compra agora, afinal ainda teria um bom ganho se subir até R$ 2,34, a reposta é que eu odeio ondas B, elas são muito traiçoeiras, normalmente andam 2 passos à frente para repentinamente recuar 1 a 1,5.

Só vou entrar se o real chegar naqueles níveis de R$ 2,10/R$ 2,14, e se subir daqui em diante vou observar a tortura, para quem se aventurar boa sorte! Em todo caso, a definição não deve passar de 24/48 horas, a partir daí posso calcular melhor o intervalo que poderá ser atingido.

O SP500 fechou a 1.746, com queda de 0,47%; o USDBRL a R$ 2,1878, com alta de 0,73%; o EURUSD a 1,3778, sem alteração e o ouro a US$ 1.333, com queda de 0,51%.
Fique ligado!

22 de outubro de 2013

E a festa continua

Ontem comentei sobre a publicação dos dados de emprego hoje, e não que eu queira menosprezar esta informação, longe disso, mas a não ser que seja um número que choque, me parece que o mercado está mais propenso a voltar à farra.

Depois da ducha de água fria do FED, recentemente, dizendo que os helicópteros ficam, e passada a encenação ridícula do Congresso americano, está cada dia mais claro, que a retirada dos helicópteros deverá ficar para março do próximo ano, no mínimo. Veja meu raciocínio, a próxima reunião do FOMC será dia 15/16 de dezembro, todos estarão preocupados com o Natal e os dados sofrerão influência da parada do Governo, depois disso 28/29 de janeiro, até lá Bernanke estará preocupado em terminar seu mandato com chave de ouro, deixando a batata quente na mão da Yellen, e depois 18/19 de março, onde tudo pode acontecer. Estamos falando de 5 meses a partir de hoje, é bastante tempo.

É provável que os mercados de risco, e aqui estou pensando na bolsa, continuem sua ascensão, levando a níveis perigosamente elevados, não aguentando o menor desaforo, o dólar deve continuar em queda, contra todas as moedas, ou seja, uma continuação do que vinha acontecendo antes de maio deste ano.

O BCE vem passando por uma situação sui generis, pois enquanto seus "concorrentes", diga-se o FED e BOJ, vêm usando e abusando dos helicópteros, na Europa os bancos vem repagando os empréstimos feitos pelo BCE aos mesmos, cujo prazo original de vencimento se iniciaria no final de 2014. Em outras palavras, enquanto o balanço dos BC's vem se expandindo o do BCE vem se contraindo, podendo ser a causa da elevação das cotações do euro, e lógico o gráfico! Hahahahah....

O que será que o nosso BC vai fazer, continuar subindo os juros sem parar até chegar a 11% a.a., ou dar uma segurada, haja visto que o dólar está caindo por todo canto, o petróleo no exterior deu uma acalmada, a inflação aqui está alta mas não explodindo, a volatilidade em geral está bem comportada, e os juros no mundo recuando? Estou com a impressão que eles podem dar uma parada, mas enfatizam no relatório que, estão muito vigilantes e qualquer sinal de alta da inflação retomam o ciclo de alta. Faz sentido?

Eu venho com um call de venda de dólar contra o real já algum tempo, e vocês não devem ter dúvidas que eu não tinha inside information, então como que os gráficos anteviram isto? PREÇO! Tudo tem um preço e o céu não é o limite, lembrem-se que de maio até agosto todo o mercado apostava que a retirada dos helicópteros era questão de dias e que isso seria suficiente para uma debandada dos investidores das posições construídas nos últimos anos, contra o dólar, e quando todo o mercado já está apostado naquela direção, e muito provável que os preços caminhem em sentido inverso. Como dizia meu ex-sócio na Linear....Preço não leva desaforo!...

