Inflação: A Revanche

31 de julho de 2012

What´s is going on?

Peço desculpas aos leitores por usar algumas vezes expressões em inglês, mas está língua é muito rica, neste aspecto e em algumas situações encaixam-se perfeitamente. O fato que trago a vocês hoje é a performance da bolsa Chinesa, há algum tempo este assunto merece destaque aqui, nos posts o-que-está-acontecendo-na-china?sinais-contrários e será-que-o-messi-vai-ser-vendido?, já me intrigava uma performance tão pífia.
Então, vejamos aqueles gráficos atualizados.


Como fica evidente a partir de maio este índice está ladeira abaixo, quase nenhum respiro, hoje a 2.330 se aproxima rapidamente das mínimas, e uma queda 20% se comparada a um ano atrás. Humm...


O gráfico acima compara a performance com o SP500, realmente parece que se separaram para sempre! ahahah.... 
What´s is going on? Não preciso listar os motivos do porque a China deveria estar no topo da lista, também compreendo os argumentos de alguns economistas sobre o risco de uma desaceleração econômica mais forte, mas se este é o caso, não deveria também afetar as outras bolsas? Eu poderia ficar aqui especulando e relativizando, mas seria de pouco valor, o que eu sei é que não é lógico! Sinal de alerta.

O SP500 fechou a 1.379 com queda de 0,43%; o real a R$ 2,0513 com alta de 0,51%; o euro a 1,2304 com alta de 0,38% e o ouro a U$ 1.613 com queda de 0,50%.
Fique ligado!




TRADE 31072012


Está vai ser a foto que usarei para indicar o inicio de um trade, objetivo? Mosca!


Há alguns dias venho observando que o SP500 está dentro da minha zona de ação, e para falar a verdade estava esperando a reunião do FED amanhã, para eventualmente buscar mais uns pontinhos, decidi não ser tão "pão duro e entrar hoje".

TRADE - 31072012
ATIVO - SP500
POSIÇÃO - VENDA
PREÇO DE ENTRADA - 1.385
STOPLOSS - 1.435
TARGET - ABAIXO DE 1.090 ( a ser melhor definido)

Fique ligado!


30 de julho de 2012

Quais são as preocupações?

Vou fazer uma modificação na postagem dos conteúdos, de agora em diante vocês podem esperar por 4 tipos: a) Fechamento - Com frequência diária contendo algum comentário, mais os fechamentos dos principais ativos; b) Técnico -  Análise sobre os ativos com indicações de tendência; c) Trade - Sugestões de posições e d) Especiais - Algum assunto que eu considero de interesse. Acredito que, desta forma, cada leitor poderá optar por suas preferências. Se você tiver alguma sugestão será bem vinda.

O gestor de um dos maiores fundos de Investimento, John Hussman, na sua carta mensal aos clientes, citou 4 motivos que o preocupam, que eu transcrevo abaixo:

  1. Me preocupo, que os investidores esqueçam como um prejuízo devastador, pode afetar um portfólio.
  2. Me preocupo, com a constante esperança dos investidores, induzida pelos Bancos Centrais, que criaram uma falsa sensação que recessões expressivas podem ser evitadas.
  3. Me preocupo, que a profundidade das recessões e desacelerações, quando ocorrer, serão muito mais profundas justamente por causa da especulação, o risco moral e má alocação de recursos que as autoridades monetárias têm incentivado.
  4. Me preocupo, que tanto uma recessão global quanto uma queda grave dos mercados estão mais próximas que os investidores assumem, em parte, porque eles estão totalmente convencidos pela salvação ilusória da intervenção monetária.
Eu concordo plenamente com estes receios, a única ressalva é o timing, mas todos deveriam ter seus portfólios com ativos de liquides diárias e de altíssima qualidade, o mais seguro mesmo é ficar no over night. Títulos longos, como papeis superiores a 3 anos, fique fora!

O SP500 fechou a 1.385 sem variação; o real a R$  2,0379 com alta de 0,79%; o euro a 1,2257 com baixa de 0,51% e o ouro a U$ 1.622 sem variação.
Fique ligado!

29 de julho de 2012

Espanha x Brasil

Se o assunto fosse futebol não teria bons prognósticos para nós brasileiros, acompanhei os jogos da Eurocopa recentemente e o time espanhol é diferenciado, não só pela qualidade individual dos jogadores, mas pelo conjunto. Infelizmente, como brasileiro, tenho que aceitar que nosso futebol necessita de uma grande mudança, não adianta só ter jogadores como Neymar e Cia., é necessário ter harmonia e isto nós estamos longe de ter. Tenho muito receio das expectativas para a Copa de 2.014, se continuar do jeito que está, só torcendo muito!