Hoje minha análise de mercado será sobre o Ibovespa, depois do alarde sobre o leilão de Libra, que sem dúvida, é uma reserva gigante de petróleo, as ações da Petrobrás tiveram um dia de glória ontem, subindo mais de 5%, como ela tem um peso grande sobre o índice Bovespa afetou também sua cotação. Já fazia um tempo que não publicava a comparação entre as ações da Exxon e da Petrobras, veja a seguir.

Se dá para vislumbrar algo de positivo, é que o diferencial parou de aumentar e só isso por enquanto. Quanto ao leilão, onde existe leilão com um só grupo? Foi um sucesso?

No post ressaca-nos-mercados eu apontei para a possibilidade deste índice atingir 60.000 e parece que caminhamos para lá. Depois disso, não compro e não vendo.

David, como assim, vai desistir de acompanhar depois de tão pouco tempo?
Hahahahah.... boa, deu esta impressão, o que eu quis dizer, e que não tenho ideia, ainda, do que pode acontecer com o Ibovespa depois disso, e como as possibilidades são muitas, prefiro esperar para ver como ele vai chegar lá, e seu desempenho posterior.

Foram publicados os dados de emprego, e vou repetir a chamada do Wall Street Journal ...US employers added only 148.000 jobs in September (grifo meu)...Já deu para perceber qual o tom dado pelo mercado, mas a queda da taxa de desemprego para 7,2% não foi dado nenhum destaque, sabe por que? Porque cada vez menos americanos estão procurando empregos. A reação inicial do mercado foi a lógica, e consistente como o que escrevi acima, a festa continua!

Em relação ao trade de ouro que eu citei ontem japão-chocante, o metal negociou acima de US$ 1.325, o que altera meus parâmetros, o mercado é de alta, e vamos buscar comprar na retração que deve vir em seguida, por enquanto só isto dá para afirmar, os níveis vocês vão ter que aguardar meus comentários aqui.

O SP500 fechou a 1.754, com alta de 0,57%; o USDBRL a R$ 2,1720, sem variação; o EURUSD a 1,3782, com alta de 0,73% e o ouro a US$ 1.339, com alta de 1,85%.
Fique ligado!

21 de outubro de 2013

Japão: Chocante!

Esta semana promete algumas emoções, os funcionários do governo americano, responsáveis pela publicação dos dados econômicos, vão correr para tirar o atraso. Amanhã será publicado o tão esperado dado de emprego, que excepcionalmente neste mês, não deverá ter um grande impacto, afinal já perdeu sua validade. Enquanto isso os mercados permanecem em compasso de espera, sem muitas oscilações.

Hoje vou comentar sobre um assunto que não tem a ver com mercados, ou melhor, não tem impacto no curto prazo, mas o título no mínimo me intrigou ...Por que os jovens no Japão pararam de fazer sexo.... Como assim eu me perguntei? e fui verificar os motivos. Os japoneses, com idade inferior a 40 anos, estão perdendo o interesse em relações convencionais. Milhões não estão nem namorando, e um número crescente não quer nem ser incomodado com sexo. Para o governo, a "síndrome do celibato", é parte de uma catástrofe nacional iminente.

Um número crescente de jovens mulheres japonesas (45%), com idade entre 16-24 anos não estão interessadas em contato sexual. Será que o Japão está oferecendo um vislumbre do futuro de todos nós? Muitas dessas mudanças lá, já estão ocorrendo em outros países avançados. Uma consultora sentimental acredita que o país experimenta "uma fuga da intimidade humana", e acredita que o governos tem parte desta culpa.

O número de pessoas solteiras atingiu um recorde. Uma pesquisa concluiu que 61% dos homens solteiros e 49% das mulheres, entre 18-34, não estão em nenhum tipo de relação romântica, um crescimento de mais de 10% nos últimos 5 anos. Um outro estudo encontrou que um terço das pessoas com menos de 30 anos nunca namorou Nunca? (minha colocação).