Eu estive recentemente na Espanha, fiquei com uma impressão muito positiva do país, a infraestrutura de aeroportos, estradas, hotéis é impressionante. Com relação ao tratamento dado aos turistas, uma das melhores que conheço, dos atendentes dos hotéis, motoristas de táxi e restaurantes, nota 10! Os parques e Monumentos históricos estão impecáveis, papel no chão? praticamente não tem, as arvores e plantas são melhores cuidadas que na minha casa, e por ultimo o estádio do Real Madrid e Barcelona nem consigo relatar, nunca vi algo parecido. Então o que deu errado, para estarem neste sufoco atual?

Desde que inicie o blog, há quase um ano, venho escrevendo bastante sobre a Europa, afinal eles são a bola da vez. Tudo começou com a introdução da moeda única que tinha uma boa intenção aparente, mas falhas profundas no conceito. O intuito deste post é qualitativo, pois imagino que meus leitores acompanham os dados que publiquei, em todo caso se alguém precisar de mais informações, por favor, anotem nos comentários abaixo.

Antes de 1999, ano da implementação do euro, a Espanha era um país em desenvolvimento e como tanto tinha taxas de juros compatíveis com esta situação, além do mais a peseta, moeda nacional, tinha uma cotação que incentivava os seus produtos e serviços internacionalmente. À partir daí os juros em euros para títulos espanhóis tiveram uma queda expressiva, pois o mercado erroneamente classificou os países: One size fits all, onde o risco deste país ficou comparável aos dos alemães. Com a estabilidade da moeda, um boom, principalmente imobiliário, começou a se desenrolar. Do ponto de vista externo, e pela agressividade dos empresários espanhóis, estes fizeram investimentos maciços em outros países, principalmente na America Latina, seu raciocínio era simples, os ativos nesta região estavam baratos e ao adquirirem, se financiaram com taxas baixas. Mas toda esta bonança, gerou distorções que apareceram no médio prazo, a competitividade dos trabalhadores espanhóis se distanciou dos alemães, agregado a concorrência dos produtos Chineses. Esta situação só foi sentida quando os investidores começaram a duvidar da continuidade deste modelo.

De uma forma diferente da Espanha, e a partir de meados dos anos 2000, nossa economia iniciou um período positivo de crescimento impulsionado por basicamente 2 fatores : A elevação dos preços das commodities nos mercados internacionais e pelo interesse do investidor estrangeiro em investir aqui, que teve como consequência apreciação considerável de nossa moeda. Em função destes fatores, ganhamos poder de compra. Da mesma forma que a Espanha, mas por razões diferentes, a produtividade de nossa indústria está em queda livre, pois neste período os salários continuaram a ser reajustados pela inflação enquanto o real se valorizava, fazendo que a elevação do custo de nossa mão de obra inviabilizasse a fabricação de vários produtos. Nenhum efeito grave foi ainda sentido, haja visto que a taxa de desemprego está em níveis baixos por conta da demanda da Agricultura, Serviços e Imóveis.

David, onde você quer chegar, o que tem a ver o Brasil com a Espanha?


Sem duvida são situações muito diferentes, mas numa reflexão durante a visita aquele país, percebi que existem dois pontos em comum : a) Elevação "artificial" do poder de compra; b) Baixa produtividade das Indústrias. Diferentemente da Espanha, nossa situação financeira é muito sólida com quase U$ 400 bilhões de reservas. Mas o problema poderá vir por uma deterioração de nossas contas externas.
O gráfico abaixo aponta a evolução do nosso PIB junto com o preço das commodities.

Acho que dispensa qualquer comentário, nosso crescimento ficou dependente das commodities.
Muito bem a titulo de exercício, se os preços das commodities caírem significativamente no mercado internacional, os efeitos serão sentidos tanto na balança comercial como na conta de capitais. Uma desvalorização expressiva do real seria esperada com diminuição dos salários reais. Embora esta situação seria muito dolorosa, por outro lado tenderia a corrigir esta distorção. Mas se ao contrário o preço subir, nossa situação permanecerá enganosamente boa, mesmo com os empregos nas indústrias continuando a cair. 

Para evitar este risco de " depender de um só cliente", as commodities, o governo deveria tomar medidas de longo prazo que compensassem estas distorções, mas o que assistimos são medidas paliativas que de forma nenhuma enfrentam o problema. Parece que a ordem é: Que venga el toro ou melhor continue o samba!

Fique ligado!



27 de julho de 2012

Eu voltei para ficar...


Eu não sou muito fã do Roberto Carlos, mas é indiscutível seu sucesso, pois cantar ativamente por mais de 40 anos não é para qualquer um. Achei esta música de muito sucesso, o portão, adequado a este momento, mesmo não havendo nenhum cachorro me esperando! Ahahahahah.... eu voltei.
Vamos verificar as variações ocorridas nos principais mercados nestas duas últimas semanas.

O SP500 neste período ficou contido agg um intervalo bem restrito entre 1.330 e 1.380, no dia 19/7 postei um alerta, uma vez que o mesmo estava próximo dos parâmetros de venda alerta-no-sp500. Tudo indica que uma nova alta é eminente e valem parâmetros para venda entre 1.390 +/- 10 reação-positiva.

O Euro estava a 1,2248 e eu imaginava uma nova queda até o nível de 1,2000, a cotação atingiu a mínima de 1,2045, a partir daí iniciou-se uma recuperação e hoje encontra-se em 1,2370. As projeções continuam validas.

Quanto ao real nenhuma surpresa, continuo acreditando numa nova queda do dólar, de acordo com as previsões feitas perdidos-no-espaço.

Quanto ao ouro parece que o caminho 1 mencionado no post perdidos-no-espaço, está se materializando.

Inicialmente eu queria dar os parabéns aos meus leitores, vocês foram muito competentes ao combinar com os Russos, aconteceu exatamente o que esperava! Em seguida quero dizer que não vou fazer nenhum comentário hoje, pois ainda estou me inteirando das notícias, mas não posso deixar de mencionar as palavras ditas por Mario Draghi ontem " Que os BC farão o que for necessário para preservar o euro". É lógico que não dá para enfrentar o ECB após um anuncio destes, mas se for verdade que o ECB fará de  tudo, o euro irá sucumbir mais adiante de uma forma mais violenta. Uma declaração dessas ao invés de mostrar força, como parece, mostra extrema fraqueza e fragilidade, ninguém consegue enfrentar todo mercado, quando as premissas não são boas!

Aguardem neste final de semana o post: Espanha x Brasil.

- David, você acha que só por que foi a Espanha virou um especialista de futebol?
Ah, senti sua falta! Não faça especulações sobre o assunto, apenas aguarde.

O SP500 fechou a 1.385 com alta de 1,84%; o real a R$ 2,0223 sem alteração; o euro a 1,2303 com alta de 0,19% e o ouro a U$ 1.625 com alta de 0,60%.
Fique ligado!

19 de julho de 2012

Alerta no SP500

Na semana passada, e especificamente no post " reação positiva", define um intervalo, entre 1.390 +/- 10, onde uma posição vendida no SP500 seria recomendada. Muito bem hoje este índice atingiu 1.380, limite mínimo sugerido.
Como eu comentei estou na Espanha analisando em loco a situação por aqui, e a foto em anexo espelha com está difícil! Ahahahah....
Em todo caso,estou de olho nas recomendações, o que é difícil para mim, é avaliar a parte técnica sem minhas ferramentas. Fica a cada um de vocês o momento de entrar.
Por outro lado estou satisfeito, pois o mercado vem tendo o desempenho que eu esperava, e claro que vocês contribuíram muito, ao combinar com os Russos! Ahahahahah ...
Fique ligado!

17 de julho de 2012

No olho do furacão

O acertar na mosca veio até a Espanha para ver em loco como anda a situação neste país.
A primeira foto é de uma manifestação de aposentados em frente a bolsa de valores, aqui em Barcelona.
A outra foto, é da mesma avenida, 90 graus a direita.
Isto parece um país a beira de quebrar? "É melhor viver como rico a custa de dívidas, do que ser o credor destas dívidas!" Ahahah ....
Fique ligado!

11 de julho de 2012

Perdidos no Espaço

Acho que todos conhecem o filme Perdidos no Espaço, no filme os recursos da Terra estariam se esgotando e a sobrevivência humana depende do lançamento da Família Robinson ao espaço, na tentativa de colonização de "Alpha Prime", o único planeta na galáxia habitável para nossa espécie. Quando um clandestino sabota a missão, os Robinsons se veem vagando pelo espaço sem direito a paradas!