As explicações dos entrevistados são de caráter econômico, os homens em meio a recessão e salários instáveis sentem a pressão de formar uma família, assim eles rejeitam a busca de carreiras e sucesso romântico, preferindo não correr estes riscos. Outro fator que pode estar originando esta situação, é o que eles denominaram de "Pot Noodle love" a gratificação fácil ou imediata, na forma de sexo casual, encontros relâmpagos e os habituais suspeitos tecnológicos: pornografia on-line, namorada virtual e desenhos animados do anime.

A realidade é que um país com  126 milhões de habitantes, que diminuiu na última década, projeta despencar 1/3 de sua população até 2060. Assim o Japão irá perdendo sua importância como potencia econômica, e ficara mais vulnerável a ataques de seus vizinhos.
Fiquei chocado!

Vamos voltar aos mercados, hoje vou propor um trade de curtíssimo  prazo no ouro, como havia prometido no post acordo-meia-boca, é para dar apenas um "belisco", e se você não quiser se envolver agora, vai ter oportunidade mais adiante. Veja a figura a seguir:

A ideia é comprar caso o ouro atingia o nível de US$ 1.305 para um target de US$ 1.350 e um stoploss a US$ 1.285, um risco x retorno justo! Agora muito cuidado, se por acaso não cair ao nível desejado e começar a negociar acima de US$ 1.325, não faça nada.

David, eu te pergunto, já combinou com os Indianos? Você não acha meio complicado o que está propondo?
E quem falou que ganhar é simples? Não é complicado, mas tem que ser rápido no gatilho, mas se você não consegue implementar, pode aguardar conforme mencionei acima, este trade é só um aperitivo! Hahahahah....

O SP500 fechou a 1.744, sem variação, o USDBRL a R$ 2,1740, com alta de 0,25%; o EURUSD a 1,3679, sem variação e o ouro a US$ 1.314, sem variação. Está faltando animação aos mercados?
Fique ligado!

18 de outubro de 2013

Inveja

A inveja é um sentimento muito destrutivo, não para o invejado mas para o invejando. É normal a competição entre os indivíduos, afinal vivemos neste tipo de ambiente desde os tempos de escola até a vida mais adulta. A forma mais comum é  a financeira, mas não se exclue a intelectual. Como na história infantil da Branca de Neve, quando a bruxa quebrou o seu espelho porque não recebeu a resposta que queria, assim também agem os homens.

Já fazia um bom tempo que nosso Ministro das Finanças, Guido Mantega, não vinha a publico, mas ontem encerrou este curto período e "meteu o pau" nos economistas do ex-presidente Fernando Henrique. O motivo de sua ira foi uma entrevista que Armínio Fraga, ex-presidente do BC brasileiro, deu ao jornal Estado de São Paulo, onde fez duras críticas ao governo atual, citando que ...O Brasil vive, de uns seis a sete anos para cá, um modelo diferente do que prevaleceu nos doze anos anteriores... Nosso Ministro não aguentou e saiu a campo para se defender, mas ao invés de citar o que de bom tem feito, criticou os erros da gestão passada.

Não fosse o escorregão da revista Economist há alguns meses atrás, talvez sua defesa hoje seria como ex-Ministro, mas a presidenta resolveu mantê-lo no cargo. Além do conteúdo de suas críticas a sua forma foi muita agressiva, veja um trecho de sua explanação... Não dá para alguém que foi do governo, e teve uma inflação de 8,77% no período dele à frente do BC, dizer que temos inflação alta. Ele trouxe esse sistema de metas para o Brasil, mas não cumpriu...

Eu não estou aqui para defender ninguém, afinal tenho que ter uma posição neutra, mas diferente de nosso Ministro eu admiro, e muito, Armínio Fraga. Para quem não conhece veja seu profile no link a seguir Fraga, é para ter muito orgulho de um brasileiro assim, agora veja a do Ministro Mantega. E aí dá para notar a diferença? Além do mais Fraga foi um dos gestores do fundo de George Soros, e atualmente seu fundo Gávea, foi adquirido pelo maior Banco do mundo JPMorgan, enquanto Mantega nunca geriu nem uma micro empresa.

Em relação aos argumentos de sua defesa, não vou nem entrar nos detalhes, só lembraria que a situação passada era muito, muito diferente da atual, o Brasil saía de um período longo de inflação elevadíssima e reservas muito baixas e mesmo assim, graças ao trabalho de Armínio Fraga, hoje o Brasil está onde está. Agora a pior declaração foi que se os tucanos estivessem à frente da economia brasileira durante a explosão da crise mundial, em 2008, o Brasil teria quebrado. Ministro o Sr. se esqueceu que o presidente do BC na época era Henrique Meireles, que atuou de forma brilhante para evitar a crise? E que o Sr. era ferrenho crítico de seu trabalho?

As declarações feitas por Mantega interessam à empresários e economistas em geral, e neste grupo tenho presenciado comentários não muito positivos sobre a sua conduta da política econômica , para se dizer pouco. No post fachh-favor comentei sobre como meu paí se expressava quando ficava indignado numa situação, falando de uma forma errada em português, faça-me um favor.

Hoje vou repetir o que meu pai diria: Sr. Ministro, fachh favor!

Será que algum dia o mosca vai poder ser substituído por um Robot?
- David seria ótimo, assim não teria que ler estas suas "historinhas" e iria acertar 100% na mosca! Hahahah.... Não fique magoado é brincadeira...
Por outro lado, você entraria em depressão, pois a quem iria cutucar?  O motivo da pergunta é que o JP Morgan testou um modelo simples: Mensalmente escolheu as duas moedas que tiveram a pior performance contra o dólar nos últimos 4 meses e comprou ações do índice destes países, depois escolheu as duas moedas com melhor performance neste mesmo período e vendeu o índice de bolsa destes países, repita o processo a cada mês. Quer ver o resultado simulando desde 1997?

Impressionante! Tirando alguns períodos cujo retorno ficou estacionado, desde 2008 acelerou bastante, qual seria o motivo? As exportações de países, cujas moedas ficam mais depreciadas tendem a se elevar, enquanto que nos países onde houve uma apreciação, deve acontecer ao contrário. 
É natural que precisaríamos mais detalhes desta simulação, como quais países entram na seleção, qual o tamanho de cada operação e etc... Mas como todo modelo funciona até a hora que dá tudo errado, basta pegar a situação de Zimbábue quando passou por uma hiperinflação de 500.000%, este caso, destruiria este track record.


No post que-fase alertei para a possibilidade do dólar subir em relação ao real.... Se você está vendido em dólar acho que vai passar por um calor, pois caso o USDBRL não prossiga em seu movimento de queda, e rápido, vai buscar a cotação de R$ 2,27/2,29, aí sim eu me envolveria numa operação de venda do dólar. Daqui há alguns dias conversamos....Bem vamos conversar, o mercado está evoluindo de uma forma diferente da que eu imaginava e assim vou fazer algumas alterações.

Eu destaquei em vermelho o que se considera um movimento terminal, como se fosse uma panela de pressão, depois de terminado, eu espero uma correção mais expressiva que a apontada antes, de R$ 2,27/R$ 2,29, por enquanto não dá para calcular. O que eu sugiro é uma operação muito especulativa que seria a compra de USDBRL, o nível não é muito claro, diria entre R$ 2,14/R$ 2,10.

Quero deixar claro que é um trade arriscado por dois motivos, primeiro que você estará operando uma mini onda B, conhecida como destruidora de lucros onde tudo pode acontecer, e segundo que como os juros em reais são elevados, o movimento não pode ser lento, senão o carry pode levar parte importante de seu resultado. It´s up to you! Eu estou estudando entrar mas com um dedo no gatilho.