Não assistiu? Não tem problemas, basta acompanhar a "telenovela" da Europa pelo noticiário, onde a família Robinsnos é a Alemanha e os clandestinos são os países do Club Med, a impressão é que estão vagando na galáxia financeira.  Pois bem, ontem a chanceler Angela Merkel se mandou para Indonésia enquanto o Tribunal Constitucional teria que decidir sobre o ESM, mecanismo de estabilização europeu e sobre o pacto de união fiscal. Aquele órgão ficou pressionado pela quantidade de demandas contra a sua aprovação, provenientes de todos os lados, e empurrou para o final do mês se deve ou não conceder uma liminar que impedirá o presidente Joachim Gauck de assinar as leis, em seguida levaria mais três meses para se pronunciar sobre a constitucionalidade.

Está confuso? Não se preocupe, eles também estão, os helicópteros europeus não são como os dos outros países, pois ninguém sabe quem tem as chaves, onde devem ser abastecidos com as notas de euro, quem será o piloto e qual o roteiro a seguir, a isto se chama União Européia!

O gráfico acima é de nosso querido real, ontem postei a análise do SP500 reação-positiva, onde frisei que este ativo daria o tom para os outros mercados, no caso do real, o meu preferido é o roteiro em vermelho 1, onde o dólar deveria recuar até 1,97/1,95 para depois subir ao próximo target de 2,25. Caso as ações americanas não esbocem a recuperação que está explicitada no post acima, é provável que o caminho  2, em azul, prevaleça. Em todo caso, U$ acima de R$ 2,105, in god we trust. Se você decidir comprar use um stoploss de R$ 1,85.

Não é por coincidência que os ativos apresentam dois caminhos possíveis, isto dá certa consistência, de curto prazo, às análises. Aqui como no caso do real, meu "roteiro" preferido é o em vermelho 1, onde o ouro poderia se recuperar no nível próximo a U$ 1.660/U$ 1.700 e depois cair, ou iniciar a queda a partir de já, onde o nível de U$ 1.520 é importante. No caso 1 usaria um stoploss de U$ 1.800, e no caso 2 U$ 1.650.

Agora que os jogos estão definidos, qual deve ser a escalação, quem marcará os gols, e etc... Só falta avisar os Russos, e como ultimamente eu tenho usado e abusado deles, deixo a vocês esta tarefa! Ahahahaha...
Boa sorte e até a volta.

O SP500 fechou  a 1.341 sem alteração; o real a R$ 2,0354 com alta de 0,11%; o euro a 1,2237 com queda de 0,09% e o ouro a U$ 1.575 com alta de 0,64%.
Fique ligado!



10 de julho de 2012

Reação positiva

É muito comum aos seres humanos, ao enfrentar um problema, achar um "culpado". Agindo desta forma, um alívio de curto prazo toma conta de nós, mas ao passar o tempo de nada vai adiantar, somente uma ação ativa e positiva, na busca de alternativas poderá solucionar.
Um país com muitas qualidades adquiridas no tempo é a Austrália, eu costumo dizer que é o Brasil que deu certo. Tem uma população com bom astral, temperaturas semelhantes as nossas e dirigentes de alta qualidade. Muito bem ,vejam as declarações de David Gruen, diretor do Tesouro Australiano:

 ..."As companhias locais devem se adaptar ao dólar australiano mais valorizado, e aumentar a eficiência para poderem sobreviver, permitindo que o trabalho e capital se movam para as partes mais produtivas de nossa economia"... "Os ganhos no poder de compra australiano da última década, foram obtidos de forma fácil, mas que não poderão ser reaplicados daqui para frente. Os ganhos do futuro deverão se apoiar fortemente em produtividade"... "Os bens produzidos por um grupo de capital e trabalho foram obtidos por um mau crescimento"...


Ao invés de culpar os helicópteros "globais", que com certeza também induziram, e muito, a compra do dólar australiano, entendem claramente que o que foi obtido no passado, se não tiver uma mudança de postura por parte da Austrália como um todo, será perdido no tempo, e de nada vai adiantar comprar dólares, ou impor tarifas para proteger suas indústrias, ou ainda incentivar despertadamente o consumo via crédito. Enfrentam o problema de frente. Parabéns!

O acertar na mosca vai interromper seus post diários a partir desta sexta- feira, dia 13/07, com retorno dia 30/07, a não ser que algum fato relevante aconteça. Demorei um tempo para tomar esta decisão e achei que não seria produtivo postar se eu não vou estar acompanhando os mercados, nem tampouco meus dados técnicos, afinal estarei de férias. Hoje e amanhã, vou resumir minhas visões nos mercados do SP500, euro, real e ouro.