O SP500 fechou a 1.744, com alta de 0,65%; o USDBRL a R$ 2,1749, com alta de 1,02%; o EURUSD a 1,3685, sem variação e o ouro a US$ 1.315, com queda de 0,26%.
Fique ligado!

17 de outubro de 2013

Acordo "meia boca"

Como era largamente esperado, e depois de vários mise en scène, de ambos os partidos e principalmente do presidente Obama, foi costurado um acordo para evitar o default da dívida americana. É uma situação tão absurda que o colunista do Financial Times, Martin Wolf, denominou como uma ...uma bomba atômica apontada para o próprio USA ...um  mega harakiri a la ocidental! Ainda neste artigo, dois professores da Cornell University explicaram  as alternativas do Obama ...Criaria um trilema para o presidente: Ignorar o teto de endividamento e emitir novos títulos unilateralmente, usurpando  o poder de captação do Congresso; ou cortar os gastos unilateralmente, usurpando o poder de gastos do Congresso; ou elevar os impostos unilateralmente, usurpando o poder de tributação do Congresso. Logo, um teto obrigaria o presidente a violar sua obrigação para que a leis sejam executadas fielmente....

Em todo caso o acordo foi uma ótima notícia, afinal as consequências são inimagináveis, mas a boa notícia não é o resultado de uma solução que reconcilia, ao contrário, o que emergiu foram medidas paliativas em função da pressão interna e externa, pois o governo será financiado até o dia 15 de janeiro e o teto da dívida adiado até 7 de fevereiro.

Depois das recentes comemorações do mercado, ao se evitar uma catástrofe, em breve vão se juntar ao FED para avaliar o estrago causado. A primeira reação será de que foi temporário e daqui em diante bola para frente, mas as experiências do passado indicam que as negociações serão muito difíceis, e daqui a pouco o Congresso estará se aproximando das eleições de Novembro de 2014.

Não deve-se ficar surpreso que tanto as empresas como os indivíduos poderão postergar algumas decisões importantes, alguns optando por posições mais conservadoras, isto implica em riscos de menor consumo, diminuição na contratação e menos investimentos em fábricas e equipamentos. Já os estrangeiros, que detêm parcela enorme da dívida americana foram surpreendidos pela irresponsabilidade, ou imprudência do Congresso, levantando ideias de diversificação de suas reservas além do dólar.


A reação imediata aos anúncios foi uma desvalorização do dólar frente a todas as moedas, inclusive as emergentes, queda dos juros dos títulos americanos e alta das bolsas, ou seja, de certa forma coerentes com a análise acima. Conclusão: Foi um acordo temporário, aliviando o período de festas de fim de ano, uma "meia boca"!

Mais uma vez a análise técnica deu bons insights do que fazer, e o que não fazer. No post a-negociação-continua eu fiz uma análise sobre o ouro e veja meus comentários .... 
- David, acho que já estou entendendo este "negócio" de análise técnica, agora é só vender, certo?
Amigão não é tão simples assim, não é porque caiu vai cair mais! Eu diria que só escapamos de mais uma das armadilhas que as correções nos colocam. Não dá para afirmar ainda que o ouro vai continuar seu movimento de queda iniciado há dois anos, quando atingiu a máxima de US$ 1.920, somente abaixo de US$ 1.180. Por enquanto vamos observar o que acontece se o ouro for a US$ 1.250, se rompido aumentam as chances de novas quedas, senão sou capaz até de arriscar uma nova compra, mas é só um palpite.... Eu grifei o texto para enfatizar, veja o que ocorreu desde então.



Parece que o mercado leu o mosca! Hahahahaha....., mas o ouro parou exatamente nos US$ 1.250 e daí subiu mais de US$ 70.