Vamos começar pelo SP500, pois é o índice que vai ditar o tom dos outros ativos. Eu já estou com um viés de baixa há algum tempo, esperando o melhor momento para vender, o retângulo em verde é onde eu acredito que este mini topo deverá acontecer (ou já aconteceu uma vez que foi penetrado), mas parece que uma nova tentativa de alta é possível. Como não estarei por aqui, fica difícil estabelecer táticas, mas minha sugestão seria aguardar o nível de 1.390 +/- 10 para vender, e caso ocorra, coloque um stoploss a 1.430. Agora se isto não acontecer, e o índice iniciar o movimento de queda, fique atento a 1.310 onde provoca uma evidência que a baixa já está a caminho, porém é abaixo de 1.270 que deverá cair com mais força.

Quanto ao euro, no post numa-tacada-três helicópteros, já estão explicados os motivos de minha dúvida. Os dados técnicos são incrivelmente baixistas, porém alguns parâmetros indicam cautela. Hoje o euro chegou próximo à cotação de 1,22 e acredito que deverá se aproximar do nível de 1,20. A partir daí teremos duas hipóteses: a) continua caindo, e 1,19 é muito importante para definição no médio prazo, ou b) volta a subir e recupera o nível ao redor de 1,25/1,26. Vocês podem tomar suas decisões, mas eu não ficaria vendido nos níveis atuais, podem cair numa armadilha, pois até os Gregos, que já não tem quase nada a perder, também estão vendidos! Ahahahah....

O SP500 fechou a 1.341 com baixa de 0,81%; o real a R$ 2,0372 com alta de 0,33%; o euro a 1,2248 com baixa de 0,54% e o ouro a U$ 1.568 com baixa de 1,19%.
Fique ligado!


6 de julho de 2012

Numa tacada, três helicópteros


Os Bancos Centrais da China, da zona do Euro e do Reino Unido tomaram novas medidas para impulsionar o crescimento, em meio a preocupações crescentes sobre a economia global, mas os movimentos não pareceram tranquilizar os investidores. Estas ações voltaram o holofote para o FED, que deu sinais que poderia lançar novas medidas, se necessário. As medidas tomadas, vão desde a queda de juros pelo ECB e BC Chinês, o lançamento de alguns helicópteros pelo BOE. Em relação a Europa, o mercado não gostou do que ouviu, ocasionando numa nova queda do euro (avaliado abaixo).

Hoje será anunciada a taxa de desemprego do mês de junho nos USA, e nestas datas o mundo fica polarizado, para avaliação desta informação. Se o número for ruim, pode estar certo que o Bernanke irá preparar a frota de helicópteros para breve. Veja o gráfico abaixo que representa o ISM-nonmfg, um índice calculado através de uma pesquisa com os empresários para avaliar as perspectivas futuras, que neste caso é referente ao setor de serviços, um dos itens é sobre emprego, anotado com a linha em vermelho. 


No início de 2009 o governo americano instituiu o QE1 (Quantitative easing), anotado como H1, H de helicóptero  ahahahah...., naquele momento obteve um resultado muito bom, depois QE2, já foi muito mais modesto, e parece que H3 está a caminho. Será que vai ajudar ou será um voo de galinha? 

Eu costumo dizer que um BC pode baixar os juros por dois motivos: a) O bom - Onde a economia depois de passar por uma fase de crescimento forte, o BC aumenta os juros para conter a inflação e posteriormente, quando a mesma retrocede, pode baixá-los mantendo um crescimento saudável; ou b) O mal - Quando a economia está tão mal, que o BC baixa os juros para estimular o consumo e evitar uma recessão. Hoje estamos no caso BBBB) onde a queda é para evitar uma depressão. Então, baixar os juros de quase zero para zero não deve fazer muita diferença, e é ai que a situação pode ficar muito perigosa, pois o mercado ao perceber que o BC ficou sem bala, entra em pânico!

Foi publicada a taxa de desemprego, nos USA, que se manteve estável em 8,2%, porém a criação de novos postos decepcionou ficando em 80.000, o que implica que cada vez mais os americanos estão desistindo de procurar por vagas, nada bom! E o mercado já deu seu tom negativo, logo na abertura.

 No post sem-helicopteros-do-fed, publicado em junho, eu esperava uma queda do euro até o nível de +/- 1,20. Muito bem, estamos a caminho, porém ao atingir este nível, tecnicamente dois caminhos são possíveis, conforme anotado no gráfico acima. Em função disso, não vou propor nenhum trade, pois já está suficientemente próximo. Olhando de hoje, parece quase impossível  imaginar como poderia subir, mas este argumento não é suficiente para decidir pelo caminho da continuidade de baixa, embora pareça o mais provável. Uma coisa eu aprendi, quando os movimentos são de correção, operar é muito arriscado, as armadilhas surgem quando você menos espera, todo cuidado é pouco.