- Eh David, está se achando, mas não ganhou nenhum tostão com isso!
É verdade, mas não perdi nenhum, como deve ter acontecido com uma parte do mercado que vislumbrava o metal abaixo de U$ 1.100 no curto prazo. Mas agora vamos comprar, espero um preço melhor para entrar, vou pagar mais caro e daí? Isto é ser pragmático e não ficar se lamentado que perdeu o bumbum da mosca. Eu venho enfatizando que existem duas formas para fazer uma posição, a primeira é ir contra o mercado, num ponto em que exite uma boa chance do mercado mudar de direção, ou aguardar o movimento de reversão e entrar à um preço mais elevado.

Agora imaginem se vocês estivessem vendidos, agora estariam na torcida para não serem estopados, e com uma grande chance de ficar "teimando" contra! Nós vamos às compras, pois aumentou a chance  do ouro ir acima de US$ 1.450. Posso estar errado? Lógico, mas meu stop vai ser na pior das hipóteses a US$ 1.250.

O SP500 fechou a 1.733, com alta de 0,67%; o USDBRL a R$ 2,1520, com baixa de 1,09%; o EURUSD a 1,3675, com alta de 1,09% e o ouro a US$ 1.319, com alta de 2,90%.
Fique ligado!

16 de outubro de 2013

Semi intensiva

Quando uma pessoa é hospitalizada e encaminhada para a UTI a situação é grave, pois todos os cuidados são necessários para evitar sua morte, existe também uma condição intermediária a semi-intensiva. Isto é suficiente para baixar a guarda? De jeito nenhum normalmente é uma situação onde a maior chance seria o retorno a condição normal, mas as coisas podem complicar e o retorno a UTI poderá ser necessário.

Esta é minha visão em relação a economia americana, melhorou, mais ainda está muito frágil, e qualquer fator exógeno pode recolocá-la novamente na UTI. Acompanhar o consumo é fundamental para um bom diagnóstico, pois embora o setor Imobiliário, as exportações e Investimentos, mostrem sinais de melhora, se o consumo não reagir dificilmente seu crescimento deve ser robusto, afinal representa 70% do PIB.


Notem que no gráfico acima, das vendas no varejo, apresenta nos últimos anos uma desaceleração lenta, e muito diferente de outras situações mais antigas, onde houveram movimentos mais bruscos de alta e baixa, agora parece sem "força". Os motivos eu expus aqui em diversas ocasiões, e pode-se resumir: Numa deterioração dos rendimentos médios dos americanos; aumento do preço da energia; e recente elevação dos juros.

- David, a solução seria deixar os helicópteros sem data de termino?
Parece que vai ser esta a política que será seguida pela Yelen, mas entenda que isto acarreta, de uma certa forma, em socializar uma economia de mercado, pois cada vez que o FED injeta US$ 85,0 bilhões por mês, seu balanço cresce, e não é para menos que ele detêm mais de 25% da dívida emitida pelo tesouro. Assim, como ninguém deve permanecer o resto de sua vida na semi intensiva, não é saudável depender dos helicópteros, agora quanto tempo eles podem ser necessários ninguém consegue responder.

No começo deste ano alertei para a ameaça da onda C previsão-para-o-próximo-ano, veja meus comentários lá, acrescido do gráfico do SP500 ...Por enquanto não consigo dizer se a onda B já terminou ou não, precisaria mais evidências que ainda não estão presentes. Nestas situações pode-se usar duas táticas, ou vende-se num determinado preço quando atingido, com um stop curto, ou aguardamos uma formação mínima de baixa, para vender depois. Como no primeiro caso os níveis são superiores ao do segundo, se houver prejuízo é menor. Não tem a melhor forma, tem aquela que se adéqua melhor a cada um... 

Não sei qual das minhas recomendações você usou, mas nas diversas vezes que comentei sobre este índice, não identifiquei em nenhum momento a formação mínima de baixa para vender, apenas algumas ameaças. 


Como podem ver acima o SP500 avançou durante o ano e o VIX, índice que mede a volatilidade, permaneceu bem comportado, a onda B mantém a sua cateterística de destruidora de lucros!

O SP500 fechou a 1.721, com alta de 1,38%; o USDBRL a R$ 2,1757, sem alteração; o EURUSD a 1,3528, sem alteração e o ouro a US$ 1.280, sem alteração.
Fique ligado!

15 de outubro de 2013

Que fase!


Hoje o conteúdo do mosca será reduzido, em função da minha participação no evento patrocinado pelo Banco Goldman Sachs, com o economista chefe para mercados emergentes, Paulo leme. Depois de algumas lamentações quanto a seu call de compra de dólar contra o real, iniciou sua exposição. Confesso que a maior parte da palestra eram de informações que eu já conhecia.

Sua opinião é de uma piora no ambiente econômico para o Brasil, sugerindo a venda de ativos brasileiros de "cabo a rabo", uma verdadeira liquidação, o fator principal, seria a retirada dos helicópteros pelo FED. É verdade que a indicação da Yelen deve postergar um pouco esta ação, mas se as condições monetárias se normalizarem, os investimentos no Brasil seriam afetados.

Depois comentou sobre a reunião do FMI neste último final de semana, e a revisão para baixo do crescimento, principalmente dos países emergentes, China, Índia e Brasil. Enfatizou a importância do acordo que está sendo costurado em Washington para empurrar a decisão do teto da dívida para fevereiro.

Talvez pelo fato de ouvir e raciocinar com mais tranquilidade me propiciou uma frustração. De certa forma parece com meu time, o Santos que tem bons jogadores, uns mais antigos outros mais jovens, mas até aí confiar que o time vai estar dentro do G4 para participar da Libertadores no próximo ano, tem uma longa distância, da mesma forma a economia mundial, não está à beira de uma deflação, mas longe de ter um cenário otimista. Como diria o comentarista de futebol, Milton Leite, que fase! Ou ainda mesmo, de uma forma irônica, que beleeeza!!!!

- David, como você encarou a previsão dele, uma vez que você acredita que o dólar irá se desvalorizar perante ao real?
Talvez minha primeira reação foi negar, mas com o passar do tempo entendi seus fundamentos, que fazem sentido, mas não é o que os gráficos me dizem agora.  Lembrei do post de ontem fundamento-pragmático, e se eu estiver correto, ele terá que se lamentar novamente no próximo encontro, pois não sou comprador de dólar a R$ 2,17. Quanto a taxa SELIC a sua projeção é de mais dois aumentos de 0,50% para atingir 10,50% a.a., não muito diferente do call da Rosenberg.

Tudo isso me faz crer que os helicópteros deverão continuar por muito mais tempo, e se assim for, acho difícil que os juros dos papéis longos americanos voltem a subir no curto prazo, colocaria um teto máximo de 3,10% a.a., talvez num espasmo de otimismo, mas acredito ser mais provável ficar abaixo de 2,5% a.a.

Eu estou ficando desconfiado do USDBRL no curto prazo, no post pessoas-inteligentes eu observei...  Agora, tecnicamente, os vendidos em dólar estão "empurrando" a cotação para baixo de R$ 2,18, se não conseguirem, uma nova oportunidade de venda do dólar irá surgir mais adiante, no momento observe! ... Pois é, acho que o mercado está tentando e não está conseguindo, veja o gráfico a seguir.


Se você está vendido em dólar acho que vai passar por um calor, pois caso o USDBRL não prossiga em seu movimento de queda, e rápido, vai buscar a cotação de R$ 2,27/2,29, aí sim eu me envolveria numa operação de venda do dólar. Daqui há alguns dias conversamos.

O SP500 fechou 1.698, com baixa 0,71%; o USDBRL a R$ 2,1769, sem variação; o EURUSD a 1,3523, com queda de 0,26% e o ouro a US$ 1.280, com alta de 0,71%.
Fique ligado!