Os preços foram coletados as 15:30 hs., o SP500 estava a 1.348 com queda de 1,37%; o real a R$ 2,0363 com alta de 0,85%; o euro a 1,2265 com queda de 1,02% e o ouro a U$ 1.578 com queda de 1,49%.
Fique ligado!





5 de julho de 2012

Preto ou vermelho?


O Corinthians conquistou o título de campeão da taça Libertadores da America, pela primeira vez em sua história. Vejamos os números: 14 jogos, 8 vitorias e 6 empates, 24 gols a favor e somente 4 contra, mereceu! Além do time, dois nomes devem ser destacados, Tite que é um comandante com C maiúsculo e Luis Paulo Rosenberg, a inteligência por trás deste trabalho. Tive acesso a algumas informações do novo estádio, vai ser de padrão internacional. Parabéns!
Mudando de assunto, às vezes é difícil tomar uma decisão quando se tem 2 alternativas, olhamos por um ângulo, por outro e não fica evidente qual caminho a seguir. No futebol seria uma decisão nos pênaltis. Isto nos remete ao mercado do ouro, o pop star, ou será ex- ? ahahahah....

Desde que publiquei o post por-que-o-ouro-nao-está-brilhando, nada de muito importante aconteceu e as mesmas dúvidas, lá colocadas, persistem. Conceitualmente, posso entender a dúvida, por um lado os investidores que buscam um refúgio para seus recursos acreditam que o ouro é o único que dá para confiar, pois nenhum BC vai lançar barras do metal pelo helicóptero! ahhahahah..., por outro lado as forças deflacionárias, oriundas do processo de desalavancagem, tendem a agir no sentido baixista.

- David, espera aí, se for apelar para cara ou coroa me avisa, pois vou me descadastrar do blog!
Calma, não fique tenso, eu não tenho direito de ter dúvidas? Em todo caso, observe que minhas dúvidas são nos movimentos de curto prazo, onde o ouro se enquadra, mas a visão de longo prazo não mudou desde o início, ou qual seja, caminhamos para um stress importante nos mercados financeiros. Pode continuar, não vai se arrepender.

Por todos os lados que analiso, fico em dúvida se teremos ainda uma nova alta até +/-U$ 1.650 ou +/-U$ 1.730,  para depois cair (1), ou se o movimento de queda se iniciará em seguida (2).Mas o viés é queda, nosso target é por volta de U$ 1.350. Então preto ou vermelho? Faça sua aposta.

O Ministro das Finanças, Guido Mantega, fez algumas declarações, no evento da Fiesp, que merecem destaque: ..."Não é sair dando crédito adoidado, mas se reduzir o spread a inadimlpência vai cair"..., está foi a resposta que deu a Roberto Setubal, que representava os banqueiros. Ao presidente da Nestlé, que criticou a carga tributária ao citar que 50% do preço da garrafa era imposto, recebeu a seguinte cutucada ..." A Nestlé tem no Brasil o segundo maior mercado mundial e significa que deve ter crescido lucrando bastante"... Mas a melhor foi o conselho que deu aos empresários: ..." É preciso que o setor empresarial desperte seu espírito animal e faça seus investimentos, pois quem sai na frente tem vantagens"... Será que ele quis dizer que o melhor seria sair na frente e fechar a fábrica? Ahahahahah.... O editorial do Estadão comentou as declarações do Ministro com o seguinte titulo: A fantasia de Mantega, com certeza ele (Ministro) não está lendo o acertar na mosca!

O SP500 fechou a 1.367 com queda de 0,46%; o real a R$ 2,0248 sem variação; o euro a 1,2387 com queda de 1,09% e o euro a U$ 1.604 com queda de 0,67%.
Fique ligado!




4 de julho de 2012

O Governo está furioso

Na vida profissional, já tivemos a experiência de conviver com um chefe "truculento", aquele que ao não conseguir resolver uma situação, ameaça seus subordinados com argumentos: Se as vendas não subirem te mando para rua, se vira! Quem recebe esta ordem vai repassando a ameaça, tornando o ambiente de trabalho um terror. Eu tive a felicidade de nunca ter um chefe destes, e acredito que como gestor não agi assim. Não funciona, pois nestas situações, normalmente são tomadas medidas paliativas.
Venho alertando diversas vezes para a situação dramática que vive a indústria brasileira: só-eu-tenho-acesso-estes-dados;  desafiando-o-livro-texto-de-economia, para citar alguns. Ontem foram publicados os dados referentes ao mês de maio, e posso dizer que foram horríveis, veja a seguir.

Os dados acumulados em 12 meses já apontam para um fechamento do ano negativo, pois para ficar no zero a zero, precisaria crescer 1,6% a. m. daqui para frente, mas os dados acumulados deste ano, são ainda muito piores. Imagino que os gestores de nosso governo, ao se depararem com estes números, ficaram furiosos, e provavelmente deram ultimatos do tipo: "Eu quero que a indústria cresça a qualquer custo!" Ações foram tomadas, porém a que chamou a minha atenção, foi a declaração do diretor de política monetária, em entrevista a Agência Estado: ..."O dólar abaixo de R$ 2 pode não ser bom para a indústria"... Tenho até dificuldades de entender como uma autoridade do BC poderia dar uma declaração deste tipo, só pode ser sob intensa pressão.

- David, bem vamos ao que interessa, o dólar vai subir ou cair?
Há alguns dias o BC vendeu uma quantidade razoável de dólares ao redor de R$ 2,10, e conseguiu conter a alta, ontem vem um dirigente e explicita um nível "mínimo". Somos levados a concluir que o BC estabeleceu uma banda entre R$ 2,00 e R$ 2,10. Funciona? Só no curto prazo. Como diz um ex-presidente de Banco Central ..."no câmbio não tem bom"..., você consegue administrar num período curto , mas se esta ação gera uma distorção, algum dia terá que pagar a conta com juros e correção monetária. E para a pobre da indústria, tudo isso tem impacto muito limitado, e o que é pior, posterga as mudanças estruturais necessárias, que comento nos posts citados acima.

Imagino que amanhã virá um esclarecimento negando esta interpretação, e por conta disso, fica bastante improvável o BC intervir nos R$ 2,00, por outro lado o mercado reagiu a estas declarações e acabou subindo hoje também. Embora não tenha mencionado, existem algumas alternativas para como esta correção pode se desenrolar, como não quero confundir vocês preparei o gráfico abaixo com algumas cotações que vamos acompanhar.

Se o real penetrar o retângulo em vermelho, diminui a chance da alternativa que propus no post dá-para-confiar-nos-russos?, neste caso uma formação triangular é possível, onde as cotações ficarão contidas entre R$ 2,00/ R$ 2,09, temporariamente. Se entretanto o nível de R$ 2,105 for ultrapassado, bye, bye correção, estamos a caminho dos R$ 2,25. Espero que os Russos cumpram com sua parte! ahahahah.....


Hoje é dia de festa dupla, nos USA pela comemoração do dia da independência, como consequência os mercados estão fechados. Aqui o Corinthians vai disputar a final da Copa Libertadores. No primeiro caso, a comemoração é garantida, no segundo vai ter que ganhar do Boca Juniors. Vamos Corinthiansssssss.... 
Nota: A partir de amanhã recomeça Vamos Santosssssss.... Está precisando!  

O real fechou a R$ 2,0299 com alta de 0,94%; o euro a 1,2533 com baixa de 0,57% e o ouro a U$ 1.615 com queda de 0,1$%.
Fique ligado!

3 de julho de 2012

Dá para confiar nos Russos?

O Prof. Kenneth Rogoff, da Universidade de Harvard com especialização em finanças, deu uma entrevista a Bloomberg, do qual extrai alguns trechos.
..."Os lideres europeus ganharam um pouco de tempo antes de uma ruptura"...
"...Eles vão continuar a tomar medidas radicais, para permanecer em pé... estamos muito, muito longe de uma visão de longo prazo, é um caminho longo e difícil"...
..."Eu imagino, ainda nos próximos anos, uma desaceleração significativa na China, que será muito difícil de administrar, principalmente para um mundo que não espera esta situação"...
Previsões nada animadoras, mas consistente com uma economia que ainda tem muitos anos para continuar desalavancando.

Bem, os Russos cumpriram, com muita presteza, o combinado sobre o real freud-explica, é verdade que são dois movimentos: primeiro a queda do dólar e em seguida uma nova alta, e por enquanto só a primeira parte foi cumprida.