14 de outubro de 2013

Fundamento pragmático

Além da "não solução" americana sobre a elevação do teto de sua dívida, hoje é feriado nos USA, então os mercados estão as moscas, mas nenhuma mosca para ser abatida vale a pena! Hahahah... Além da inflação na China mais elevada que o consenso a 3,1% a.a., e suas exportações que diminuíram bem, nada de interessante a ser comentado, assim vou me ater a um artigo publicado pelo Wall Street, sobre um trader obcecado pelos gráficos.

.... Eu observo ações na Ásia, moedas europeias, commodities, desde ouro, óleo e café. Observo constantemente os mercados de bonds e taxas de juros.... Eu analiso muito mais gráficos em diferentes períodos que você possa imaginar, eu sou um adepto da análise técnica.... Existem três premissas básicas em que a análise técnica se baseia:

  1. Tudo o que acontece com um ativo está nos preços.
  2. Estes se movem com tendência.
  3. A história se repete.
... A ação nos preços são reflexos de mudanças na oferta e demanda. Se existe mais demanda que oferta o preço sobe, se a oferta é maior que a demanda o preço caí. Este não é um conceito simples para todas as previsões econômicas e de fundamentos?....

... Via de regra, grafistas não estão preocupados quais motivos fazem com que os preços subam ou caiam. Frequentemente, no início de uma mudança de direção, ninguém sabe exatamente porque o mercado está tomando aquele rumo (veja o post real-fundamentos-parte-I, quando projetei a alta do USDBRL). Embora o enfoque técnico possa algumas vezes parecer muito simples, a lógica por trás - que o mercado desconta tudo -  parece fazer mais sentido, conforme mais experiência se ganha sobre o assunto. Assim, se tudo que afeta o mercado em última estância está espelhado nos preços, então o estudo do mercado é tudo que é preciso. Estudando os gráficos e outros indicadores técnicos, o grafista infere pelo mercado, qual a direção que é mais provável o mercado se deslocar, não tentando ser mais esperto ou adivinhar para onde é a tendência.

Em 2002  resolvi me aventurar nos mercados de câmbio do G10, eu estudava os fundamentos e graças a este último dei  um dos melhores calls da minha vida, ao sugerir comprar o euro a 0,87, peguei na veia como se diz no jargão de mercado. Mas em seguida ficou mais difícil, e os fundamentos começaram a não funcionar tão bem, foi aí que decidi aprender análise gráfica. 

Fiz uma estatística dos meus calls durante um determinado ano e percebi que as moedas que eu menos entendia deram bons resultados, enquanto que nas principais perdi, neste momento ainda estava dividido entre os dois métodos. Eu acreditava ser um expert de moedas, e consequentemente as  minhas decisões eram influenciadas por "palpites", mas a realidade mostrou ao contrário, então a partir daí mergulhei na análise técnica.

Veja um pouco como foi o meu track record no euro, depois do call de compra, ao redor de 1,25, eu resolvi ficar neutro, afinal tinha subido muito, achei que já estava bom. Em seguida subiu mais um pouco e recuou já na fase II, e foi aí que as coisas andaram mal, pois fui pego com alguns calls de venda que não deram certo. O que estava acontecendo com os fundamentos? Naquele momento atentei que a analise técnica ainda apontava novas para a moeda única.

Olhando para trás, eu percebo que tive muita sorte ao entrar num mercado que estava com tendência de alta, mas podia ter me dado muito mal. Nos dias de hoje quem decidir operar moedas do G10 só com fundamentos eu desejo boa sorte, pois acredito que a maior chance é de perder, basta ver os BC's, que são grandes players,e  tem critérios muito diferentes dos investidores.

O SP500 fechou a 1.710, com alta de 0,41% (a bolsa funcionou com baixa liquidez); o USDBRL a R$ 2,1793, com alta de 0,29%; o EURUSD a 1,3558, com alta de 0,13% e o ouro a US$ 1.271, sem alteração.
Fique ligado!