Vou dar um crédito aos soviéticos, embora seu track record não seja lá essas coisas! ahahah.... Agora estamos num dilema, como podem notar, eu coloquei dois possíveis pontos de compra: o primeiro entre R$ 1,95/R$ 1,97, praticamente nos preços atuais, ou aguardar e arriscar comprar entre R$ 1,91/1,93, ou seja, uma diferença de aproximadamente 2,5%. Do ponto de vista técnico, aliado a um momento mais positivo no curto prazo, sou tentado a esperar um pouco mais. O stoploss deveria ser colocado em torno de R$ 1,85, e ai que vai fazer a diferença, pois no primeiro, se o stop for ativado, o prejuízo seria de 6,5%, enquanto no outro 3,8%. 
It´s up to you!

- David, O que? Você está tirando totalmente da reta?
Não é verdade, estou deixando a decisão para você e depende da sua situação. Por exemplo, se você tem uma dívida em U$ e não quer arriscar, sugiro ser mais conservador, mas por outro lado, se é uma operação especulativa, pode esperar
No post o-tempo-passa sitei alguns leitores que me provocaram, no bom sentido, com a frase: se bater R$ 1,99 eu compro tudo! Agora estão numa posição melhor que a nossa, pois se cumpriram com o que se comprometeram, vão dormir tranquilos, mas não esqueçam de colocar o stoploss.

Hoje as bolsas fecharam mais cedo pois amanhã é feriado nos USA, o SP5000 fechou a 1.374 com alta de 0,62%; o real a R$ 2,0150 com alta de 1,56% ( Xiiii será que perdemos a oportunidade? Não ainda, fique firme) ; o euro a 1,2608 com alta de 0,19% e o ouro a U$ 1.617 com alta de 0,71%.
Fique ligado!

2 de julho de 2012

Balanço do 2º trimestre


Como de praxe, ao final de cada trimestre faço uma avaliação dos principais mercados que acompanho. Este período foi marcado pelas tensões advindas da Europa e os seus efeitos nas outras economias do globo. No velho continente, através das eleições ocorridas em vários países, indicam uma ascensão de governos com visões mais socialistas, colocando em cheque a política econômica usada até o momento. Por outro lado, a desaceleração econômica sentida em todas as regiões, colocaram os BC prontos para agirem caso seja necessário, Pelo desempenho dos vários mercados, os investidores ainda não "jogaram a toalha", como pode ser observado nos gráficos a seguir:

  • SP500
Diferentemente do1º trimestre, o SP500 retrocedeu no 2º trimestre quase que todos os ganhos obtidos, à partir de junho iniciou uma leve recuperação, ficando claro a indecisão do mercado.
Não tivemos nenhum trade executado, porém houve uma proposta não executada ( ponto em vermelho), que se fosse realizada não geraria nenhum resultado relevante até o momento.

Em todo caso, tecnicamente, a formação destacada com a linha em azul, indica uma queda mais adiante.

  • Real


No 2º trimestre houve continuidade no movimento de valorização do dólar, impulsionado pelas ações do governo e pelo fortalecimento da moeda americana no mercado Internacional. O trade proposto anotado em vermelho, não foi bem sucedido, gerando um prejuízo de 3,5%. Como eu havia mencionado, este seria um trade contra o movimento de mais longo prazo, e graças a um stop "curto" protegemos o capital de perdas maiores.

O movimento de alta do dólar deverá ter continuidade e estou aguardando o término do movimento, de correção, iniciado nesta ultima semana ( linha azul 2).

  • Euro

De uma forma semelhante à bolsa americana, o euro traçou um movimento de queda neste trimestre. No início de Abril, as elevadas posições vendidas na moeda única inibiu minha ação, em todo caso ainda não apresentou um movimento de queda significativa. Executamos um trade que teve um resultado ínfimo e positivo, e um trade proposto, no ponto em vermelho, que não foi executado.

Para a próximo trimestre antevejo uma queda.

  • Ouro
Neste trimestre o movimento ficou limitado a um intervalo restrito, sem nenhuma direção, ora subindo, ora caindo. Não houve nenhum trade neste ativo, e acredito que se tivesse não seria lucrativo.

Neste trimestre acredito que depois de uma recuperação, o ouro deverá testar novamente os níveis de U$ 1.520, com um possível rompimento.

Houve também uma posição na libra esterlina com um resultado de 0,8% negativo.

Poderia resumir que este foi um trimestre que não acertamos na mosca!.

O SP500 fechou a 1.365 com alta de 0,24%; o real a R$ 1,9867 com queda de 1,12%; o euro a 1,2587 com queda de 0,57% e o ouro a U$ 1.598 sem alteração.
Fique ligado!